Este diário complementa o nosso site pessoal

( VER ETIQUETAS NO FIM DA PÁGINA )

USE O PESQUISADOR DO BLOGUE -

-

OS TRATAMENTOS SUGERIDOS NÃO DISPENSAM A INTERVENÇÃO DE TERAPEUTA OU MÉDICO ASSISTENTE.

ARTE

Pesquisar neste blogue

domingo, 26 de julho de 2009

DIÁTESES - MIASMAS - HOMEOPATIA





Diátese é o conceito actual que além de englobar a doença crónica resultante de acção miasmática a que se refere Hahnemann, enquadra o conceito de modo reaccional patológico – diátese é um conceito que surgiu com a Escola Pluralista, correspondendo à doença hahnemanniana crónica.

“Emanações que outrora eram consideradas, erradamente, como causadoras de doenças e que provinham de detritos orgânicos em decomposição ou de doenças infecto-contagiosas e cujos efeitos se podem assemelhar, em parte, à acção microbiana no organismo”. Embora esta seja a definição de miasmas, que comumente se pode encontrar num dicionário, a realidade doutrinária homeopática subjacente ao conceito é muito mais vasta do que aquela que a mera descrição linguística pode denunciar. Efectivamente, Hahnemann empregava o termo miasma no mesmo sentido com que ele é definido actualmente, mas a sua conceptualização do fenómeno miasmático era bastante mais abrangente do que “a priori “ se pode pensar. Das palavras do “Organon” pode depreender-se, que para Hahnemann, miasmas são estigmas de infecções contraídas e suprimidas num passado remoto pelos nossos ancestrais. Estes estigmas são perpetuados pela linha genética, condicionando o modo reaccional de um organismo, que pode apresentar uma predisposição particular para contrair certas doenças e manifestar determinada realidade sintomática. Este eminente fundador homeopata, desconhecendo os actuais conceitos de genética, microbiologia, virologia e bacteriologia, desenvolveu um corpo doutrinário capaz de explicar a perpetuação na linhagem genética de marcas resultantes de infecções bacteriológicas, e explica inclusive, as micromutações cromossómicas que sofremos ao longo das décadas ou séculos e que reflectem as adaptações aos meios patológicos. Na realidade é mais fácil perceber as inequívocas macromutações – adaptações – aparentemente estáveis, que a nossa espécie sofreu ao longo de milénios, do que as transformações que os seres experimentam num espaço de tempo circunscrito a algumas décadas ou séculos Traduz-se assim, numa modalidade reaccional patológica específica dum indivíduo face a uma agressão patogénica indiferenciada. Crê-se actualmente que o conceito de miasma hahnemanniano se encontra ultrapassado – principalmente devido às recentes concepções das Escolas Pluralistas que o consideram lacunar – , devido ao facto de este não englobar uma série de factores etiológicos de carácter endógeno, nomeadamente a hereditariedade e a adaptação dos genes humanos. Erradamente, esta perspectiva actual resulta de interpretações restritivas da obra de Hahnemann: da leitura atenta do capítulo do “Organon” referente aos miasmas, depreende-se que Hahnemann acreditava numa perpetuação dos efeitos miasmáticos. O § 81 do “Organon” denuncia que Hahnemann não descurou – embora não conhecesse – o conceito de hereditariedade e de micromutação dos genes nos organismos vivos face a agentes patogénicos exógenos

Deve referir-se, que a remoção da superfície do organismo das manifestações de uma doença miasmática interna, deixando o miasma por curar, é a forma mais usual e prolífica de produzir doenças crónicas – “Organon”§ 202/205. A supressão de um eczema na criança pode conduzir a ulteriores crises asmáticas. Hahnemann defendia que não se devia aplicar nas enfermidades locais, crónicas ou agudas, externamente, qualquer remédio, nem mesmo o homeopático correcto (“Organon”§ 194; § 195). Este conceito hahnemanniano, embora teoricamente correcto, deve ser interpretado à medida da experiência clínica do homeopata, dos efeitos das diversas substâncias ou remédios no organismo, da patologia em causa ou da idiossincrasia do enfermo. A aplicação tópica de uma pomada de Arnica para um traumatismo físico recente, dificilmente terá complicações no organismo do paciente - atente-se, que o próprio Hahnemann na 6.ª edição do "Organon", abriu uma excepção a este princípio, a saber, no quadro clínico das verrugas.

A doença crónica progride do exterior para o interior, do baixo para o alto e os sintomas desaparecem na ordem inversa do seu aparecimento.

Hahnemann, constatou que alguns doentes tratados convenientemente com o remédio “simillimum” :

- tinham apenas leves melhorias;
- tinham recaídas;
- eram acossados por novas patologias – não confundir esta situação com aquela que pode surgir com administração do “simillimum” imperfeito. Aqui, o paciente é acometido por novas patologias e não por sintomas acessórios.

Daqui deduziu que subjacente à patologia aguda teria que existir uma crónica, que englobou em categorias diatésicas, verdadeiras disposições latentes, de causa hereditária ou adquirida, condicionantes do modo de reagir de um organismo, predispondo-o a contrair um certo número de doenças.
Assim, os doentes cujas patologias não respondessem satisfatoriamente ao “simillimum” , deveriam ser enquadrados naquelas categorias para efeitos de tratamento – cada uma das categorias engloba os pacientes cuja reacção patológica é análoga, independentemente do agente agressor.

Atente-se que a noção de doença crónica, não foi unanimemente aceite. Homeopatas como Kent e Hering, não lhe atribuíram grande importância, desenvolvendo todos os seus esforços na tentativa de descoberta do “simillimum” aplicável às situações patológicas imediatas do paciente em observação.

Gibson Miller, aluno de Kent, sustentou a necessidade de serem administrados sucessivamente diversos remédios, com o fim das doenças crónicas atingirem a cura.

Se no decurso de uma doença crónica surgir uma doença aguda banal, deve ser prescrito o remédio mais indicado, mas em baixa dinamização, de forma a não interferir ou interferir o menos possível com a acção prioritária do remédio de fundo.

Hahnemann individualizou três categorias:

Psora, derivada de uma intoxicação crónica – endógena ou exógena –.
Sicose como resultado das consequências negativas das vacinações – v.g. a antivariólica –, blenorragia mal tratada e de todos os processos mórbidos repetitivos e rebeldes.
Lues ou Sífilis, modalidade reaccional do organismo em face de agentes agressores diversos, caracterizada por manifestações semelhantes à da infecção provocada pelo “Treponema pallidum”. Nos tempos antigos a sífilis era considerada a causa da Luese.

Pelos trabalhos de Nebel e Vannier, incluem-se outras duas:

Tuberculinismo, como conjunto de manifestações físicas e psíquicas, bem como orientações mórbidas gerais imprimidas ao organismo por uma tuberculose que remonta a uma ou mais gerações.
Cancerinismo, forma nativa que susceptibiliza o organismo na direcção do risco oncológico.

Existindo um número considerável de remédios diatésicos, o terapeuta terá de procurar nas suas patogenesias os sintomas do quadro patológico apresentado pelo doente e obtido com recursos que não se limitam aos sinais recentes.
· Ao lado de Sulfur, os medicamentos principais da Psora são: Arsenicum Album, Lycopodium e Nux Vomica. A Calcarea Carbonica é o medicamento constitucional e o nosodo é o Psorinum. (Constituição é um conceito essencialmente pluralista).
· Ao lado da Thuya – a Thuya é a Sicose; a Sicose é a Thuya –, Dulcamara e Natrum Sulfuricum. O constitucional é a Calcarea Carbonica e o nosodo é o Medorrhinum.
· Para a Luese temos como principais ao lado de Mercurius Solubilis: Argentum Nitricum, Lachesis e Phytolacca. O constitucional é Calcarea Fluorica e o nosodo é o Luesinum.
· No Tuberculinismo, encontramos Phosphorus, Natrum Muriaticum, Pulsatilla e Sépia. O constitucional é a Calcarea Phosphorica e o nosodo é o Tuberculinum.
· A série cancerínica é a mais recente e não está bem definida. O nosodo é o Carcinosinum. Os três grandes cancerínicos são: Thuya, Conium e Hydrastis.


É aqui de vital importância a anamnese e o “simillimum” terá de estender a sua acção, quer aos sintomas imediatos quer aos mediatos – os que constituem o modo reaccional daquele paciente. Numa doença crónica, a totalidade dos sintomas, compreende os existentes desde o nascimento, excluindo os que se apresentem como estruturadores de um quadro agudo.

Em regra, o “simillimum” terá propriedades de cura quer no agudo, quer no crónico, mas quando tal não aconteça, terão de se receitar sucessivamente vários medicamentos, em consonância com a reavaliação constante do paciente e da patologia. Mas apenas um de cada vez. Recordamos que as Escolas Pluralistas preconizam a utilização simultânea de vários medicamentos e que as Complexistas misturam várias substâncias na mesma solução excipiente. Embora a prática clínica possa indicar a existência de resultados favoráveis mediante a particular prescrição terapêutica destas duas Escolas, aconselhamos a que os princípios basilares da homeopatia sejam inteiramente respeitados, até que a experiência clínica pessoal alicerçada os conteste.

É importante frisar que todos nós somos polidiatésicosas diáteses puras ou quase puras só surgem em pediatria – e as diáteses devem ser tratadas na ordem cronológica inversa ao seu aparecimento: primeiro a mais recente, depois a(s) mais antiga(s).
Se constatarmos uma determinada diátese actual, a sua cura fará com que surjam os sinais da diátese ou diáteses mais antigas, que serão tratadas em ordem sucessiva com o respectivo “simillimum”, até ao desaparecimento integral de todos os sintomas.

Cada paciente individualmente considerado, exibe apenas uma parte total dos sintomas que constituem a extensão total da diátese, extensão esta que foi obtida pela observação de muitos pacientes acometidos dessa “doença crónica”.

No domínio das diáteses, para além dos medicamentos de referência, crê-se que exerçam um papel fundamental os nosodos, policrestos de acção quer geral, quer local – Psorinum, Medorrhinum, Luesinum, Tuberculinum e Carcinosinum.

Os nosodos são produtos patológicos tecidulares ou extraídos de secreções mórbidas de origem vegetal, animal ou humana, diluídos e dinamizados segundo as técnicas da farmácia homeopática, administrados a partir da 6ª diluição decimal.

Os métodos bioterápicos foram desenvolvidos em França, paralelamente à homeopatia.
· O Psorinum é a diluição da substância sero-purulenta contida na vesícula da sarna.
· O Medorrhinum é a diluição da secreção purulenta blenorrágica.
· O Luesinum é o lisado das serosidades treponémicas de cancros primitivos.
· O Tuberculinum é a tuberculina bruta obtida da “mycobacterium tuberculosis”.
· O Carcinosinum é preparado a partir de nódulos cancerosos, particularmente do seio – adverte-se que não é um remédio do cancro, mas da diátese cancerínica –.
É necessário reconhecer que apenas uma pequena parte dos bioterápicos podem ser considerados medicamentos homeopáticos, porquanto a maioria carece de experimentação, de patogenesia. Entre os que assim são reconhecidos, estão os supra mencionados.




Já referimos o medicamento constitucional de cada uma das diáteses:

Psora – Calcarea Carbonica;
Sicose – Calcarea Carbonica;
Lues - Calcarea Fluorica;
Tuberculinismo – Calcarea Phosphorica.

As constituições – o conceito de constituição tem o seu domínio praticamente limitado à Escola Pluralista –, carbónica, fosfórica e fluórica, que são uma constante dos indivíduos, foram estudadas por Nebel e são determinadas pela observação do esqueleto e da forma do corpo.
· O carbónico apresenta formas arredondadas e o antebraço apresenta na posição de repouso, relativamente ao braço, um ângulo inferior a 180º.
· O fosfórico é um longílineo, grande e magro. O antebraço está exactamente no prolongamento do braço.
· O fluórico é um longílineo ou brevílineo, com o rosto e o corpo dissimétricos, decorrentes de deformações esqueléticas. Os dentes estão mal implantados. O antebraço apresenta relativamente ao braço, um ângulo superior a 180º.




