Este diário complementa o nosso site pessoal

( VER ETIQUETAS NO FIM DA PÁGINA )

USE O PESQUISADOR DO BLOGUE -

-

OS TRATAMENTOS SUGERIDOS NÃO DISPENSAM A INTERVENÇÃO DE TERAPEUTA OU MÉDICO ASSISTENTE.

ARTE

Pesquisar neste blogue

sexta-feira, 5 de março de 2010

PIERRE DE RONSARD (1524-1585) - A CUPIDO



O dia leva a noite,
E a noite escura
Leva o dia luzente
Em sombra obscura.

O Outono segue o Verão,
E os vendavais
Cessam findos que estão
Os temporais.

Mas a febre de amor
Que me tortura
Mantém o seu vigor,
E assim perdura.

Deus, para mim lançaste
A tua seta,
Porque não a apontaste
A outra meta?

Persegue os desleixados,
Deles abusa;
Não eu, nem os amados
Pela Musa.

Ai, liberta-me então
Desta megera
Que mais ri, se aflição
Vê que me gera.

Devolve a claridade
Ao meu negrume,
E nesta triste idade
Repõe o lume.

Amor dá um sustento
Ao meu pensar:
Impede com melhor vento
Meu naufragar.

Pois quanto mais eu choro
Mais me rejeita,
E quanto mais a imploro
Menos me aceita.

Nem minha cor febril
De amor em vão
Levou a tão hostil
À compaixão.

Nem a viola tocar
Ao seu portão,
Nem as noites passar
No duro chão.

Menos cruel é a sorte
Da água revolta
Que por ela, se forte
O vento a solta.

Arma-se de beleza
E assim pensa
Ver da sua crueza
A recompensa.

Sê firme uma só vez,
E dela inflama
O coração talvez
Com essa chama,

Que uma irmã acendeu
Muito indiscreta,
E de ardor corroeu
Rainha em Creta.

Tradução de Filipe Jarro

Sem comentários: