Este diário complementa o nosso site pessoal

( VER ETIQUETAS NO FIM DA PÁGINA )

USE O PESQUISADOR DO BLOGUE -

-

OS TRATAMENTOS SUGERIDOS NÃO DISPENSAM A INTERVENÇÃO DE TERAPEUTA OU MÉDICO ASSISTENTE.

ARTE

Pesquisar neste blogue

sábado, 12 de outubro de 2013

CONDENADO À MORTE POR CRIME DE AMOR




condenado à morte por crime de amor

nas mãos ainda o sangue coalhado e as marcas do velho punhal
naquela tarde de outono a imagem no fúnebre pinhal

tinha pousado entre grades seu olhar alucinado
dia após dia     ano após ano

o vento em mangas de camisa murmurava obscenidades
o azul do céu desencanto     angústia     dor


doce pensamento era agora o seu
a amada
que deus lhe deu
que deus lhe tirou
a ele que matou
bem que era seu

e deus sabia que ele o faria
sempre o soube     desde o princípio dos tempos
se não soubesse não seria deus

olhou para dentro de si     negrura     lamentos

então para que lha deu
a ele que agora gemia
mais por a ter perdido
que da morte o medo

as folhas também morrem e nos túmulos abertos repousam almas penadas
as árvores essas tombam-nas com o machado
e aos ribeiros cortam-lhes o leito por maldade

seu destino o inferno

na aldeia nessa noite haveria estrelas no charco     trutas em descanso     espectros de gente     mau-olhado     cavacas ao lume     mais um doente desenganado

noite de insónia
seria amanhã
ao nascer do dia
a corda a resplender

     não há amanhã     pensou o condenado

e quando o padre o foi buscar para ser enforcado
rezando em latim
ouviu ao pobre homem silencioso e toldado

matei o que mais amava
não tenho mulher nem mãe
matem-me pois a mim
que em vida morri também





Sem comentários: