Este diário complementa o nosso site pessoal

( VER ETIQUETAS NO FIM DA PÁGINA )

USE O PESQUISADOR DO BLOGUE -

-

OS TRATAMENTOS SUGERIDOS NÃO DISPENSAM A INTERVENÇÃO DE TERAPEUTA OU MÉDICO ASSISTENTE.

ARTE

Pesquisar neste blogue

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

PARECER DA ORDEM DOS MÉDICOS - HOMEOPATIA




A prática da Homeopatia em Portugal, começa a tornar-se insustentável.
Os ataques que lhe são desferidos, não obstante os possamos qualificar de injustificados, são perpetrados, quer por organizações internas, quer externas.

A Ordem dos Médicos, coloca-a ao nível do “charlatanismo”, e a fundamentação para que não seja admitida como terapia complementar ou alternativa é firmada numa tonalidade “inquisitorial”, a que não estamos habituados, quer por via da nossa educação quer como consequência da nossa formação académica.

Infelizmente, são muitos os doutores analfabetos e analfabetos que doutores são, sejam quais forem as áreas do conhecimento.

Ordem dos Médicos que ameaçou e continua a ameaçar punir disciplinarmente todos os membros, que se dediquem à prática de tais terapêuticas, desde que por si não sejam reconhecidas.
Por outro lado, consta-se que a União Europeia se prepara para emitir uma directiva que aniquila os métodos alternativos e complementares de cura, nomeadamente proibindo a sua divulgação, prática e ensino.

Não procurarei rebater o fundamentalismo redutor do parecer emitido pela mencionada organização. Já o fiz sem que directamente o fizesse, ou seja, na doutrinação homeopática constante deste blogue e do meu site pessoal
www.homeoesp.org .
Por outro lado, não é característica da minha personalidade alimentar polémicas estéreis, quando é manifesta a carência de abertura de espírito dos contraditores.
De qualquer modo, diga-se, que nem todas as críticas enunciadas no documento são desarrazoadas, ilegítimas e inoportunas. Mas, assentam a todas as profissões num país onde grassa a incompetência, o compadrio, a corrupção, o proveito próprio e a falsa compaixão.

Não posso nem devo incitar ou pactuar com os médicos desta nação na violação de regulamentos inseridos no ordenamento jurídico nacional. Não posso nem devo induzir cidadãos de um Estado de direito – e que “estado”, perdoe-se o desabafo... – à profanação de preceitos injuntivos.
Mas, não deixarei de divulgar o método de cura homeopático, e apenas o farei se tal me for legal ou judicialmente vedado, não obstante me veja obrigado a reformular parte da minha actividade em prol do que julgo ser verdadeiro e justo, na defesa dos mais desfavorecidos.

Que Deus lhes perdoe a ignorância, ganância, vaidade e ilusão.




PARECER DA ORDEM DOS MÉDICOS SOBRE OS PROJECTOS DE DIPLOMAS REGULADORES DO EXERCÍCIO DAS MEDICINAS NÃO CONVENCIONAIS APRESENTADO À COMISSÃO PARLAMENTAR DE SAÚDE

* o negrito de algumas passagens é de nossa responsabilidade.

Pretende a Comissão Parlamentar de Saúde conhecer a posição da Ordem dos Médicos frente aos dois projectos de lei reguladores das medicinas não Convencionais. Na exposição dos nossos argumentos seguimos esta ordem:

1. Considerações gerais onde se coloca o problema, se refutam conceitos e afirmações, se debatem aspectos científicos e se aprecia o posicionamento de organizações internacionais.
2. Principais objecções aos projectos.

I - Considerações gerais
A defesa da saúde dos cidadãos é uma obrigação dos Estados de direito e das sociedades democráticas modernas. Essa obrigação consubstancia-se na exigência de rigor na qualidade dos serviços de saúde prestados à comunidade, bem como na vigilância e protecção desses mesmos cidadãos frente a práticas não científicas e lesivas, por acção ou omissão, da sua integridade e do seu direito a uma saúde de qualidade. Para tal essas sociedades consideram ser necessário exigir aos profissionais da arte de curar, ou seja aos médicos, longos anos de formação científica e treino técnico e profissional, bem como um comportamento ético irrepreensível.
Assim, encarregam as universidades dessa formação, exigindo que nela condensassem e integrassem todas as ciências básicas e específicas necessárias ao conhecimento do funcionamento normal do corpo e da mente humanas, das suas alterações e doenças, de todos os processos e métodos de as diagnosticar correctamente e de todos os métodos terapêuticos mais eficazes e adequados à cura dessas doenças. A partir deste corpo de saberes, as Faculdades de Medicina formam e graduam licenciados, assim garantindo que os cidadãos podem confiar na sua preparação científica.
Aos hospitais e ao seu corpo de médicos seniores, cabe por sua vez o treino técnico e profissional dos jovens médicos. Após um período de 2 anos de exercício de medicina tutelada no Internato Geral, transitam para o Internato da Especialidade onde durante 4 ou mais anos aperfeiçoam e especializam os seus conhecimentos.
Por sua vez, a Ordem dos Médicos, associação profissional a que obrigatoriamente pertencem, vela para que a sua formação seja a mais adequada, tanto mais que será a responsável pela avaliação final do seu treino, atribuindo-lhe ou não o título de especialista, conforme o resultado dessa avaliação. Depois, no uso das funções que lhe foram atribuídas pelo estado, assegura e regula o seu comportamento profissional, ético e deontológico. Todo esse rigor científico e este esforço são obrigatórios para que alguém possa ser considerado responsável pela saúde dos cidadãos que a ele se confiam.
Tudo isto é necessário para que alguém possa ser considerado suficientemente capaz para fazer diagnósticos e prognósticos ou para executar ou prescrever terapêuticas que contribuam para o bem estar físico e mental do indivíduo doente. Tudo isto lhe exige a sociedade e o Estado que se obriga a defender o cidadão doente, que no desconhecimento da ciência médica é levado a acreditar em diagnósticos fantasiosos, promessas de curas fáceis ou até miraculosas, e aceita seguir pseudo-tratamentos que, mesmo quando são inócuos, impedem ou atrasam o tratamento mais adequado para as suas queixas.Por isso não se entende que, agora, se pretenda que a quem não passe pelo crivo das Escolas Médicas e portanto sem preparação científica adequada, seja considerado apto a fazer diagnósticos de forma autónoma, mesmo que seja para aplicar terapêuticas discutíveis!!!
Quando em 1959 Charles Snow no livro de ensaios intitulado "Duas Culturas", questionou a cultura dita humanística por estar completamente afastada da cultura científica, jamais suspeitaria que nos 20 anos do século se assistisse ao recrudescer de falsas ciências médicas, ditas alternativas, às quais e apesar da epistemologia e ensinamentos de Popper, Kuhn e Bachelard, a iliteracia científica permitiu dar foros de cidadania.
Quando as pessoas, mesmo que possuidoras de um grau universitário, não têm a mínima ideia do que são moléculas, células, bactérias, genes, DNA, oncogenes, metabolismo e, acima de tudo não entendem nem querem entender o que é o pensamento e método científico, a investigação e o modo como ela é aplicada, etc., facilmente preferem acreditar em energias desconhecidas da Física e dos físicos, nos cristais que curam, nos aromas que afastam a doença, nas barbatanas de tubarão que curam o cancro, no pó de pénis de tigre para a cura da impotência, na memória da água das mezinhas homeopáticas, na cura pela imposição das mãos, nos diagnósticos feitos à base de filosofias orientais ou quejandas, etc., etc.
Tudo isto é mais mágico, mais neo-romântico, mais "New Age", mais post-moderno, mais X-File, tão "natural" e mais agradável do que qualquer chata e comprovada certeza científica da Medicina. Mas tudo isto é falso, e integra-se num movimento mais geral de ataque à ciência.
Também não é verdade que a Organização Mundial de Saúde tenha produzido vários estudos recomendando aos países dar maior relevo às Medicinas não convencionais: Na realidade a OMS recomendou que os países subdesenvolvidos utilizassem os praticantes de medicinas tradicionais (que são bastante diferentes das chamadas medicinas alternativas) como veículo de promoção de algumas regras de higiene e que à falta de melhor continuassem a ser aplicadas algumas terapêuticas de base herbal, que nalguns casos comprovados poderiam substituir a carência de medicamentos.
A OMS não considera que todas as Medicinas Alternativas devam ter o mesmo tratamento pelas autoridades sanitárias. Apenas através do "Tradicional Medicine Programme", apoia o esforço de investigação sobre as potencialidades da medicina tradicional.
Através das "General Guidelines of Methodologies on Research and Evaluation of Traditional Medicine", propõe linhas de orientação muito genéricas:
• Inventariar os problemas-chave para o desenvolvimento dos métodos de investigação e avaliação da medicina tradicional;
• Melhorar a qualidade da investigação sobre a medicina tradicional;
• Definir métodos de avaliação com o objectivo de facilitar a elaboração de regulamentação e o registo das medicinas tradicionais;

É uma posição cautelosa que está muito longe das certezas absolutas dos projectos em apreciação no Parlamento Português. Quanto ao Parlamento Europeu, não só aprovou uma proposta muito diferente da apresentada pelo Eurodeputado Paul Lannoye (reconhecidamente apoiante dos interesses do laboratório de produtos homeopáticos BOIRON) como muito menos consta do texto final qualquer recomendação aos Estados membros no sentido do reconhecimento e harmonização das medicinas tradicionais: pelo contrário na resolução aprovada pode ler-se:
• Solicitar à Comissão que, caso os resultados do estudo o permitam lance um processo de reconhecimento das medicinas não convencionais;
• Solicitar à Comissão que realize um estudo minucioso, sobre a inocuidade, a eficácia, o âmbito de aplicação e a natureza complementar ou alternativa de cada medicina não convencional;
• Solicitar à Comissão que proceda a uma clara distinção entre as medicinas não convencionais de natureza "complementar" e as chamadas medicinas "alternativas'. ou seja, que assumem o lugar da medicina convencional;
• Convidar o Conselho, depois de concluídos os estudos preliminares, a incentivar o desenvolvimento de programas de investigação no domínio das medicinas não convencionais que integrem a abordagem individual, o papel preventivo, bem como as especificidades das disciplinas médicas não convencionais:
• Solicitar à Comissão que, no âmbito do estudo sobre a eficácia das terapias aplicadas nas medicinas não convencionais, zele porque nenhuma destas medicinas, tal como são aplicadas nos Estados membros, utilize como medicamento órgãos de espécies animais ameaçadas tornando-se por conseguinte objecto de comércio ilegal.
Não ignoramos o efeito placebo destas pseudoterapêuticas! É esse efeito que explica as melhoras que os doentes de doenças crónicas psicossomáticas referem. Na realidade e ao contrário da afirmação constante no projecto do PS de que existem "mais de meio milhão de estudos com resultado positivos em medicina nutricional, terapias não convencionais e remédios" os estudos referentes por exemplo à eficácia dos produtos homeopáticos são poucos e contraditórios.
Um artigo muito citado publicado em 1998 na "Lancet", no qual se pretendia comprovar a eficácia da homeopatia não só não consegue cabalmente diferenciar os efeitos pretendidos do efeito placebo como se sabe ter sido publicado nesta revista inglesa graças ao esforço monetário do Príncipe Carlos, patrono desta modalidade. Nem poderia ser de outro modo: os medicamentos homeopáticos são (segundo os homeopatas) tão mais eficazes quanto mais se dilui o produto original. Ora em Química está comprovado a existência de um limite de diluições a partir do qual o produto inicial desaparece. Esse limite é dado pelo Número de Avogrado. Este número corresponde ao número de átomos existente em qualquer molécula grama de uma substância, o qual é finito e constante, átomos esses que desaparecem da diluição se esta ultrapassa esse número.
Como explicar então que os produtos homeopáticos acima de D24 ou C12 possam ser eficazes? Só com muita imaginação esotérica!!. Calcule-se, por exemplo, que confrontados com este facto científico irrefutável inventaram que as moléculas de água ficavam com a memória das substâncias que por ela teriam passado!!!. Convenhamos que nem Fox Mulder se lembrava desta!!!. Em suma, os laboratórios de produtos homeopáticos vendem água a peso de oiro pois os produtos homeopáticos nada mais contêm, na quase totalidade dos casos que o solvente que é água ou uma solução alcoólica. Daí estarem florescentes. Daí não entendermos, por exemplo, que o projecto do BE, pretenda que estes pseudo-medicamentos possam vir a ser comparticipados pelo SNS. Gostaria de saber o que pensarão os portugueses quando lhes for explicado que não há dinheiro para alguns medicamentos essenciais mas há dinheiro para engordar os tais "laboratórios" que vendem água com rótulos homeopáticos.
A este propósito vale a pena recordar a ironia que, já no século XIX, um grande médico português, o Professor Sousa Martins, dispensava à homeopatia quando recomendava aos homeopatas que alimentassem os seus doentes com caldo de frango homeopático.- "Encha-se um tacho grande com água. Faça-se incidir sobre a água a sombra de um frango durante 10 minutos. De seguida agite-se bem. Dilua-se uma colher dessa água mil vezes: dessa diluição torne-se a diluir outra colher e outra colher mil vezes. Repita-se mais oito vezes.
De seguida alimente-se o doente com o caldo final resultante com a recomendação de não abusar...". Tal como não podemos aceitar métodos ou terapêuticas sem bases científicas ou que se revelam ineficazes quando passam pelo crivo do método científico, como é o caso da homeopatia ou da aromaterapia, muito menos aceitamos práticas que são pura fraude como é o caso da iridologia, da auriculoterapia, diagnóstico pela observação da orelha, florais de Bach, etc. etc... Mesmo quando praticadas por médicos que neste caso incorrem em falta deontológica passível de procedimento disciplinar.
Muito menos se aceita qualquer acto dito alternativo que possa ser lesivo para os doentes. Estas práticas não podem e não devem ser aceites por uma sociedade que se quer moderna e progressiva. No entanto, é nossa opinião que algumas práticas devem ser regulamentadas. A ciência médica aceita como boas algumas terapêuticas que são praticadas por não médicos, como é o caso da acupunctura ou das técnicas de manipulação que osteopatas e quiropatas executam.
Aceita-as porque foram, por métodos científicos, comprovada como eficazes no tratamento da dor ou de doenças ou sintomas específicos músculo-esqueléticos
. Muitos médicos as executam ou prescrevem: Não aceita, porém, que esses métodos sejam aplicados sem um diagnóstico prévio correctamente efectuado por quem tem competência para o fazer, isto é, os médicos. Muito menos aceita que essas terapêuticas sejam usadas como panaceia universal e aplicadas indiscriminadamente a todas as doenças ou sintomas.
Daqui decorre que a Ordem dos Médicos admita que a profissão de acupunctor, osteopata ou quiropata possa ser ensinada, praticada e regulada como profissão complementar ou auxiliar da Medicina, isto é desde que os tratamentos executados por esses profissionais sejam executados como consequência de um diagnóstico médico.
II - Principais objecções aos projectos
1. designação - Recusamos a designação de Medicinas não convencionais que ambos os projectos pretendem dar a este tipo de práticas. Além disso, apenas existe uma medicina e qualquer terapêutica dita não convencional desde que seja comprovada a sua eficácia por métodos científicos é de imediato incorporada nos cânones médicos. Tal designação só originará confusões no espírito de cidadãos mais desprevenidos. Propomos que tais práticas devem ser designadas por Terapêuticas Complementares.
2. Não diferenciam entre as terapêuticas alternativas com efeito já comprovado e as que são apenas fraude sem nenhum substrato científico ou sequer empírico.
3. Não se entende o conceito de medicina não convencional do projecto de lei 320/VIII.
4. O diagnóstico e a prescrição são do domínio exclusivo do médico pelo que não se entende ou aceita a autonomia técnica nestas práticas.5. Incumbirá ao Governo, no desenvolvimento e de acordo com os princípios estabelecidos na presente lei, o reconhecimento e regulação apenas da Acupunctura, da Osteopatia e da Quiropatia, cabendo conjuntamente aos Ministérios da Saúde e da Educação definir, per decreto-lei o seu regime. São estas as únicas terapêuticas complementares que foram comprovadas cientificamente na aplicação em algumas patologias.
6. Estes profissionais apenas poderão exercer as suas práticas em doentes com indicação médica para tal, devendo ter a preparação suficiente para reconhecerem todas as situações nas quais as terapêuticas que utilizam não têm aplicação, são ineficazes ou podem esconder situações de grande gravidade, devendo nesses casos e de imediato entregar o utente aos cuidados da medicina científica.
7. A Comissão Técnica deverá ser composta por:
a) três representantes do Ministério da Saúde um dos quais presidirá;
b) Dois representantes do Ministério da educação;
c) Dois médicos representantes da Ordem dos Médicos;
d) Um representante de cada uma das Terapêuticas complementares (Acupunctura, Osteopatia, Quiropraxia)
e) Os representantes de cada uma das terapêuticas complementares devem ser indivíduos de reconhecida idoneidade moral e mérito na sua área de intervenção e possuidores de cursos reconhecidos nos países da União Europeia
8. As condições de funcionamento dos locais de prestação de cuidados de saúde na área das terapêuticas complementares serão estabelecidas de acordo com o licenciamento das unidades privadas de saúde devidamente adaptadas.
9. Os produtos e instrumentos utilizados pelos profissionais de terapêuticas complementares devem obedecer aos requisitos de qualidade e segurança previstos na lei idênticos aos aplicáveis aos medicamentos.

10. A comercialização de produtos e instrumentos utilizados nas terapêuticas alternativas deve respeitar os requisitos de armazenamento, segurança e outros previstos na legislação em vigor.
11. Aos profissionais das terapêuticas alternativas é vedada a preparação ou comercialização de produtos ou instrumentos prescritos ou utilizados nas suas práticas.12. Aos profissionais das terapêuticas alternativas é vedada a prescrição de medicamentos.

Nota: A fitoterapia é a utilização de plantas em terapêutica. É do âmbito da medicina científica o seu estudo pelo que não deve ser aqui incluída e deve ser regulada por legislação adequada.

(...)



Enfim...


Ver também neste blogue -
A Ciência na Homeopatia


4 comentários:

Márcia Barroso disse...

Só sei de uma coisa: graças à homeopatia meu filho de 20 anos, que aos dois apresentou severa sinusite proveniente de quadro sério de crise alérgica, que, segundo os alopatas, teria de fazer tratamento com cortisonas, anti-histamínicos e, vez ou outra, antibióticos, NUNCA MAIS PRECISOU TOMAR QUALQUER UMA DESSAS DROGAS DEPOIS QUE CORREMOS PARA A HOMEOPATIA! Ou seja, quase dezoito anos sem saber o que é tomar um antibiótico ou droga do gênero. Meu filho de dezessete anos, que já encaminhamos direto para o tratamento homeopático, NUNCA TOMOU TAIS MEDICAMENTOS, mesmo apresentando certas reações alérgicas a fungos e ácaros!
SÓ TENHO QUE AGRADECER À HOMEOPATIA E A TODOS OS TERAPEUTAS QUE, EXTREMAMENTE SENSÍVEIS AOS PROBLEMAS DE SAÚDE ALHEIOS, DÃO SUA VIDA PELO BEM-ESTAR DE SEUS PACIENTES, RESPONSABILIZANDO-SE POR PRESCRIÇÕES TÃO POLEMIZADAS NESTE IMPÉRIO DA GANÂNCIA!

José Maria Alves disse...

Boa noite Márcia

Bem Haja pelo seu contributo.

Um abraço fraterno.

JMA

José Maria Alves disse...

Caríssimo Doutor

Já lhe respondi por mensagem electrónica.

Um abraço fraterno.

JMA

José Maria Alves disse...

Caríssimo

Vou eliminar os comentários. Eu, pessoalmente, também nunca promovi confrontos gratuitos. Há que os evitar. O nosso "caminho" não se compadece com pequenas batalhas onde ninguém sai vencedor.
Principalmente quando lidamos com iletrados obtusos e espíritos plenos de parcialidade.
São asnos a quem foram colocadas vendas totais; apenas vêem o ter e o poder. Riqueza, mais riqueza e ostentação, estribada num corporativismo desumano.
Neste país o celeiro dos médicos são os doentes, tal como o dos cangalheiros são os mortos.

Entendi-o perfeitamente.

Um abraço fraterno

JMA