Expomos a seguir, ainda que sumariamente, os principais sinais e sintomas das várias diáteses, de forma a que o homeopata possa expeditamente subsumir-lhes o quadro clínico apresentado pelo doente sujeito a observação – para o estudo desta matéria, é fundamental a obra: “As diáteses homeopáticas”, de Max Tétau, Editora Andrei, 1998 – veja-se ainda o desenvolvimento da mesma, no nosso livro “Homeopatia Essencial”, da editora SeteCaminhos –.



PSORA


A psora resulta na sua base conceptual Hahnemaniana, das sarnas cutâneas. Estas abundavam na época e encontravam-se mal definidas clinicamente. Deste modo, a psora não resulta exclusivamente da sarna mas também de toda uma série de enfermidades dermatológicas – eczemas, dermatoses, dermatites, micoses, etc. –.
Este grande miasma, comporta assim uma componente cutânea, seja ela adquirida ou congénita.


No que respeita ao quadro sintomático e de sinais clínicos psóricos:

- Dermatologicamente apresentam-se manifestações mais ou menos intensas do miasma psórico. O simples prurido é um sintoma da psora.
- Sintomatologia respiratória, crónica, alternada e com periodicidade.
- Termoregulação alterada.
- A presença de sintomatologia pertencente ao aparelho digestivo. Obstipação, funcionamento intestinal comprometido, desejo de açúcares e alterações do apetite.
- Todas as secreções e excreções apresentam um odor forte e desagradável.
- Problemas das faneras, especialmente das unhas.
- Problemas ginecológicos – prurido vulvar, leucorreias nauseabundas e irritantes.
- Propensão a parasitoses.
- Astenia e tristeza exacerbadas.


Modalidades:

- Agrava pelo frio ou pelo calor.
- Agravamento com o tipo de Lua – cheia, nova, quarto minguante –.



SICOSE


A sicose resulta da evolução crónica de uma gonorreia. O conceito de sicose além de se enquadrar no quadro patológico da blenorragia, ultrapassava os seus limites e englobava qualquer tipo de tumoração benigna.


Os principais sinais e sintomas clínicos são:

- Corrimentos genitais.
- Diarreias de cor esverdeada.
- Sudação exacerbada.
- Exsudação rinofaríngea e do aparelho respiratório.
- Neoformações cutâneas.
- Tumoração volumosa, lenta, regular e benigna.
- Aumento de peso.
- Ruminação de pensamentos, angústia e mau humor. Quadros fóbicos, especialmente o receio de neoplasias. Ideias fixas e sensações corporais bizarras.
- Agravamento das enfermidades pela humidade, especialmente pelo frio húmido.
- Dores articulares.
- Ingestão exagerada de chás.


Modalidades

- Agrava mediante todas as formas de humidade.
- Má reacção à vacinação.
- Agrava por certos alimentos – chá, café, cebola –.
- Melhora com a secura e o calor.
- Melhora com eliminações líquidas.



LUETISMO OU MIASMA SÍFILITICO


Hahnemann descreveu-a originalmente como sífilis visto resultar etiologicamente de uma infecção pelo “Treponema Pallidum”. A Lues – como é conhecida actualmente – reflecte a evolução de uma doença pelo chamado “cancro duro”.


Sinais e sintomas da Lues:

- Instabilidade de carácter com distúrbios da actividade e agitação.
- Condutas obsessivas.
- Insónias.
- Exacerbação das secreções que atinge os diversos aparelhos.
- Algias ósseas insustentáveis.
- Ulcerações associadas aos diferentes aparelhos.
- Progressão regular da hipertensão arterial severa.
- Varizes e úlceras varicosas.
- Amigdalites, anginas recidivantes e repetidas, parodontoses.
- Dissimetrias morfológicas evidentes.

Modalidades:

- Agravamento geral de todas as patologias à noite.
- Melhoria geral na montanha.



TUBERCULINISMO


Esta é uma diátese actual, identificada por Nebel e Léon Vannier. É fruto da tuberculose e os seus órgãos alvos são os respeitantes ao aparelho respiratório.


Principais sinais e sintomas da diátese tuberculínica:

- Sensibilidade reactiva aumentada a todas as agressões do aparelho respiratório.
- Insuficiência respiratória.
- Desmineralização global – dores dorsais frequentes, magreza apesar do apetite voraz, esgotamento físico e intelectual rápidos, agitação permanente.
- Variação extrema de todos os sintomas, sejam físicos ou mentais.
- Cefaleias frequentes.
- Apetite intenso.
- Disfunções cardíacas – hipotensão, taquicardias, precordialgias.
- Diarreias fáceis.
- Hipersexualidade.
- Fluxo menstrual abundante.
- Algias articulares.
- Congestão venosa periférica.
- Sudação profusa.
- Cistalgias e cistites frequentes no sexo feminino.
- Tosse fraca e frequente.
- Tendência hemorrágica.
- Ataques febris inesperados.



CANCERINISMO


Esta diátese é fruto de estudos recentes e caracteriza-se como um modo reaccional que pende sobre o risco da oncogénese.


Como principais sinais e sintomas clínicos desta diátese temos:
- Propensão à formação de nódulos inflamatórios – próstata, gânglios, útero, cólon, seios.
- Dores que queimam, lancinantes, repetitivas localizadas nos processos inflamatórios.
- Falência da energia vital – fadiga e tristeza profundas, emagrecimento lento, frio excessivo.
- Alterações do aparelho digestivo – ardor e sensação de queimadura na boca, ardor no estômago, dores que queimam e câimbras abdominais, hemorróidas permanentes.
- Afecções pulmonares, renais e geniturinárias.
- Alterações de monta na pele.


Modalidades:

- Agrava pelo frio, pelas alimentações excessivamente ricas e por um esforço mental excessivo e constante.
- Melhora com um clima ameno e temperado, alimentação desintoxicante e pelo repouso.


Expostas as diáteses homeopáticas, fazemos um reparo a respeito da sua utilização na prática homeopática.
Efectivamente, a sua importância clínica não deve ser descurada de modo algum, mas o modo como se efectua a terapêutica nalguns casos conhecidos deixa muito a desejar.
A prescrição de nosodos ou de qualquer remédio diatésico deve ser sempre precedida por um estudo profundo, que tome em linha de conta as leis da similitude.



JOSÉ MARIA ALVES
http://www.homeoesp.org


2 comentários:

Anónimo disse...

Li o artigo sobre miasmas e acredito que são bem fundamentadas.Os tratamentos de acordo com o perfil apresentado, tambem são excelentes, mas, é óbvio, depende de uma pesquisa detalhada de um excelente profissional.Nem todos, teem uma sensibilidade tão apurada para um diagnostico preciso.Recebi sugestão para o tratamento através da auto-isopatia energética e o achei simples.Por coincidência tenho todos os ingrediente necessários para essa finalidade e vou preparar o remedio.A alquimia tambem se refere aos miasmas de uma forma similar ao artigo.Conectei mentalmente as informações e estou a pensar se não é possivel um tratamento de miasmas através da auto-isopatia energetica. O que o senhor acha desta ideia? É viavel?Gostaria de uma orientação sua pois o considero extremamente inteligente e acima das limitações da ciencia atual.afetuosamente.ana maria

José Maria Alves disse...

Boa noite Ana Maria

Agradeço as suas palavras. No entanto, julgo que as minhas meditações e especulações apenas se ficam a dever à possibilidade que me foi concedida de dispor do tempo necessário para me debruçar constantemente sobre mim próprio e de realizar todo o tipo de experimentações em ambiente de recolhimento.

A AUTO-ISOPATIA ENERGÉTICA, dispensa como bem anota, o conceito de miasma ou diátese.
Os tratamentos sucessivos, irão atingindo gradualmente os níveis mais profundos do paciente, curando-os segundo as regras homeopáticas.
É difícil explicar num simples comentário as potencialidades do medicamento na vertente que aborda.

Um abraço. Use o medicamento em si e não deixe de prestar auxílio aos que a rodeiam - é grátis...

Zé Maria Alves