Este diário complementa o nosso site pessoal

( VER ETIQUETAS NO FIM DA PÁGINA )

USE O PESQUISADOR DO BLOGUE -

-

OS TRATAMENTOS SUGERIDOS NÃO DISPENSAM A INTERVENÇÃO DE TERAPEUTA OU MÉDICO ASSISTENTE.

ARTE

Pesquisar neste blogue

domingo, 26 de outubro de 2014

VIDA SEJA DADA AO UM



escolher porquê e para        aprazem-me as folhosas seculares os campos ardidos as montanhas despidas o mar revolto nas suas afeições incompreensíveis        repugna-me o madeirame do lucro fácil       causam-me asco as casas que deformam a paisagem      galinheiros coelheiras roupa velha nos estendais e à mesa        pátios do nojo cobertos de ferro e desperdícios imprestáveis

a paisagem é um todo mal-encarado      caninos corroídos nas bocas ulceradas      as mãos da raça infectaram-na com o seu habitual mau gosto      pouco escapa à sua estupidez curtas vistas e cupidez natural        a criação vertida nas línguas asquerosas e maldizentes de povos que inventaram deuses anacrónicos e rasteiros

para quê escolher ante a destruição massiva da beleza original        nada de contradições      abaixo o mental antes o sacrifício da soledade afectuosa      que morra o livre arbítrio      inconsciente ao crematório e as damas ao bufete

que interessam ou podem interessar as minhas as vossas opiniões ideias fracassos preconceitos projecções o bem edificado nas raízes do mal e o mal vertido em mescla de betão nas fundações do bem

a realidade é o que é      a árvore verde e copada      a casa branca da colina é rectangular e o porqueiro está imundo e fedente porque não é domingo

a ética infecta contamina o que é      diz-nos fugi do mal e guardai o que é bom na arca doirada das benesses furtivas das divindades inventadas em papel de seda enrolado em patriarcas emprestados como se a vida fosse uma partilha de duas courelas demarcadas por cruzes ou por um qualquer rego de água conspurcada 

nem raiva ira ódio afecto ou amor        esse amor falso e repelente que é negócio contrato obrigação      amor de ilusões e contrapartidas        amor nenhum

que morra o dual
vida seja dada ao um





Sem comentários: