Este diário complementa o nosso site pessoal

( VER ETIQUETAS NO FIM DA PÁGINA )

USE O PESQUISADOR DO BLOGUE -

-

OS TRATAMENTOS SUGERIDOS NÃO DISPENSAM A INTERVENÇÃO DE TERAPEUTA OU MÉDICO ASSISTENTE.

ARTE

Pesquisar neste blogue

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

UM REINO ENTORPECIDO




os caminhos do reino entorpecido nas esquinas dos prédios altos        orações que não foram ciciadas pela máscara da cidade onde o rio fazia desaguar o odor pútrido a monstros marinhos
os vícios da noite segregados pelos nomes das mulheres embriagadas      a tristeza arremessada pelas conchas espalhadas nas margens da ilusão      heliantos do desejo ardem no silêncio da bruma
passa um humano molhado dos pés à cabeça protegendo-se da urtiga-do-mar do tempo        na mão envelhecida o cigarro apagado das paixões de outrora e o cuspo dos astros impregnado de palavras violentas        sem destino o olhar absorto na transpiração animal sem tino ergueu a taça ao império dos sentidos da cidade enlouquecida      vinho e sémen furtivos na partição do pão de cada dia
chovem anúncios luminosos e portas por resinar à vista das árvores doentes e translúcidas      o sussurro da dormência afectiva da destruição
o deus da misericórdia era uma crisálida abandonada à angústia dos escombros cauterizados segregando da vida as máquinas mutantes da lascívia transmitida a cada gesto pelos curandeiros do sexo        justiça divina na mortalha cega da desilusão
a imprudência consome as últimas letras do ofício coladas à voragem do corpo e da sua verdade indiferente e confiante
como sinceridade agressiva e tumultuosa do riso nocturno




Sem comentários: