Este diário complementa o nosso site pessoal

( VER ETIQUETAS NO FIM DA PÁGINA )

USE O PESQUISADOR DO BLOGUE -

-

OS TRATAMENTOS SUGERIDOS NÃO DISPENSAM A INTERVENÇÃO DE TERAPEUTA OU MÉDICO ASSISTENTE.

ARTE

Pesquisar neste blogue

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

NOS LENÇÓIS DEBRUADOS ENTERRA-SE O PUNHAL



nos lençóis debruados enterra-se
o punhal        o diadema cruzado
estrangula os pulmões e o sopro
do meu regresso ao fogo
sem luz própria
amotina-se o sexo ao teu corpo
como a vírgula contemporânea
dos testículos sobressaltados
há luzeiros      vento      flechas      arcos
retesados do lado de lá das vidraças
soberanas
na agonia da música lunar
um sussurro branqueia-te as mãos
oblíquas como um arranjo de lâminas
nos tendões enfurecidos
glicínias oscilantes entubadas num
único fôlego crispado
nas memórias do enxofre morto
arbustos vivos nos cabelos escorridos




Sem comentários: