Este diário complementa o nosso site pessoal

( VER ETIQUETAS NO FIM DA PÁGINA )

USE O PESQUISADOR DO BLOGUE -

-

OS TRATAMENTOS SUGERIDOS NÃO DISPENSAM A INTERVENÇÃO DE TERAPEUTA OU MÉDICO ASSISTENTE.

ARTE

Pesquisar neste blogue

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

TEMPO E AMOR




tempo e amor rareiam na concisão da vida
época de incerteza

a noite é minha     perdoem-me     não cruzem displicentes a vereda de quem pelo suor e fadiga lavra o seu destino

a alma se consumida pela vileza do mundo não acolhe a eternidade

compreender em altura que meia noite é meia vida
perdida a hora
perdida a vida
candeia que alumia sem que veja o que se esconde e o que se deveria ocultar na escuridão da alma vazia
torpeza do que vegeta no esterco da evolução

abundam os iníquos e o mundo dos humanos é a imagem espelhada exacta dos mil e um demónios
jerusalém esquadrinhada e desocupada 
como é vã a ambição vertida no palácio dos espelhos disformes     no fim nada resta e a vaidade esboroa-se em odiosas cinzas negras

noites não são sono 
são alegria sem fim
sem cansaço em mim
umas vezes atento outras mergulhado em doce letargia
dispenso companhia

renúncia amorosa de quem sente em mundo menor um amor maior
ventura silente de peregrino tardio

fiquem-se com vossos projectos ilusões desejos agonia
eu quedar-me-ei assim só     probo e desacompanhado
do que é mundano do que tenho e tinha
transmutando a cada passo a noite em dia
sem pressa nem demora     sem hora

a noite é minha





Sem comentários: