Este diário complementa o nosso site pessoal

( VER ETIQUETAS NO FIM DA PÁGINA )

USE O PESQUISADOR DO BLOGUE -

-

OS TRATAMENTOS SUGERIDOS NÃO DISPENSAM A INTERVENÇÃO DE TERAPEUTA OU MÉDICO ASSISTENTE.

ARTE

quinta-feira, 26 de maio de 2022

CORONAVÍRUS – NOVAS PANDEMIAS – AQUECIMENTO GLOBAL E SEXTA EXTINÇÃO EM MASSA – UM HOSPÍCIO A CÉU ABERTO





Vivemos num mundo de mentira, ódio e loucura, com a comunicação social manipulada por governantes idiotas e por organizações decrépitas.

Comunicação social que inunda as mentes de um povo incapaz de distinguir factos de argumentos, de analisar com espírito crítico o que lhe “vendem” repetitivamente até à exaustão, enlouquecendo-o, ora com notícias da pandemia ora com a guerra. 

O planeta é hoje um HOSPÍCIO A CÉU ABERTO.


A pandemia de Covid-19 ainda não tem fim à vista e já se vislumbram novos surtos de doenças. 



 

O AQUECIMENTO GLOBAL está intimamente ligado ao aparecimento de novas pandemias e epidemias.

Estamos a verificar um crescendo de doenças e da mortalidade das espécies, incluindo a humana: Pandemias, epidemias, novos vírus, novas bactérias, bactérias resistentes, microorganismos “adormecidos” que retornam como consequência do DEGELO e do desaparecimento do PERMAFROST;

A forma como vivemos e consumimos determinados alimentos, a destruição do planeta, nomeadamente por efeito da actividade industrial, faz com que apareçam mais vírus e bactérias e pela sua replicação, mutantes que escapam à imunidade natural, aos tratamentos com antibióticos, e às vacinas, e que podem gerar epidemias ou pandemias catastróficas.

O Aquecimento Global influenciará de modo abrupto a SEXTA EXTINÇÃO EM MASSA NO PLANETA e o consequente FIM DA HUMANIDADE em décadas.





***


De momento o tema é a guerra.

Esquecemos a Pandemia.


Mas no dia 23 do corrente, PORTUGAL voltava a ser referenciado pela negativa:

- O PRIMEIRO país da União Europeia com mais novos casos de SARS-COV-2 por milhão de habitantes (com referência aos sete dias anteriores);

- O SEGUNDO país do mundo com mais novos casos;

- O PRIMEIRO país da União Europeia com maior média de MORTES;

- O SEGUNDO país a nível mundial com maior média de MORTES.


Será de estranhar?

É evidente que com um SNS (Serviço Nacional de Saúde) falido e vergonhosamente inoperante, não há nada para estranhar.


Tenha-se em consideração que alguns dos países que tiveram uma postura exemplar no combate à doença, - à excepção da China que mantém uma política eficaz de combate à pandemia -, acabaram por “relaxar” as medidas implementadas, estando hoje a encabeçar as listas negras. 

É o preço que pagamos quando a ânsia de vitória excede as nossas capacidades defensivas. 

Os "afrouxamentos" irreflectidos podem causar danos irreparáveis. Um mundo desprevenido com uma população descuidada e com uma resposta tardia de autoridades de saúde ineptas, pode ser confrontado com uma nova estirpe cuja letalidade seja superior ao que possamos imaginar, de tão habituados estarmos a uma variante pouco agressiva. 


***


E foram tantos os políticos (PR, PM, MS) e seus subordinados (DGS), médicos, comentadores, especialistas de ocasião, um verdadeiro CLUBE DE ASNOS, que confundiram um povo acrítico e enlouquecido.

Agora voltam a recomendar o uso das máscaras, quando deveriam ter sido parcimoniosos na redução das medidas de protecção. Enfim…



Usem, mas assim não…


Escrevi o primeiro artigo quando a pandemia se circunscrevia praticamente à China, em Janeiro de 2020 – veja-se a listagem infra

Começámos mal.




Pedimos desculpa de editarmos dois vídeos “sarcásticos” – o da directora geral da saúde e a do então vice-almirante, responsável pela vacinação –, mas não conseguimos encontrar os originais. Não precisamos de explicar porquê…


Se começámos mal tudo parecia ter terminado bem. O homem ultrapassou em muito o Peter’s plateau.

Tal foi o desejo de vitória, que acabou por fazer uma triste figura.





***


Para que possamos ter acesso a uma pequena síntese dos continuados disparates dos decisores e comentadores, enunciamos os artigos editados neste blogue – primeiro os mais recentes.




Continuamos a insistir para que a população em geral REFORÇE O SEU SISTEMA IMUNOLÓGICO e se assim o entender faça o PROTOCOLO constante do artigo –

HOMEOPATIA E COVID-19 - PREVENÇÃO E TRATAMENTO


***


ARTIGOS EDITADOS



ÓMICRON – INCUBAÇÃO – QUANDO FAZER O TESTE - APARECIMENTO DOS SINTOMAS – SINTOMA MAIS IMPORTANTE


https://josemariaalves.blogspot.com/2022/02/omicron-incubacao-quando-fazer-o-teste.html


COVID - SEQUELAS - PÓS COVID - COVID PREVENÇÃO

TRATAMENTO HOMEOPÁTICO


https://josemariaalves.blogspot.com/2022/02/covid-sequelas-pos-covid-covid-prevencao.html


FINANCIAMENTOS AO LABORATÓRIO DE WHUAN RELACIONAM FAUCI COM A CRIAÇÃO DE UM NOVO CORONAVÍRUS

SENADOR RAND PAUL QUER FAUCI RESPONSABILIZADO POR TER MENTIDO


https://josemariaalves.blogspot.com/2021/09/financiamentos-ao-laboratorio-de-whuan.html


ASSINTOMÁTICOS E TRANSMISSÃO DA DOENÇA - VACINADOS E ISOLAMENTO PROFILÁTICO - MINISTRO DA SAÚDE DE ISRAEL E O PASSAPORTE VERDE

OS ASSINTOMÁTICOS SÓ SÃO TRANSMISSORES DA DOENÇA QUANDO RESPIRAM…


https://josemariaalves.blogspot.com/2021/09/os-assintomaticos-so-sao-transmissores.html


ISRAEL PREPARA-SE PARA A 4.ª DOSE DA VACINA


https://josemariaalves.blogspot.com/2021/09/israel-prepara-se-para-4-dose-da-vacina.html


COVID 19 – PEDRO SIMAS E AS LENTES ZEISS CONTRA VÍRUS E BACTÉRIAS

 COVID – PEDRO SIMAS E AS SUAS FAKE NEWS

(vejam-se os comentários neste artigo)


https://josemariaalves.blogspot.com/2021/08/covid-19-pedro-simas-e-as-lentes-zeiss.html


COVID – AVISO SEVERO DE ISRAEL PARA O MUNDO

DEPOIS DAS SEYCHELLES UM AVISO SÉRIO DE ISRAEL


https://josemariaalves.blogspot.com/2021/08/covid-aviso-severo-de-israel-para-o.html


OBJECTOS QUE COLAM AO CORPO AFRONTANDO TODAS AS LEIS DA FÍSICA – GARFOS, FACAS, TELEMÓVEIS… - VACINAS?


https://josemariaalves.blogspot.com/2021/08/objectos-que-colam-ao-corpo-afrontando.html


QUAL A MELHOR VACINA CONTRA A COVID?


https://josemariaalves.blogspot.com/2021/08/qual-melhor-vacina-contra-covid.html


COVID 19 - AS VACINAS NÃO SÃO EFICAZES? PASSAPORTE COVID...


https://josemariaalves.blogspot.com/2021/06/covid-19-as-vacinas-nao-sao-eficazes.html


COVID 19 – O FUTEBOL É O ÓPIO DO POVO


https://josemariaalves.blogspot.com/2021/06/covid-19-o-futebol-e-o-opio-do-povo.html


VACINAS COVID-19 – INDÚSTRIA FARMACÊUTICA - CONTRADIÇÕES - UMA VERDADEIRA "BALBÚRDIA" E MENTIRAS

FALSIDADES SOBRE FALSIDADES


https://josemariaalves.blogspot.com/2021/05/vacinas-covid-19-industria-farmaceutica.html


VACINAS E CONTRA-INDICAÇÕES GRAVES – NOMEADAMENTE ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL


https://josemariaalves.blogspot.com/2021/05/vacinas-e-contra-indicacoes-graves.html


EFEITOS SECUNDÁRIOS DAS VACINAS – SÍNDROME DE GUILLAN-BARRÉ – PROBLEMAS CARDÍACOS


https://josemariaalves.blogspot.com/2021/05/efeitos-secundarios-das-vacinas.html


SEYCHELLES – COVID-19 – PAÍS MAIS VACINADO DO MUNDO


https://josemariaalves.blogspot.com/2021/05/seychelles-covid-19-pais-mais-vacinado.html


COVID-19 – ACABAMOS POR PERDER A PACIÊNCIA


https://josemariaalves.blogspot.com/2021/05/covid-19-acabamos-por-perder-paciencia.html


PANDEMIA NO FUTURO - PANDEMIA PARA OS ANOS DE 2022 e 2023 – E PANDEMIA ATÉ QUANDO...


https://josemariaalves.blogspot.com/2021/04/pandemia-no-futuro-para-os-anos-de-2022.html


COVID-19 - VERDADES - MENTIRAS E OMISSÕES - VACINOSE - QUARTA VAGA OU REACENDIMENTO?


https://josemariaalves.blogspot.com/2021/04/covid-19-verdades-mentiras-e-omissoes.html


COVID-19 - CARTA ABERTA DE GEERT VANDEN BOSSCHE


https://josemariaalves.blogspot.com/2021/04/covid-19-carta-aberta-de-geert-vanden.html


A IMUNIDADE DE GRUPO PODE NÃO SER ATINGIDA – VAMOS CONTINUAR A USAR MÁSCARA, MANTER O DISTANCIAMENTO SOCIAL E A LAVAR AS MÃOS…


https://josemariaalves.blogspot.com/2021/03/a-imunidade-de-grupo-pode-nao-ser.html


HOMEOPATIA E COVID-19 - PREVENÇÃO E TRATAMENTO

(provavelmente o mais importante de todos os artigos)


https://josemariaalves.blogspot.com/2021/01/homeopatia-e-covid-19-prevencao-e.html


COVID - EM PORTUGAL JÁ SE ESCOLHE QUEM "VIVE OU QUEM MORRE"


https://josemariaalves.blogspot.com/2021/01/covid-em-portugal-ja-se-escolhe-quem.html


PORTUGAL É O PAÍS DO MUNDO QUE REGISTA MAIS CASOS DIÁRIOS DE COVID POR MILHÃO DE HABITANTES


https://josemariaalves.blogspot.com/2021/01/portugal-e-o-pais-do-mundo-que-regista.html


COVID 19 - VACINAS - EFEITOS ADVERSOS - EFEITOS SECUNDÁRIOS E COLATERAIS


https://josemariaalves.blogspot.com/2020/11/covid-19-vacinas-efeitos-adversos.html


ANUNCIADO TRATAMENTO ANTIVIRAL CONTRA O CORONAVÍRUS - VENEZUELA


https://josemariaalves.blogspot.com/2020/10/anunciado-tratamento-antiviral-contra-o.html


COVID – FACILIDADE DE TRANSMISSÃO – EXPERIÊNCIA JAPONESA


https://josemariaalves.blogspot.com/2020/06/covid-facilidade-de-transmissao.html


MEDICAÇÃO HOMEOPÁTICA - COVID-19


https://josemariaalves.blogspot.com/2020/06/medicacao-homeopatica-covid-19.html


HOMEOPATIA E EPIDEMIAS - COVID-19


https://josemariaalves.blogspot.com/2020/05/homeopatia-e-epidemias-covid-19.html


COVID-19 - O FUTURO


https://josemariaalves.blogspot.com/2020/05/covid-19-o-futuro.html


COVID 19 - JUDY MIKOVITS - ONDE ESTÁ A VERDADE? - VÍDEO


https://josemariaalves.blogspot.com/2020/05/covid-19-judy-mikovits-onde-esta.html


MÁSCARAS OBRIGATÓRIAS – QUAL O PREÇO? – QUANTIDADE DISPONÍVEL?


https://josemariaalves.blogspot.com/2020/04/mascaras-obrigatorias-qual-o-preco.html


CORONAVÍRUS – MENTIRAS – VISEIRAS - MÁSCARAS - MEDO


https://josemariaalves.blogspot.com/2020/04/coronavirus-mentiras-viseiras-mascaras.html


HOMEOPATIA - CORONAVÍRUS - PREVENÇÃO - ARSENICUM ALBUM E JUSTICIA ADHATODA


https://josemariaalves.blogspot.com/2020/03/homeopatia-coronavirus-prevencao.html


MANUAL CLÍNICO PARA O NOVO CORONAVÍRUS


https://josemariaalves.blogspot.com/2020/02/manual-clinico-para-o-novo-coronavirus.html


ESTATÍSTICAS DO CORONAVÍRUS NO MUNDO – EM TEMPO REAL


https://josemariaalves.blogspot.com/2020/02/estatisticas-do-coronavirus-no-mundo-em.html


JUSTICIA ADHATODA - CORONAVÍRUS


https://josemariaalves.blogspot.com/2020/02/justicia-adhatoda-coronavirus.html


CORONAVÍRUS - PREVENÇÃO - TRATAMENTO - HOMEOPATIA


https://josemariaalves.blogspot.com/2020/01/coronavirus-prevencao-tratamento.html



***


José Maria Alves


https://gaia-o-fim-da-humanidade.blogspot.com/


https://homeoesp.blogspot.com/


https://homeoesp.org/


sábado, 21 de maio de 2022

SEXTA EXTINÇÃO EM MASSA - EXTINÇÃO EM MASSA DO ANTROPOCENO - O FIM DO HOMEM


O FIM DA HUMANIDADE

EXTINÇÃO EM MASSA DO ANTROPOCENO

SEXTA EXTINÇÃO EM MASSA






Em finais do século XVII, já se alertava para o risco das mudanças climáticas induzidas pelo homem.

Falava-se então, da Teoria da Seca ou dessecamento, que relacionava o desaparecimento do tecido vegetal com a diminuição da pluviosidade e das reservas de água no solo. A destruição exaustiva das florestas seria o factor determinante das secas e consequente desertificação.

Esta teoria foi estudada com maior rigor, em princípios do século XVIII, em Cambridge por John Wood e Stephen Hales. 


Em 1827, em França, foi determinado o Efeito Estufaa existência de gases na atmosfera que aprisionam o calor do planeta em vez de o deixar escapar para o espaço. 


George Perkins Marsh, nascido em 1801 e falecido em 1882, é considerado o primeiro de todos os ambientalistas da América, que reconheceu abertamente o impacto negativo das actividades humanas sobre o planeta. 

No ano de 1847 discursou na Sociedade Agrícola do Condado de Rutland, Vermont, onde anotou que muitas das alterações climáticas se ficavam a dever à desarborização e à drenagem de pântanos. 

Disse nesse seu discurso: “O homem não pode, arbitrariamente, comandar a chuva e o Sol, o vento, a geada e a neve, mas é certo que o próprio clima, em muitos casos, foi gradualmente alterado e melhorado ou deteriorado pela acção humana. As florestas afectam a evaporação da terra e como consequência a quantidade média de humidade do ar. As mesmas causas alteram a condição eléctrica da atmosfera e o poder da superfície de reflectir, absorver e irradiar os raios do Sol, influenciando consequentemente a distribuição da luz e do calor, a força e a direcção dos ventos. Também dentro de estreitos limites, os incêndios domésticos e as estruturas artificiais criam e difundem o aumento do calor, a ponto de afectar a vegetação. A temperatura média de Londres é um grau ou dois mais alta do que a do país à sua volta, e Pallas acreditava que o clima de um país tão pouco povoado como a Rússia foi sensivelmente modificado por causas semelhantes.”


Em 1878 foi fundada a Organização Meteorológica Internacional. E no ano de 1947, foi criada, pela convenção de Washington, a Organização Meteorológica Mundial (OMM), como entidade sucessora da Organização Meteorológica Internacional.


Em 1890, Olof Arrhenius demonstrou que a queima de combustíveis fósseis levaria ao aquecimento do planeta. O efeito estufa foi relacionado com o CO2 procedente da combustão do petróleo e do carvão mineral - cuja aplicação teve o seu auge na indústria com a Revolução Industrial.

 

A partir do ano de 1968, as questões atinentes ao meio ambiente focaram-se na preparação da Conferência de Estocolmo, especialmente consagrada a esse tema.

Em 1971, na Cidade do México, o investigador Miguel Ozório demonstrou grande preocupação com os efeitos do aumento da temperatura na Terra.

A Conferência de Estocolmo foi realizada no ano de 1972, tendo sido criadas instituições especializadas, como a Secretaria do Meio Ambiente, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente e um Fundo das Nações Unidas para o Meio Ambiente.

Entre 1975 e 1986 as diversas organizações dedicaram-se ao estudo das medidas possíveis para evitar os riscos referentes ao Aquecimento Global e à Camada de Ozono.


O climatologista James Hansen lançou o alerta na década de 80.

 

Depois de 1986 foi criado um grupo de trabalho incumbido de preparar as negociações de um tratado mundial, a fim de enfrentar o problema do aquecimento global, assim como de realizar as reuniões mundiais sobre o clima.

Em 1988 realizou-se em Toronto a Primeira Conferência Climatológica Mundial.

Aí, considerou-se na generalidade, que a emissão de gases criadores do efeito de estufa deveria ser controlada.

Em 1990, na cidade de Genebra, ocorreu a Segunda Conferência Climatológica Mundial, que não foi propriamente um êxito, já que o acordo continha cláusulas reservadas à protecção dos interesses de países que se recusassem a aceitar restrições à sua política na matéria, globalmente considerada, países como a Rússia, os Estados Unidos e os produtores de petróleo do Médio Oriente.

Os interesses económicos de alguns dos países mais industrializados relegaram – como ainda relegam, mesmo que dissimuladamente – para segundo plano a preservação dos recursos naturais e o equilíbrio climático. 


Hoje, mais do que ontem, são muitos os movimentos que buscam uma alteração na mentalidade dos senhores deste mundo. 

Movimentos estribados nas melhores das intenções, encabeçados por investigadores mundialmente famosos e escorados na melhor ciência, mas sem grandes resultados práticos, estando alguns deles imbuídos de uma dose considerável de ingenuidade.


A Conferência das Nações Unidas Sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento –  conferência de Chefes de Estado  – também conhecida por ECO-92, foi realizada no Rio de Janeiro, em Junho do ano de 1992, tendo como objectivo debater e solucionar os problemas ambientais e sociais causados pela destruição do planeta.


Durante um curto discurso proferido na dita conferência, o então líder cubano, Fidel Castro, alertou sobre o caos ambiental que anunciava a destruição do planeta.

De nada valeu, mas vale a pena ouvir o que todos ouvimos nessa altura, unanimemente aplaudido e logo esquecido.

Três décadas depois, as suas palavras são completamente actuais:





No ano de 2005 calculava-se que 1/3 de todos os corais de recifes, um terço de todos os moluscos de água doce, 1/3 dos tubarões e raias, 1/4 de todos os mamíferos, 1/5 de todos os répteis e 1/6 de todas as aves estavam a caminho do extermínio.


O dito James Hansen, num artigo publicado em 2017, referiu que a temperatura média global da altura era a mais elevada alguma vez sentida pela nossa espécie. 

O mesmo cientista que já tinha advertido no ano de 2006, que teríamos menos do que uma década para evitar passar o ponto sem retorno


Pelo menos desde 2007, que Guy McPherson vem alertando para o fenómeno das alterações climáticas e suas consequências, fundamentalmente por via da queima de combustíveis fósseis.

Em 2008, num artigo publicado na National Academy of Sciences, Are We in the Midst of Sixth Mass Extinction? A View from the World of Amphibians, David Wake e Vance Vredenburg levantavam a questão da Sexta Extinção em Massa

Os anfíbios – rãs, sapos, tritões, salamandras – que estão no planeta desde o tempo dos dinossauros estavam já a desaparecer, sendo eles que correm o maior risco de uma grande extinção. Uma taxa de 45.000 vezes superior à taxa de extinção de fundo


Uma maioria de especialistas mundiais, na sequência dos interesses de governos e outras organizações, continuam a defender acerrimamente a meta de 2º C proposta em 1977 pelo economista William Nordhaus.

Hoje temos mais conhecimentos do que os de Nordhaus em 1977, sem prescindir do facto de se tratar de um economista.


***


Não vamos ser exaustivos. Nas últimas décadas multiplicaram-se as Conferências, os Acordos, os Relatórios. E para quê? 

O metano é o segundo gás que mais contribui para o aquecimento global, a seguir ao CO2.

Em vez de o vermos reduzir vemo-lo a aumentar. 

Os níveis de metano na atmosfera aumentaram em todo o mundo no ano de 2021, 17 ppb – partículas por milhar de milhão –, superando os 15 ppb de 2020. Estamos perante os maiores aumentos anuais desde que começaram as medições – o que aconteceu em 1983. 

E como se não bastasse os níveis de dióxido de carbono continuam a aumentar significativamente pelo décimo ano consecutivo.

Para que é que servem os compromissos de redução de emissões de gases com efeito de estufa?


A Terra já está acima dos 2º C relacionados com o limiar do início da Revolução Industrial (1750) – como refere Sam Carana, se incluirmos ajustes adicionais ao aumento superior a 1º, o aumento da temperatura da época pré-industrial (anterior a 1750) até Março de 2022, pode atingir os 2,35º C, estando apenas a 0,65% dos 3º C, o que pode levar muitas espécies, entre as quais a dos humanos, à extinção.


O aquecimento global leva à crise já existente dos refugiados ambientais, com tendência a um crescimento insustentável.

Este aquecimento, com ondas de calor e secas globais, só pode ser explicado com recurso à acção perniciosa do homem.

E o ponto sem retorno já terá ocorrido há várias décadas. Algo que se tornou claro com o Escurecimento Global e suas consequências.


O aumento de 1,5º C é muito provavelmente o máximo que a Terra pode aceitar sem que proteste. A partir daí, enfrentaremos, melhor, já estamos a enfrentar, como resposta, o aumento de inúmeras calamidades, tais como secas, inundações, sismos, pobreza, fome e doenças. 

Tudo antes da extinção da humanidade que se avizinha não em milhões de anos, mas em décadas.


A Extinção Abrupta tem um caminho a percorrer, ainda que temporalmente muito escasso, quando confrontado com as outras extinções em massa ocorridas no planeta.

Esse “caminho” será uma grande fonte de sofrimento físico e psicológico para a quase totalidade das espécies incluindo a nossa. As consequências da crise climática são multissectoriais, cada vez mais frequentes, intensas e graves, verdadeiramente catastróficas.

Alguns exemplos:

- Temperaturas muito elevadas em determinadas zonas do planeta, tão elevadas que podem fazer sucumbir as espécies dessas mesmas zonas e fazendo com que aumentem exponencialmente as migrações ambientais;

- Ciclones tropicais, furacões, chuvas torrenciais, alternando com períodos em que a pluviosidade é praticamente nula, dando origem a secas prolongadas e a inúmeros incêndios florestais, inclusivamente na Sibéria, Alasca e Canadá;

- Actividade sísmica; 

- Aquecimento e acidificação dos oceanos, exterminando um grande número das espécies marinhas;

- Degelo e consequente subida do nível do mar; no Árctico o gelo do mar cobre apenas cerca de metade da área que cobria há 30 anos e daqui a cerca de 20 terá desaparecido completamente – daí o ano de 2040 ter um significado especial nos nossos cálculos

Degelo e aumento da temperatura na Antárctida.

- Inundações que vão atingir comunidades costeiras ou que vivem em regiões de baixa altitude;

- Um crescendo de doenças e da mortalidade, humana – pandemias, epidemias, novos vírus, novas bactérias, bactérias resistentes, microorganismos “adormecidos” que retornam como consequência do degelo e do desaparecimento do permafrost;

A forma como vivemos e consumimos determinados alimentos, a destruição do planeta, nomeadamente pelo aquecimento global, faz com que apareçam mais vírus e bactérias e pela sua replicação, mutantes que escapam à imunidade natural, aos tratamentos com antibióticos, e às vacinas, que podem eventualmente gerar epidemias ou pandemias catastróficas.

- A destruição de ecossistemas de outras espécies – terrestres, de água doce e oceânicas - originando extinções em massa irreversíveis;

- Impactos hostis nos regimes humanos, incluindo no acesso à água e na produção de alimentos, na saúde e na qualidade global de vida das populações; 

- Aumento exponencial das migrações originadas por motivos económicos e climáticos;

- Grandes dificuldades de adaptação na agricultura, na silvicultura, na pesca, energia e turismo – que são os sectores económicos mais expostos à crise climática;

- Um exponencial agravamento das crises humanitárias – fome, pobreza, carência dos mais elementares cuidados de saúde, etc.;

- Aumento de conflitos locais e internacionais, conduzindo em muitos casos a guerras, que afinal são uma constante na História do Mundo. Guerras altamente destrutivas face aos armamentos disponíveis: nuclear, químico e biológico.


A uma imensa e terrível sucessão de acontecimentos, calamidades provocadas pelo homem, ocorrerá a anunciada Extinção em Massa do Antropocenotermo da autoria de Paul Crutzen, químico holandês que foi distinguido com o Prémio Nobel, com início não definido. Alguns identificam o seu começo com a fase final da última Idade do Gelo ocorrida há 11.700 anos, outros com o início da Revolução Industrial (1750) e ainda com o aumento demográfico vivenciado na década de 60 do século passado.


A Extinção em Massa do Antropoceno não é nada que não faça parte da história da Terra, com a diferença de ter sido provocada pelo homem, agente causador e vítima dos seus próprios actos. A “Erva Daninha”, que teve para infortúnio do planeta e das outras espécies, a habilidade nociva de transformar o ambiente ecológico, “suicidando-se” e arrastando consigo outros seres, alheios à ganância e estultícia de um superpredador.


O paleontólogo David Archibald, especializado em dinossauros, disse numa entrevista:

“O grande ensinamento dos dinossauros foi que a extinção é a regra; não a excepção. O que é normal na evolução é que as espécies se extingam.” 

99% das espécies que povoaram o planeta extinguiram-se mais tarde ou mais cedo. Nós e tudo o que vive hoje na Terra dependemos do restante 1%. 

Mas até ao momento todas as extinções em massa (no mínimo cinco) e extinções menores tiveram por causa acidentes naturais. 

Agora, pelas nossas próprias mãos, assistiremos à nossa morte anunciada. É tudo uma questão de tempo; nem milhões, nem milhares de anos, mas décadas.


O homem teimou – e teima – em destruir o seu habitat. Somos a causa da extinção e uma das suas vítimas. 


***


A nossa actividade no planeta, principalmente depois do início da Revolução Industrial (1750) traçou o nosso destino:


- Com uma actividade industrial em crescendo, de modo a acompanhar a sua ambição descomedida, o homem poluiu o ar, os oceanos e o solo; emissão de gases com efeito de estufa, poluição dos mares e envenenamento dos solos.


- O estudo do papel e da importância dos hidratos de metano no Árctico e na Sibéria Oriental têm vindo a ser examinados por um grande número de cientistas.

A eventual libertação de uma grande quantidade de metano (CH4), de várias Gigatoneladas – 50 Gt seriam catastróficas –, terá como consequência uma perda de habitat a curto prazo para os humanos. Mas não só. A libertação prolongada em níveis mais altos do que seriam de esperar, também põe em risco o nosso habitat.

Até ao ano de 2007 o metano teve um aumento muito pouco significativo na atmosfera, próximo do zero. A partir de 2007 começou a aumentar e a partir de 2014 teve um aumento de praticamente o dobro da taxa observada em 2007, aumentando significativamente a cada ano que passa e batendo novos recordes. 


- O espaço aéreo está repleto de aviões em trânsito. Mas o seu rasto, apesar de durar apenas algumas horas, devido ao número de aeronaves em circulação, provoca nessas horas, um aquecimento maior do que todo o dióxido de carbono emitido desde que a aviação teve o seu início, para além dos efeitos nefastos que provocam na circulação atmosférica, podendo ser um dos factores de extinção da vida na Terra.


- A perda de aerossóis na atmosfera tal como o degelo abrupto do Árctico podem conduzir ao aumento descontrolado das ondas de calor.

Um estudo revelou que o degelo no Árctico está relacionado com a emissão de aerossóis sólidos para a atmosfera, que modificam a formação das nuvens e o clima globalmente.


- Um Árctico sem gelo terá o efeito equivalente a 25 anos de emissões de dióxido de carbono.


- A Antárctida está a perder seis vezes mais gelo do que há 40 anos atrás. O seu gelo liquidificou em Dezembro de 2019, na taxa mais alta já observada, e vivenciou uma inusitada onda de calor em Janeiro de 2020.


- Muito provavelmente, os ecossistemas oceânicos irão colapsar ainda durante esta década.


- A acidificação dos oceanos está a acontecer a um ritmo demasiadamente perigoso. O aumento de CO2 na atmosfera conduz à acidificação dos oceanos, acidez que é a irmã perversa do aquecimento global e que leva, entre outros, à diminuição do plâncton. Diminuindo o plâncton diminuem as espécies marinhas e o nível de oxigénio na atmosfera.  


- Se as instalações de energia nuclear do mundo ficarem descontroladas é quase inevitável que poderemos enfrentar uma extinção abrupta.


- Uma provável guerra nuclearnunca me quis acreditar nesta hipótese, mas neste momento tenho muitas dúvidas sobre tão desastrosa hipótese.


***


Os seres humanos são mamíferos vertebrados. Como tal terão o mesmo fim do que os restantes mamíferos vertebrados que não são humanos.

Se ocorrer uma Extinção Abrupta, os humanos não sobreviverão. Havendo uma extinção abrupta toda a vida pode desaparecer, excepcionando-se quando muito os microorganismos resistentes, tais como bactérias e vírus.


Vejam-se as duas entrevistas de Guy McPherson, em especial a segunda, pela sua importância actual:

- Entrevista 1;


- Entrevista 2



***


UM VERDADEIRO DILEMA





Só temos um meio para alterar a temperatura média global do planeta: a redução da actividade industrial.

Mas se reduzirmos a actividade industrial teremos uma redução no Escurecimento Global, na quantidade de aerossóis na atmosfera – o efeito de mascaramento dos aerossóis foi demasiadamente subestimado até há poucos anos atrás –, o que fará com que a temperatura aumente muito rapidamente. Uma redução de apenas 20% na actividade industrial pode levar a um aumento de 1° C na temperatura média global numa questão de dias ou de uma semana.


Se diminuirmos a actividade industrial diminuímos ou podemos perder grande parte do efeito de mascaramento dos aerossóis, o que significa a perda do habitat para os humanos e o fim da humanidade.

Para podermos estimar a energia que o sistema climático acumula num determinado período, teremos de considerar dois factores: Por um lado o aquecimento proveniente da emissão de gases de efeito estufa, por outro a radiação que é absorvida e reenviada para o espaço por via da maior ou menor concentração de aerossóis. 

- O dióxido de carbono (CO2) permanece na atmosfera por vários séculos após a sua emissão.

- O óxido nitroso (N2O) aproximadamente um século. 

- O metano (CH4) algumas décadas.

- Os aerossóis só permanecem na atmosfera por poucos dias ou semanas.


Se reduzirmos a emissão de aerossóis teremos como consequência, num curto espaço de tempo – dias ou semanas – a aniquilação da sua influência no clima. 




Os aerossóis são partículas sólidas ou líquidas suspensas num meio gasoso – em regra o ar, pelo que existem na atmosfera – e que têm consequências directas e indirectas no clima – esqueçamos por ora o seu efeito na saúde dos seres vivos que habitam o planeta.

Existem aerossóis naturais, como os que são produzidos pelas florestas, nomeadamente a Amazónia – o isopreno que é um composto precursor do ozono –, os que procedem dos oceanos, como os aerossóis de sal marinho, os do solo, na forma de pó, e existem os aerossóis de poluição gerados pela actividade humana.

Os aerossóis, em geral, reflectem a luz emitida pelo Sol para o espaço, arrefecendo o planeta. 

Outras partículas, como a fuligem, podem absorver a radiação solar. 


Quando os aerossóis são expelidos para a atmosfera podem passar algum tempo em suspensão antes de voltarem a cair na superfície terrestre ou serem arrastados por correntes de ar para outros locais, dando origem a alterações climáticas não só regionais, mas também globais.


A queima de combustíveis fósseis, principal fonte de emissões humanas de CO2, também consiste numa significativa fonte de emissão de aerossóis. Assim, a quantidade de energia acumulada pelo sistema climático, e consequentemente a taxa de aquecimento global, dependerá em curto prazo tanto das emissões de gases de efeito estufa quanto das emissões de aerossóis.

O tema foi explorado por um estudo de cientistas de universidades dos Estados Unidos, que calculou como as distintas regiões do mundo contribuíram para o acúmulo de energia pelo sistema climático. Tomaram em consideração os efeitos da quantidade acumulada de emissões de gases de efeito estufa e das emissões de aerossóis ao longo do período entre 1900 e 2017.




Os gráficos apresentam a evolução da quantidade de energia acumulada pelo sistema climático terrestre entre 1900 e 2017. 

No gráfico superior, que respeita ao mundo (World), a média global é identificada pela linha negra contínua, a média global sem o efeito dos aerossóis pela linha pontilhada compacta (Without aerosol) e a média global sem a contribuição das alterações na Terra pela linha pontilhada espaçada (Without Land Use Carbon).

 

Nos gráficos seguintes são analisadas diferentes regiões. 

Os resultados indicaram que três regiões mostraram um padrão de desenvolvimento histórico comum. Nelas, as emissões de gases de efeito estufa associadas ao processo de industrialização foram compensadas pelas emissões de aerossóis de sulfato.

Constata-se que em três das regiões analisadas, o arrefecimento causado pelo aumento dos aerossóis anulou temporariamente o aquecimento provocado pelo aumento exponencial dos gases de efeito estufa.


À medida que os governos passaram a regular e combater a poluição atmosférica, entre outros motivos, os níveis de aerossol caíram significativamente. Sem contar mais com os efeitos de resfriamento dos aerossóis, o sistema climático passou a acumular mais energia em resposta às emissões acumuladas de gases de efeito estufa.


Podemos deduzir que os aerossóis contribuem para mascarar o aquecimento global.


Quando na Europa e nos Estados Unidos da América se implementaram medidas contra a poluição acabou por se verificar uma aceleração da taxa de aquecimento global. 

O futuro da Terra já estava comprometido quando da realização do estudo. Mesmo que nessa altura (2017) as emissões de gases fossem completamente eliminadas, o aquecimento médio global não pararia de aumentar.


***


Não temos capacidade para inverter a situação:


- Diminuir a actividade industrial, como já vimos, pode agravar o aquecimento do planeta em vez de o arrefecer;

- As chamadas energias renováveis ou energias limpas – que não são completamente limpas – não conseguirão resolver o problema atempadamente.

- A florestação em massa também o não consegue fazer, como já deixámos anotado num outro artigo.

- A geoengenharia não tem soluções válidas, eficazes e práticas.


***


O ponto sem retorno é actualmente inquestionável.


A Humanidade tem o seu fim à vista

Serão décadas de grande sofrimento. Doenças, fome, violência de todo o género, guerras. Um sem fim de padecimentos físicos e psicológicos. 


Vivam o “agora” e saibam conviver com o sofrimento e com a morte, educando os vossos filhos e netos para a triste realidade de que todos somos culpados.


***





***



UMA GUERRA NUCLEAR?

A DESTRUIÇÃO ANTECIPADA DO HOMEM E DO SEU HABITAT?






CÃES QUE LADRAM NÃO MORDEM

MANDAM MORDER E MORRER



Já não vos basta, insensatos, o anunciado Fim da Humanidade, em poucas décadas, como consequência das ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS, para andardes a “provocar” uma Extinção e um atroz sofrimento a curto prazo?


Alguns governos, televisões e jornais, inundados de imbecis, estão apenas a alimentar um eventual conflito à escala mundial.


Há quem ande pelos parlamentos mundiais a “pedir” uma terceira guerra mundial, secundado por um conjunto de idiotas que deviam estar mais preocupados com uma verdadeira dialéctica de Paz.

 

Goste-se ou não do Lula da Silva – não olhes para quem fala, mas ouve o que diz –, parece ter sido o único com coragem para dizer o óbvio:

“Zelensky quis a guerra. Se ele a não quisesse, teria negociado um pouco mais. É assim. Eu fiz uma crítica ao Putin quando estava na Cidade do México, dizendo que foi errado invadir. Mas eu penso que ninguém está a contribuir para a paz. As pessoas estão a  estimular o ódio contra o Putin. Isso não vai resolver! É preciso estimular um acordo. Mas há um estímulo ao confronto! 

(...)

Eu não conheço o presidente da Ucrânia. Agora, o comportamento dele é um comportamento um pouco esquisito, porque parece que ele faz parte de um espectáculo. 

(...)

Às vezes fico vendo o presidente da Ucrânia na televisão como se estivesse festejando, sendo aplaudido em pé por todos os parlamentos, sabe? Esse cara é tão responsável quanto o Putin."

- E fica sendo aplaudido quando está manifestamente a pedir a esses Estados uma intervenção que desencadearia fatalmente uma Guerra Nuclear. E não há quem tenha a coragem de lho dizer frontalmente e de o colocar no seu devido lugar...  - 


Muito mais poderia ser dito. Mas vivemos numa nova censura mundial, o que é muito mais grave do que as meras censuras impostas por regimes fascistas de outrora, como ocorreu em Portugal no tempo do Estado Novo, na Itália de Mussolini e na Espanha Franquista.

Eu já dei para esse peditório

Recuso-me a fazê-lo a favor dos Senhores da Terra, seja Putin, seja Biden, seja quem for - as grandes potências sempre cometeram as maiores atrocidades. Estão bem umas para as outras.


As duas novas armas testadas pela Rússia alteram por completo o panorama entre o Ocidente e Moscovo.

 

Um especialista em actividades militares lembra que ambas as tecnologias são indetectáveis e que uma é um míssil intercontinental capaz de atingir os EUA – sem ser detectado -, destruir a França, e com várias ogivas nucleares 50 vezes mais potentes do que a bomba lançada no Japão durante a Segunda Grande Guerra.

O Major-General lembra que o planeta tem estado dominado por “jogos florais” entre o Ocidente e a Rússia até ao dia em que “acordamos com uma nova Hiroshima, desta vez na Europa”.

“À noite vamos para o conforto das nossas camas, até ao dia em que despertamos com uma ogiva nuclear a rebentar na Europa”, disse o major-general –  alguém que se impõe pela sua própria palavra e reconhecida competência militar; um dos especialistas remetidos para horários pouco "nobres" e se possível, aos poucos afastados para que a informação não seja a real  – em tom de aviso.


Este é também O MEU ÚLTIMO AVISO



***





***



José Maria Alves


https://gaia-o-fim-da-humanidade.blogspot.com/


https://homeoesp.blogspot.com/


https://homeoesp.org/