Este diário complementa o nosso site pessoal

( VER ETIQUETAS NO FIM DA PÁGINA )

USE O PESQUISADOR DO BLOGUE -

-

OS TRATAMENTOS SUGERIDOS NÃO DISPENSAM A INTERVENÇÃO DE TERAPEUTA OU MÉDICO ASSISTENTE.

ARTE

Pesquisar neste blogue

domingo, 26 de outubro de 2014

NA CASA DAS BONECAS



um livro com solenidade estirado na prateleira de pinho cor de mel        
de seu nome onde não há médico
fechado e ocioso tanto quanto eu        envolto pela aura pacificadora da casa pequena da aldeia        casa de inverno ou loja da burra como lhe chamo        a casa das bonecas como lhe chamava meu falecido pai

moscas desconcertadas poisam no meu corpo vivo quase putrefacto        incomodam tanto como gente e como a morte dos dias lenta e devastadora        na janela um braço amarelo estende-se até à casa vizinha de meus avós há muito falecidos        as outras ruíram ao peso dos tempos intragáveis deixando por testemunho fragmentos graníticos
todos os amontoados da minha infância agora diluída nos lameiros do vale tristemente sulcado por um ribeiro sequioso        
a igreja mesmo ali de mão dada com a capela do santo cristo no dia da sua festa estupidamente profana e burlesca

onde estão as minhas crenças de criança e os sonhos lívidos da adolescência
o credo inocente agitado em latim pelos lábios rosados        a fé do século
tão puro na alva branca        confirmado na missa incompreensível de todos os dias        anjos e arcanjos que vi e ouvi        o cristo que me sorria benevolente e compassivo da sua cruz de mogno 
a quem pedia desce tu para que eu possa subir
minha madrinha que na testa me fez o sinal da cruz        maria a virgem azul celeste        minha madrinha a mãe de deus e josé o patriarca meu protector        josé e maria        o sagrado coração nas mãos bentas e calejadas do carpinteiro de almas
josé maria
livro de horas      saltério      vésperas      terço
fé esperança caridade e amor tanto a beijar terra e céu unidos a queimar o rosto do sol abrasador do inferno do verão

penso nisto tudo
onde não há médico
onde não há deus        o deus que matámos     que se suicidou no mosto da alegria     deus que amámos e não amou     fonte que se esgota na fé que fenece dia-a-dia a cada jorna em cada eucaristia
fé razoável        patetice teologal





Sem comentários: