Este diário complementa o nosso site pessoal

( VER ETIQUETAS NO FIM DA PÁGINA )

USE O PESQUISADOR DO BLOGUE -

-

OS TRATAMENTOS SUGERIDOS NÃO DISPENSAM A INTERVENÇÃO DE TERAPEUTA OU MÉDICO ASSISTENTE.

ARTE

Pesquisar neste blogue

sábado, 7 de abril de 2018

DESCONSTRUÇÃO III



Download dos textos de ANTIPOESIA ou a insustentável arte da falsa erudição em –


***



a soledade não é uma doença 
é a sémita do insondável andarilhada em noite de lua nova é o aguaceiro que lava os campos da imaginação e esmorece a indignação do injustiçado
os mercados declaram-se aos ventos do martírio e do desprezo licencioso
um novo dia     
                 um novo pão 
              e o mesmo café na 
        esquina do bairro amordaçado
a melancolia do gesto ritual 
           no primeiro cigarro 
           do amanhecer
aspirado com a volúpia da predição das costelas do pacote de papel     
        os fumadores morrem prematuramente
               penso
a maior parte dos não fumantes também morreu há muito e não esfumaçam     
                                 os inglórios petulantes

       uma nova viagem     
                 talvez     
                         eternamente circular
        como quem viaja sem sair do mesmo lugar
             um novo amor de seiva virgem
               para quê se já nem sei amar
         e se o amor não colhe mais ninguém

uma águia real no desfiladeiro deserto

um resineiro de almas excomungadas

o coração inflama-se nas vísceras do cisne negro

              ser-me-á tolerado 
               alguma vez ouvir 
               os teus poemas

a voz
        ouve-se a voz 
                     e o seu eco 
                          nas profundezas 
             do ventre
sombra de nuvens na parede de mármore a interrogar os deuses
       desfibrados em trançado
                        filigrana do passado
hoje não verei ninguém enquanto a paz reluz na carruagem de seis rodados
vinte azagaias apontadas ao centro da planície onde o melro canta operetas de solaz
prostrado nos degraus cinzentos do salão doirado
             conformado à tua tenção vigio

                     poderei alguma vez 
                 auscultar os teus poemas
                  aconchegar o teu cabelo

se falo verdade julgas que te minto se minto o que digo achas verdade perto de ti se a alma ardente sinto pensas-me ausente nessa saudade
não sei que diga que prova de amor te dar cárcere de amor ou antes plena liberdade com que forte ou lasso abraço te estreitar algo que bem vá para além da falsidade
quero ver-te tocar-te quero-te amar teu ser de corpo e alma a cada alvorecer ser em teu peito manhã de luz a nascer
nos teus seios redondos água límpida a correr aos teus olhos imagem de imaculada beleza a fenecer em feliz noite de magnífica pureza

já o sol amamentou de fogo 
                                       o horizonte
                  braços nus 
             de ninfas lacustres
      perdem cor no peito de sátiros

longínquas estão as nuvens de chuva tépida a almiscarar os leitos exangues

árvores que enegrecem na luneta de óptica escura pintam a paisagem monotípica

um canavial roça-se lascivo

uma casa branca na colina


uma criança que brinca no quintal de bolbos adormecidos

                    arrozais do passado
              comportas nas valas desertas 
             as carpas     que é feito delas

nessas palavras que ocultas     fementidas 
                lucraste a deslembrança
a ti 
    esqueço-te
                   vai em paz
  já te esqueci
                   outra virá

a morte derrama-se lânguida sobre a vida
amanhã os rios celestes serão a via renascida
e a outra será
                 mais bela
                            mais dócil
                                        mais verdadeira
                            mais ela

mais outra que virá

          a mais bela de todas as mulheres
                           ahmose 
                       nascida da lua
                   traz o ímpeto da carne
                     corpo nu na cela

remota é a região desta terra onde o vento canta e os corpos flutuam como espíritos
            formosos      ternos      puros
         unindo almas em espasmos de luz

voemos sobre as águas míticas
em ti     contigo     alma de tudo

violenta é a água
               violento o movimento 
                                           não-verbal

um pássaro empurrado do ninho voa pela primeira vez

mar-lazúli

som nocturno de amor taciturno

no janelo que se abre relembrando os dons angelicais do oceano vazio

sussurra triste a fé
                          a confiança
amei-te alucinado
                        na neve nupcial
                   tal como eras
                    não como és

uma quebreira mortal

o braço continua a doer escusando-se ao exercício       

presságio do final da náutica  

   aviso ao movimento sexual

                apenas uma hora de sono
                      o que é bastante     
tudo ou nada

tempo da noite
mas foram tantos os anos passados que pouco rememoro      
relembrar é morrer 
                          a flutuar no passado
os meus vícios aí sempre presentes ou não seriam vícios
não encovei os meus mais terríveis defeitos     
              anelos
                             cios

desperdícios     
                 não
só se malbarata o que se deseja e a asquerosa ética recusa     
desconsentimento do que aguarda exéquias temporãs 

                    por vezes humano     
                 outras animal sem tino     
                sem destino e sem razão     

o prazer da nova carne rósea      dura de erecção

tardio o regresso a casa      noites de espasmos e vinho     
       mulheres
piáculos de quem afronta filosofias e teologias

                       quero vinho     
                        quero pão     
                um corpo por refeição

como vos deve ter sido penoso inglório e talvez injurioso

pontas de dedos com dedos      braço na cintura

                          olhar distante
                      uma câmara estranha
                      num dia de sol escuro

cabeça encostada ao ombro
                                     único que se tem

sexo exposto
                 à masturbação furiosa 

às vezes 
          por detrás de biombo oculto
              dos palacetes de nobres e burgueses

                       triste é o corpo
                 melancólica a expressão
                   de quem se entrega
                     sem que o saiba
                       por um nada
                  por um qualquer trocado
                        por um tostão
                    às vistas do mundo
           numa primeira imagem mostrada

juntos descemos os degraus doirados e nas negras pedras do fogo de seda das pontas carminadas da vigília extinta adormecemos exaustos
e agora
tu nua a uma almofada agarrada olhos negros cerrados a aferrolhar a noite nos grilhões do dia azul 
eu suado no velho soalho de novo um desterrado olhar vago e distante com teu sexo exposto ao lado

                   e parto sem partir
      o corpo no quarto a alma no horizonte
          monge errante de leito em leito
           peito rasgado e sanguinolento
       pulsátil como o vulcão de um monte 
          do teu veneno sempre sedento

na mortal floresta da eternidade apenas teu breve sorriso teu corpo perfumado e sem uso consumação ausente do presente perdura num céu de capitéis estático
                     corpo majestático 
                    sexo morto que jaz
                nos membros amputados

cotos da frialdade

sangue coagulado do rio do inverno para sempre gelo no vale dos reis decapitados
esboço de sorriso da solidão do desejo naturalmente aniquilado
nos espelhos côncavos da paz imortal

acordo só

                meio da noite

        ilumino o quarto de pedra

                               a gruta que habito

             e vejo vossa imagem suspensa
             ninfas dos longínquos astros

há um ruído de fundo no aquecimento incerto deste fim de primavera

        não faço escolhas 
            quero-vos às duas
                milhafre que sobrevoa 
                    campo de girassóis 
                        num ostensivo fim de tarde
mergulho na minha alma ora rude ora sensível e sem pensar tendo por testemunha o granito amarelo bujardado tiro-me o véu do pundonor arrebato-vos dos céus e dos seus deuses de palha
deito-vos mansamente no meu estrado de carvalho velho onde sonhos sonolentos se arrastam pelas auroras erécteis e amamo-nos os três até que exauridos adormecemos sorrindo como crianças roçadas pela fortuna num crepúsculo à beira-rio

pombas brancas lado a lado com o sémen derramado

     o som da flauta arrasta-se no breu da noite
     volteia os arbustos para além das paredes graníticas do quarto
     jardim plácido das últimas brasas da lareira

a mansão está deserta

a seca prolongada cresta os pastos de inverno

                       amanhã virás 
                 como abençoada chuva
          e alegrarás meu coração sequioso

do teu corpo

         quero o vinho

                     e o pão


               da tua alma

           o sopro dócil

do amor


a ti te compro

         estupro cinza

                     da dor 


           agora teu amo

       a ti te liberto

do passado e do presente

                          a ti te quero
                     desejo e desespero 
                         se te apeteço

                       e peço agora servo
                 o milagre da transformação
                     do amor em arroubo

foges-me animal celeste
                                 a mim 
a mim que já não sei 
                                 nem posso voar

tenho as asas mortas e geladas

o meu lugar é em terra ou no mar
nas asas-barbatanas dos anos percorridos pelo cansaço
como peixe cego que embate no batel atracado na lama gordurosa da laguna 
ou como coche que carrega gente do nada para a cidade colonial do tudo
onde as pernas se abrem e entesouram num ritual obscurecido pelos anos ferventes
e os seios redondos encastrados se erguem clamando justiça ao despotismo arroxeado da união fácil da estrada chuvosa da vida

                  ou como quem por mal ver 
                  já não distingue nem sabe
                   se és matéria ou etérea

                   há um corpo
      que nasce 
                           em cada sementeira

                  e cresce
                                   seara lustrosa
          ao sol do meio-dia

          na fantasia da mente
                      no sonho mais florido
       na tela branca do artista

              e vigoroso
                            como fruto
                     das hastes da videira

              ansioso e desejoso
             como quem procura
         o que ninguém encontra

                            veemente implora
    que no seu tempo
                      pelo amor seja colhido

dá-me teu braço meu amor vamos os dois de braço dado chorar nosso terrífico cuidado estéril retalho de antiga dor

a festa continua entram noites pelos dias

mal que sobeja marfim polido por beijo na flor indemne da suspeita
vibram as cristas das ondas a luz meiga dos astros
mansas chispas de pássaros inundam miríades de folhas

árvore da vida que medo não adorna

            basta o amor que pulsa na eira
       basta amar com o fervor da confiança
             no divino cântico a esperança
          na rosa cor de sangue uma campa
          e a certeza de que tudo é mentira

que te escrevo nesta mensagem de papel de seda

não recordo o ano em que parti

as primeiras chuvas ainda não fizeram a sua aparição

corpos lavados para sempre conspurcados
os nossos      esses      hão-de brilhar nas noites longas de jade
                     puros      castos

             nada omitiremos de nossos amores
                 nunca faltaremos à verdade

sabemos tudo um do outro
amantes amados e amadas a quem nos entregámos e a quem nos iremos dar

              não há outra forma de amar

não cuido de te amar      porque haveria de cuidar o que a si próprio se cuida

as ameixas caem onde se cruzam as veredas
tapeçaria lustrosa de vegetal verde-vivo

apaziguada a ira revelada      profecia envolta de lismos
recompensas do outro mundo
bronze que ressoa no ventre do verbo

não vemos as mesmas estrelas
não desprendem as flores o mesmo olor

separámos corpos 
num campo ceifado por estrelas de verão

doce é o aguaceiro de meu coração

não sei onde estás 
    
           que importa se o mundo roda 
            e o amanhã não é o mesmo
                carrossel do infortúnio

a lua sempre nova ascende à montanha fincando as gavinhas nos penedos da encosta     
                                              espreita-nos

calor de beijos ao anoitecer
             mais quente que sol de meio-dia

os teus cabelos envolvem a minha mão esquerda
         poiso suave a direita no teu espírito
               a minha carne estremece
          uma lágrima escorre no coração
            visão de chamas sem fumo
         êxtase de uma noite sem dormir

amanhece
                sinto-me indiferente
    ajeito o braço dormente na cama vazia

            não te vejo

que importa se já não existes se cada um nasce para o seu próprio sol

                      tudo isto é sonho
                     e o sonho doença

sei que me aguardas

   separa-nos um biombo de tempo

      as figuras pintadas movem-se  

         tectos que suam sangue

            paredes com sémen coalhado

                    o leito inquieto
              abre-se às tuas formas
                  estou longe e só

quando voltarei a sentir o despertar do teu hálito

os seus seios no meu peito
silêncio de noite em mundo flutuante

jardins choram nas fontes dispersas

voltar
        porto seguro
                          teus braços

perco-me nos bosques onde deambulam palmeiras acesas

                  a manhã está rosada
            paz de mensageiro abençoado

                     as árvores cantam
              os lírios enredam-se nas liras 
                 em estranha vibração

haverá alguma omnipotência na verdade ou tudo o que fomos somos e seremos se parece com a rosa que esmorece

matámos o amor na sua louca juventude

quando envelheceres quem te irá amar
regressarás a casa sozinha com as tuas rugas por companhia
vacilarás no carreiro juncado de salgueiros curvados à tua passagem     
                      tu o ribeiro que secou
será verão e o teu corpo estará frio como neve no cume
silencioso o quarto com o papel de parede amarelecido     
                 inerte     
                         estupidamente absorto 
                 no corpo disforme
            outrora coroa de gemidos

                 a boneca de porcelana 
                  herança de teus pais 
                      sorri juventude

só tu envelheces no espelho embaçado de anos

os despojos do meu ser pródigo e fulgurante

      não tenho coragem de olhar para trás

a jornada do dia condensa-se 
                 
                 nas maçãs do teu rosto
                  os teus olhos de amor     
                 círculos de peste e fogo

           o passado anda pela sala sem afeição
               o presente cerca-me a morada
                o futuro é um lugar sombrio

                           um abraço     
                           um beijo
               uma ave de asas imensas

pesa-me o coração ao tocar do sino

agravo da quietude

musa loira dos meus sonhos de verão
que poderei fazer por ti nessa tua angústia

loiros cabelos sorridentes
claros como a alvorada
                               riso cristalino
                    recatado
de ninfa solitária em corpo perfeito

vénus com mestria esculpida em leito de âmbar

                que poderei fazer por ti
               tão nova gentil amaviosa
              fruto esplêndido da criação

talvez nada

talvez amar-te nesta distância em que amado e amada deploram a ausência e se conformam em terrível fado

teu corpo fresco eco de promessa primaveril

prazer a deuses entregue

seios a desvendar mistérios na boca sedenta

quarto remoto da alma lírica do vento e do trovão

tu és a única
                 a estrela de pétalas

                que minha pele atravessa

                banhas-te no meu sémen
                 seios dilatados no lótus
                  coxas a apertar o coito

juntos na noite aguardamos a alvorada de mão dada
sexo com sexo confinado ao amor carnal
rugido de leão no coval
a boca na boca a arder salivada sem que nada nos possa deter tão forte é a força da remada
aleitaremos ambos um novíssimo amanhecer 

                    luz a fazer doer

            crisálida de renovados tempos

vejo-te juvenil
                  bela 
        atraente
amada 
                                que tanto amo

sonho
                   com o teu perfume
                                    aroma perturbante

             com teu sexo
                            húmido e amplo
        botão a florescer

em minha mão
                    em meu ceptro

                    tu a mais esbelta
                    nua das mulheres
                       que a velhice
                     me permitiu ter

manhã jorrada pelas persianas de penas azuis

                          recompensas de outro mundo nas estrelas

              luzeiros ainda acesos

o viajante troteia ao vento de oeste
                        corcéis doirados com os passos guiados pelo deleite
          são tão estranhas as vias do amor
                           da inveja

                       hoje leve e puro
                        amanhã pesado 
                   no rosto ensanguentado

um duelo no bosque verde      gramíneas mudas em peleja
espada guarnecida a lírios crava-se no peito de pura verdade

abram-se fêmeas
                      aos machos porosos

             que vamos de cavalgada

                       enquanto no mundo se dorme

ame-se na montanha de jade
              que vamos de cavalgada

      doce o pensamento que se materializa
       eternidade consorciada à fecundação
        desígnio encapotado de mão velosa
        a frequentar teu corpo de azevinho
        invadido pela melancolia e saudade
            
               que vamos de cavalgada

cavalgo-te
       prospera em mim o mais límpido instinto
                     que venha o vinho
                       assim te amo
              assim te monto inebriado
o suor escorre      o membro cresce      teu pomo floresce      que o vinho venha      vulva alagada
movo-me violento      buscando o fundo ao gozo

                       quero ter-te     
                      ouvir-te dizer 
                 que tanto é o prazer 
                       que faz doer
                  doer que não é dor     
                     doer de amor

doce cavalgada

senhora        
           ofendi-vos sem nunca vos ter em bom ou mau momento querido ofender
           amei-vos como quem só tem uma amada      
           mãe que no coração abriga filha preferida

nunca quis para vós nada que vos não desse prazer
                 insónia do desejo de vos ter
                     alma em pranto ansiada 

a cada dia me lembro de vós
         de vossos olhos cabelos dedos
                    gestos dóceis maviosa voz
                           coração alimentado a medos 

e junto ao rasgado peito

com muito aperto vos guardo

e com desassossego espreito

o que fazeis e tendes feito  

só deus sabe como me sinto imperfeito
      sonhador que solitário morre à beira-mar
            como um triste mendigo que por leito
                  tem rochas areia cardos banhados a luar

                 pedindo à morte por caridade 
                       um lugar onde só eu 
                 eternamente vos possa amar

noites desertas      o frio corre atrás da sua sombra
lamento-te coração vadio      folha desconhecida adormentada na colina
                      guarda esse beijo
                  que obscurece a aurora 
                   e clareia o crepúsculo
                  da ausência faz um laço 
                   e da saudade afeição

o passado revolve-se no charco da inconstância onde o espírito das estações já mortas silencia os prados
um frio atroz toca as águas estagnadas com os dedos geados
                   crepúsculo
                              um cavalo alucinado
zumbe junto da janela aberta à intempérie dos corações
                 nela
                              ela de braços cruzados 
           fia calada
                               um sorriso abissal
forte é o vento a sacudir ervas e árvores com marcas de dinamite nos regaços      esquiva a primeira estrela faz findar a luz do dia      saias virgens baloiçam entre sóis no seio da terra pelas mãos escavada      honra perdida espezinhada no giestal
                 e a estrelas vão morrendo
                    cedendo alienadas
                 o lugar ao teu nascimento
contigo desci ao inferno dos prazeres
             reneguei o amor
                                   as carícias
            o falso sussurro do ouvido prisioneiro

            resta-me o teu cheiro de doce suor
             a violência 
                              o ardor

a violeta aberta e orvalhada ao sol do esgotamento

a água que em golfadas 
                   das virilhas te corre 
o grito 
         o gemido 
                      o plangor
de um júbilo tão intenso 
                                 que é quase dor

        porque aquilo de que se diz tão bom
              tem uma intensidade um vigor
         que dói no coração do próprio amor

esse orgasmo exaustivo em inolvidável fulgor

lá fora os grilos tacteiam as pedras frias

aves nocturnas piam ao luar adormecido nas nuvens

e tu mulher hercúlea dormes na minha solidão

que sonha uma face um sorriso subtil que não tens

um ilusório e triste nada que me mata

mulher desenhada pelo sabre do tempo no azul do oculto amor divinizado
mulher morna à rajada de vento frio erguida como néctar em taça esguia deusa da noite oculta luzidia como ninfa da trapaça
mulher humedecida pelo afago de minha mão dolente no teu sexo denso
tua palma macia envolve o meu ceptro erecto
e os teus mamilos tensos arvorados ao deslumbre são os faróis da luz táctil dos meus sentidos

as velas tremulam no quarto silencioso

            chamas que abrasam o mundo

o pequeno transforma-se no grande

            limite natural ao pudor do desejo

uma alma que se abre no denso bosquete

            tesoiros não trazem paz

       guarda esse beijo essas carícias
             hoje tenho-me a mim
          príncipe sereno do deleite
     tempo medido pela ampulheta vaga 
     na sobriedade de meu pobre quarto

falam de mim      oiço-os      línguas afiadas no redemoinho eterno dos gorjeios obsoletos
a tua imagem muda consola-me     rodeado de árvores enlouquecidas flores negras que acenam às pérfidas palavras     doida correria da caixa nocturna a esculpir mágoas sobre o homem que esmorece no roseiral     o corpo das defuntas revolta-se em tempo de trevas pintado com cores avermelhadas     o espírito menstruado no templo da obscenidade     uma bruxa vomita cartas no zodíaco plácido que se rasga nas ondas do rio na tarde atenta ao cavalo alucinado das ramarias enredadas em copiosos pingos de gelo     misterioso florescimento de cómodo cio     pensamento imenso de brancas coxas ante abismo de vento em fúria

jaz o mel da alma na hóstia de olhos azuis

criatura fluida gerada no interior da corola
         dor em flor de longos cílios
anoitece e as bailarinas gritam impropérios para além do sonho de mansas curvas
minha glória
                       meu prazer     
                 eterna fama de ave migratória 

demorados são teus cabelos doirados à cintura aconchegados em meus afagos
voz mansa jovem e clara diz que me ama uma e outra vez nas duráveis noites de amor
meu membro penetra-te      confins do gozo
corpos em enlevo entrelaçados que vertem suor
sibilos      carne em regozijo      prazer de puro amor
                           amantes
                         pelo espírito
                         abençoados

aproximas-te      envolves-me as faces
         com o veludo dos dedos
sentas-te em mim e por horas
          em breves e lânguidos
                movimentos
exterminamos todos os pensamentos

nesse vaivém conubial amamos atá que a alba solene nos venha arrebatar tão extenso amar

enquanto as duas reclinadas
             duas línguas fermentadas
             dois lábios orvalhados
             dentes alvos
que mordem o desejo

dedos que roçam
             os grandes lábios 
             a protrusão eréctil
             num movimento surdo
perfeito extasiante

eis o que me aguarda
             dois corpos em chamas
             uma única alma
cálida e vibrante

a cama branca
             por testemunha
             do que vejo
             sinto
e aproveito

um melro negro demora na espádua da estátua do amante em desespero

sopra uma brisa pálida na pedra acometida por um bando de aves em batalha

       migalhas de amor

                                       faces sem cor

lágrimas de dor

a eloquência da mudez do desengano
           por debaixo do pano
                ano após ano

ai dos que padecem no estorvo da carne solitária que morrem cativos de si mesmos com os dedos cobertos de oiro sem que apreciado tenham aquele menino loiro que à lareira junto do fogo brinca absorto com as formas das labaredas e que com as mãos cheias de pedras as arremessa ao céu julgando que são estradas para as estrelas

a galope nos outeiros de maio o silêncio da mulher   
                hoje os montes enchem-se de vinho puro nas lágrimas da cotovia
breve é o sono da alegria
               senhora minha de verde-escuro vosso vestido
         na mão cartas de amor já frias
são os meus olhos que padecem envoltos em pesado manto
                   na calçada 
         a hora que vive o desânimo 
 da insolência vertida nas mágoas flutuantes
as nuvens rodam      a lua não reflecte os cardos carregados pelos indigentes      joelhos que rastejam      pupilas que se embaciam

                   pedras quebradas
                  estrada de sargaços
                    fogo-de-artifício
  
                os corpos encharcados
                  deslizam secretos
                no charco da avenida

regato nocturno
como eu quero o sol      banhando-me de novo no ganges nessa multidão insana
o mel dos teus lábios ali junto à torre eiffel
as tuas formas      parte única do meu presente nesse momento de nobres tons
inclina-te graciosa e entende os sons que emanam do coração da terra
beijo selvagem no hálito furioso da fera privada de espírito e razão
daquela folha que voa não desvio o meu olhar
beijos sensuais que o ar ao ar dá na elanguescência da madrugada
e esta ferida a coagular nas horas que presencio
bailarinas do primeiro sono oprimido pelo cárcere da razão

multiforme é o vento que sopra pelas entranhas e fustiga as flores às cores onde os pirralhos brincam os caminhos do perdão

            irão elas reinar nessa vida violeta
                     na estrela de david

voarão para longe nas garras do apostolado 
boneca de trapos injustiçada      sem revolta larvar

sou hoje um lugar perdido de elementos arcaicos defronte das chamas milenares      as estrelas arrebatam-me das muralhas enegrecidas pelos vendavais transtornados      na casa da escola o teu primeiro sorriso      um quadro dócil alheio à vida e ao quartzo esculpido na cabeceira da cama em farrapos

vieste dormindo

   no corpo rubro o som das trombetas refulgem
    não sei se são os teus braços que me cruzam
             se os meus que me abraçam

nos lençóis debruados enterra-se o punhal
o diadema cruzado estrangula os pulmões e o sopro do meu regresso ao fogo sem luz própria
amotina-se o sexo ao teu corpo como a vírgula contemporânea dos testículos sobressaltados
há luzeiros      vento      flechas      arcos
retesados do lado de lá das vidraças soberanas na agonia da música lunar
um sussurro branqueia-te as mãos oblíquas como um arranjo de lâminas nos tendões enfurecidos
glicínias oscilantes entubadas num único fôlego crispado nas memórias do enxofre morto
arbustos vivos nos cabelos escorridos

o amor é ave de tormento      fera atroz de flecha sombria a pairar no azul que acorda o cosmos na escuta dos passos de um outro coração a sofrer no silêncio das trepadeiras do sul

sentado em ramagem púrpura na qual divaga a noite de faces rosadas o obus da claridade do mundo

há uma névoa de marfim estanhada na lua

as laranjas caem dentro das ameixas orvalhadas e a mulher procura o instinto que se embrenha na fenda do castanheiro de argêntea cabeleira

a cidade morre lentamente a olhar o rio
lânguida vista de vendedor de pensos e de melancolia ao peso
há automóveis que são luzes puxadas por astros disformes
há luzes no chão da harpa dolente
há mulheres-caranguejo a subir e descer em santa ordem

               o pátio da esperança está vazio

                     levantar-se-á cedo 
                 com as chamas do ocaso 
              a queimar os cabelos inermes

no primeiro andar a morte vagueia no tecto sem beleza e o castelo das trevas balbucia a alvorada da casa dos corações

a pomba do calor do verão sorverá a luz vermelha da torre dos moribundos

deus vai descer à terra
pescará com redes de arame entrançado no tear de yama
no oceano de todas as raízes
e verá dentro das mulheres que amo
o julgamento e a absolvição do vento nas árvores de portas abertas
e no vinho das taças derramadas onde habitam as marionetas de cinco dedos 
deitadas no sonho do bolso da noite acordada na tenda do desterro
e eu estarei lá em insónia
deitado ao seu lado
com todas as mulheres-desejo que nunca amarei

            e sonharei para todo-o-sempre

o céu está cinzento mas o teu corpo brilha ao sol incendiando as florestas que te envolvem
tudo sucumbe à tua passagem com as leves pegadas das sombras a acariciarem as giestas de flor branco-puro
espero-te no lado sombrio da noite no coração que se despedaça na dúvida do consentimento e a mente obsoleta insensível fervilha na lua doirada a banhar suave e dócil as estevas

estou só na solidão      sou a solidão
estou só no mundo      sou o mundo
abraço os seios da eternidade contra o meu peito sofrido e exangue
sulco com o arado das mãos os teus cabelos ondulados 
graciosos a esvoaçar na quietude do espaço
belos e serenos
                        belos
                               serenos
                           como deuses 

as janelas abriram-se hoje à alma do mundo
lá fora uma roda de gente apenas sabe que existe quando algo lhe dói
minha mãe amor de todas as mães das cotovias distantes acende as luzes do descampado  iluminando o céu com seu sorriso virgem 
dança-se no terreiro o contentamento do espaço imenso da fortuna de quem não tem pensamento
já só sou o que apenas sou sem os brinquedos da inocência

            tudo o que me envolve é mistério
                  segredo-de-gente-grande 
                 que não é segredo nenhum

como corpos a palpitar desejos silentes

da porta do nada vem
abraça-me no seu colo eterno e beija-me a face granítica
volto a ser criança o garoto magro da trepadeira que roça o musgo do muro de pedra a ter o que não tive ou que tive e esqueci na labareda dos dias frios a ser o que na vida não projecta vereda enfeitiçada de azul e o que destrói a máquina do tempo no agora fosforescente da ingenuidade

criança envelhecida pura e distante de negros espectros

amante do amar de velas de luar acesas

             e sou no meio da noite parturiente
                  a fria expiração do passado
               a quente inspiração do presente
                rosamundo enfeitada de vida

noite na sé      a ceia que nem sempre tarda aos pombos recolhidos tardava e aí num amor forte como a morte dividimos nossas almas na insolência do encontro decisão de inevitável união quase canibalesca de espíritos insatisfeitos
a noite agarrou-se com firmeza à pedraria da catedral a acender os últimos eléctricos enquanto nos afastávamos 
                      afáveis 
                               desconfiados
nas ruas desertas que desde sempre parecias conhecer olhavas-me pelo canto de um olhar negro inundado de paz  onde havia almofadas  pelo chão estendidas com gente descrente estampada nos cantos
na sala       gente
                 vestida de desejo
                 verdejava palavras
                 rastejantes
                 que te procuravam
almofadas escarlates      azuis de céu ultramarino e talvez de âmbar desmaiado
talvez
mas só tu existias na orientalidade graciosa como exististes na longa noite africana de volúpia contida por tanto tempo que nenhum relógio  pode medir nenhuma ampulheta em si conter
as minhas mãos de olhos fechados penteavam suavemente os cabelos lisos de tua alma límpida

absurdamente límpida

                          não era sexo
                           ou era sexo
                          sem ser sexo

noites estranhas de delícias imponderáveis no silêncio da árvore contemplativa
espasmos rítmicos de ramos orvalhados a beijar os lençóis brancos as rendas de teu perfume e o sândalo dos sentidos efervescentes

o vizinho perguntou
                           o namorado já não vem

os roucos gemidos cessaram a alegria do sangue nascente  laqueou o flanco inerte e a mente dolorida adormeceu no leito do sofrimento onde os sonhos são breu de noite sem fim

as feridas abertas em puro vinagre sararam

uma não 
             sara 

essa irá a morte
                       sará-la com suas mãos
de veludo e amor
                           gentil na voz
                  nos gestos de vinho doce
                       nos suaves beijos
                         rumor de mar

hoje no sono vi-te no mar de trevas do frágil arco do desamparo      o corpo desmembrado pelas límpidas águas da purificação no movimento incessante dos que para sempre partem e para sempre retornam nos corações floridos e no oceano em chamas se dissolvem imperturbáveis
vi-te no campo arado a ferros de desejos semeado na colina ausente da batalha onde estão plantados os desconhecidos soldados de guerras intermináveis sepultados na carne fresca de abutres e corvos

vi-te morta a ti que ainda vives

tu que de pé estás liberta de todos os sacrifícios divinos da vida na pedra morta dos altares dos ritos frios de deuses inventados pela dualidade entorpecida
acordei novo com um novo sabor a quotidiano na boca amarga disposto a representar novo papel trágico-cómico

não te vejo

já não bebo do teu vinho unindo a terra ao céu

é na minha taça que viajo pelas galáxias longínquas 
espirais de ovas lacustres
esquecendo o meu o teu corpo

dispensando tudo o que não vive livre liberto da própria liberdade

amo a tua sombra
riqueza ciosamente guardada 
                  na folha de outono do herbário
               carícia nas águas estivais do ribeiro
                  sombra da sombra do plátano 
                         do pátio da escola

                       indiferente à reputação
                                ao escárnio
                                  ao poder

amo os olhos da tua sombra
a visão imperturbável dos teus cabelos penteados no espelho longo do salão

não sei porquê
mas amo
a forma cinzenta em que arrumas graciosa teus passos
a pele branca luzidia com que sorris
as frágeis palavras que tua voz canta

                       amo a tua sombra
                  e apenas ela sabe que amo
                          o teu segredo

remorso e culpa curvaram-se ao trono

enredam-se nos troncos as lianas

pergunta-se em silêncio a eternidade

se fosses a lua amar-te-ia do crepúsculo ao amanhecer
seria teu escravo na vida e depois da morte me chamar
se fosses a lua amar-te-ia nos lençóis purificados dos lábios doces de mel e pólen a assomar na falésia de meu sonho extinto na floresta imensa

o umbral da porta onde plantamos o cereal divinizado tal pérola que surge do mar guarda no regaço o beijo que frio escorre nas veias

                  uma lapa cavernosa
         um coração latente que me é dado
                    uma noiva lavada
                   o amor que é certo
                que a chuva não ouve
              e a minha penumbra enfada

assim seja      seja ela o amor      seja ela a amada
ó mísero judeu a quem o chão negou o pó a quem a névoa arrancou o coração

                          no céu azul
                  são belas as investidas
                       na minha alma
                     subtis as amadas

as luzes amarelas da cidade conviviam com a das estrelas e a dos automóveis inquietos

a atmosfera estava quente oprimindo o peito destroçado dos amantes abandonados

amor deserto

uma mulher encostara-se a um candeeiro na penumbra do desejo materializado em rápido sexo

um carro

              e outro

                         um que pára

         um que escolhe não voltar para casa
            sem o perfume volátil da erecção
                          em curto amar

queda de água deixa que te beije que plante no teu seio a maior das rosas

            não há palavras
                                   de que servem as palavras
para que servem as palavras
                                    na paisagem destruída

                habito a tua voz

                  tanta ternura

          calou-se o grito de guerra
                   e tu mulher
                        nua
                     deitada

                    és o incêndio
              que consome o poema



***



Sem comentários: