Este diário complementa o nosso site pessoal

( VER ETIQUETAS NO FIM DA PÁGINA )

USE O PESQUISADOR DO BLOGUE -

-

OS TRATAMENTOS SUGERIDOS NÃO DISPENSAM A INTERVENÇÃO DE TERAPEUTA OU MÉDICO ASSISTENTE.

ARTE

Pesquisar neste blogue

sábado, 27 de março de 2010

JOHN CEIRIOG HUGHES (1833-1887) - O REGATO DA MONTANHA







Regato da montanha, límpido e claro
Correndo apressado ou murmurando canções de lazer,
Descuidado procuras o caminho do vale.
Oh quem me dera ser eu o regato

Urze da montanha, aberta em flor
Há quanto tempo eu não te vejo?
Enquanto eu cismava no cimo do monte, o tempo fugia
E o vento espargia o cheiro da urze.

Aves da montanha, o vento vos guarda
Pairando nos céus; e em liberdade
De crista em crista vos leva voando.
Oh quem me dera eu ser como as aves!

Filho da montanha eu fui e eu sou!
Longe da terra, canto o meu canto.
Porém o coração na montanha deixei
À beira do regato, ao lado da urze, perto das aves.

Tradução de José Domingos Morais

Sem comentários: