Este diário complementa o nosso site pessoal

( VER ETIQUETAS NO FIM DA PÁGINA )

USE O PESQUISADOR DO BLOGUE -

-

OS TRATAMENTOS SUGERIDOS NÃO DISPENSAM A INTERVENÇÃO DE TERAPEUTA OU MÉDICO ASSISTENTE.

ARTE

Pesquisar neste blogue

sábado, 13 de fevereiro de 2010

ALEXANDRU VLAHUTA (1859-1919) - DESPEJO






Gente coitada, não pagou a renda
E a tralha para a rua lhes deitaram:
Roupas de pobre – só trapos rasgados...
Esta mudança parece agonia.

E a chuva molha com seu ar de troça
Velhos farrapos, móveis roídos
Pelo caruncho, nus, desvergonhados.
Há dentro deles uma alma que chora.

E a cama ainda pensa nas carícias
Que amparou e que à dor deitaram
Dois magrizelas com as mãos de cera...
Oh, malditos amores de pobreza!

E grita ao vento: Mas por que direito
A mulher fraca, esfomeada, atira
Nova vida ao inferno – por um beijo?
Entre os pobres o amor é crime.

Chia a carroça à chuva: sua ruína
Devagar vai seguindo um operário,
Cabeça baixa, seco, de dor mudo,
E os olhos tristes para trás nem vira.

Ao lado, a mulher, cansada, leva
Dois miúdos pela mão. E em silêncio
Vão sem parar – nem eles sabem onde,
E a chuva os açoita sem piedade.

Tormento horrível, quase ameaça
Oculta-se no monte de farrapos,
No carro velho que a gemer estala,
Nos quatro vagabundos macilentos.

Essa miséria que os caminhos trava,
Os móveis desengonçados, gastos,
Que a lama cortam rumo ao futuro,
São como início de uma barricada.

Tradução de Doina Zugravescu

Sem comentários: