Este diário complementa o nosso site pessoal

( VER ETIQUETAS NO FIM DA PÁGINA )

USE O PESQUISADOR DO BLOGUE -

-

OS TRATAMENTOS SUGERIDOS NÃO DISPENSAM A INTERVENÇÃO DE TERAPEUTA OU MÉDICO ASSISTENTE.

ARTE

Pesquisar neste blogue

terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

PEQUENOS POEMAS XII



Download dos textos de ANTIPOESIA ou a insustentável arte da falsa erudição em –





***



está exaurida
retira com gestos dóceis
a caneta do tinteiro
e escreve            segunda-feira

com um olhar penível
antes de se devolver ao leito
pensa
         as minhas irmãs fazem turnos
         para cuidar de mim

o som de uma pequena caixa de música
     abafa a angústia e o desespero 

observa as mãos envelhecidas
o perfume de uma rosa branca
fez com que sorrisse
um sorriso que iluminou o aposento
melancolicamente decorado
a retratos falecidos



***



nunca devemos dizer adeus
a vida começa antes do embrião e
passa incólume pelos acanhados laços da morte

devíamos tê-lo escrito nos cadernos da escola primária
quando desenhávamos letras em duas linhas paralelas
na construção
de vocábulos de coisas coesas



***



mantenho-me vivo
como um qualquer mendigo
e morro a cada dia
em cada acto
em cada palavra que digo



***



ser tantas coisas
sonhar outras mais
desbravar selvas
florestas virgens
sulcar mares
acreditar em fadas
em mistérios e milagres
ser um nada
como os demais



***



rios de luz nas nuvens
o ocidente renasce das sombras
e nelas os guerreiros de antigamente



***



suor que corre nas cartilagens
da chama
que no corpo se extingue

junto ao cascalho do caminho
pingos de sangue confundem-se
com o areão avermelhado

a estátua desmembrada sorve a luz do dia
uma cruz com os pés nus
fez-se rodear de flores de água

os mamilos decepados
tudo tão verdadeiro e tão falso
como outrora



***



os pobres lavradores
cavam a cada dia
um palmo da sua sepultura



***



na sala de visitas
os manequins do fundo
meneiam-se em gestos
arrebatados à obscuridade

pelas paredes negras
passeiam-se 
as sombras
do mais aterrador silêncio

na atmosfera deprimente
as mentes adulteradas
buscam ávidas um
sonho que ninguém quer sonhar



*** 



a cada hora
                  que passa
enfureço a insónia
                  agita-se o corpo
                  sonho acordado no lodo
                  argiloso do tempo
quando se dorme
não se sofre a verdade
                  podemos nascer
                  ser crucificados
                                         morrer
por asfixia
exalar o último suspiro
                  e depois
                  acordamos
                  renascidos
por vezes
                  pensando no suicídio



***



os cães do arlindo ladram a toda a gentalha
mas a mim não –
que espécie de cão serei eu



***



olhos floreados empalecem
pétalas emurchecem 
estrelas que se extinguem

na escuridão do quarto
uma vela alumia
o velho jarrão de porcelana
e os crisântemos artificiais

não se ouve
nada
qualquer sussurro

para quê manter aberta a janela
ou a porta no trinco
quando nele vage a alma



***



florejam
             abismos
             fráguas
             rios
             miragens

entorpecem
                 sílabas
                 palavras
                 frases
                 poemas
                 falsidades



***



toco os teus seios
                           estão frios

as mãos paralisadas
                              as faces amarelecidas
os olhos cerrados

        não            não pode ser a morte

        falo-te suavemente ao ouvido
                      digo-te
   amor            acorda            sê forte

donde provém tanta paz
        quietude e indiferença
                não pode ser morte

começo de nova vida
em mim e em ti
na minha alma dorida



***



    embravecimento eterno que me cinge o coração
                    não o sei descrever
        nem sequer sei se é fúria dor ou paixão



***



querer ou não querer adormecer
a esta hora da madrugada os pensamentos dispersam-se
rememoram-se            extinguem-se            mesclam-se
não quero acordar

fico só com as coisas            comigo como coisa
sem pensar                          sem sonhar

                          assim tão só
                      tão acompanhado
                  tão serenamente tudo



***



                                livros
                         e fios de prumo –
                            inutilidades



***



desorientado agitava-se
                                   levantou-se descalço
                                   laborou descalço
                                   deitou-se descalço
                                   as folhas caíam
                                   das cerejeiras mortas
                                   os fantasmas
                                   do medo
                                   vagueavam nos arretos
                                   por cultivar



***



sem destino
abriu a porta do casebre

na mesa
coberta de pó
um prato partido
com restos de comida
corrompida pelo tempo

                       num dos cantos
                            um corpo
                      em decomposição

de quem seria

habituado à morte
      sentou-se num banco de três pernas
            e ficou-se por ali
                  a contemplar o cadáver

sem resposta
                   sem nada
                                 do que ali restava
partiu acompanhado
                     pelo silêncio do sepulcro
                                                         desprezado



***



             sol na eira            água no nabal
                      a palha mortífera
                      dos meus versos



***



a vida embriaga as saudades
quando escrevo ao alvorecer
o som das palavras que constroem o momento

na casa ao lado instalou-se o vazio
enquanto os teus olhos se apagam
só as rosas as hortênsias e as dálias
não padecem
      não pensando nem sabendo
            que deixarão de ser as
                  tuas fiéis companheiras



***



  os ossos da morte espalhados no mato rasteiro
 que cresce entre fráguas incendeiam os instintos
       e os desejos dos monges do mosteiro



***



canto o esquecimento
                                da transgressão e
                                do remorso
                                da culpa e
                                do pecado
                                da angústia e
                                do sofrimento dos que
                                em mau momento ofendi

                  penso em vós          em ti
                no mal que a mim próprio fiz

                      e quanto mais o canto
                        mais me atormenta
                         o arrependimento



***



uma pedra preciosa

        uma águia errante

              no jardim o lago dos nenúfares
              o beijo das aves domesticadas

a senhora desce pausadamente os degraus do palácio
acaricia os fragmentos de um falso adónis e
                    olha para o céu
          onde uma nuvem negra ameaça 
                   chuva de solidão

o amante hoje não veio



***



procurava nas pequenas coisas
disformemente mundanas
                                     o motivo último
                                     a causa primeira
                                     o poema aquoso
                                     o símbolo inicial
                                     do criador amoroso



***



os ramos de cerejeira desabavam floreados
contra as vidraças das janelas do luxuoso restaurante chinês

as pétalas começaram a tombar arrastadas por pequenas gotas de vento

                dentro as mesas estão cheias
                   palavras            palavras
                     flores que ninguém vê



***



               o mapa de todas as ganâncias
            com todos aqueles recifes de coral
                        revelou-se fatal



***



um punhal de sol
   rasga o sobreiro
      que tem na sua sombra
         a história solitária
             de gerações
                              de velhos pastores



***



                   somos todos mendigos
                      do oiro ou do céu –
                     todos sem excepção



***



junto à fogueira
erguem-se os braços da cruz pintada de branco

as pedras que a cercam
carpem
o fedor da carne queimada

na distância
uma mulher e duas crianças
pranteiam abraçadas



***



no caminho
   pedregoso
      a face lunar
         oculta as estrelas
            e as galáxias
               tão distantes
                  tão surdas
                     ao meu brado



***



bebemos a seiva
do esquecimento

voámos nas asas
das aves nocturnas 

                   sorrimos felizes
                     à água pura
                   das nascentes



***



à luz das estrelas
caminho com a urgência
da mágoa sem tino
que amargamente dilacera
as peugadas
dos passos submersos
                          como
                   um velho monge
                        sem fé e
                      sem destino



***



as memórias fenecem no rio pantanoso
do sonho inquieto
trespassado pelas garras das aves nocturnas

alguém desce as escadas emparedadas da zona antiga da cidade
parece conhecê-las como ninguém
talvez o hábito de anos de trabalho
sem qualquer significação
sem qualquer sentido

vida perdida no vazio da multidão



***



                    não conhecem a vida
                        os que a cantam
                  mas os que a consomem



***



a voz da criança moldava-se ao nosso corpo
cujas linhas a escuridão definia
no meio de tantos sonhos que convivem com o ar respirado pelos pinheiros mortos

            lá onde jazia uma lareira extinta
          pendiam os gritos do espaço ermo
                   a constrição dos aflitos

a festa dissipava o tédio e o furor dos cântaros
o som planava em todas as direcções
havia vozes no côncavo das mãos gretadas
imersas na transparência das cidades perfiladas como vaginas ardentes e
das palavras repetidamente inalteradas



***



um arbusto baila ao vento na paisagem
num dos seus ramos mais envelhecidos
canta uma ave casta que inunda a planície deserta
no arrebatamento da paz sem-nome



***



nas dunas brilhava uma estrela
indicando o outro lado da ria

movimentos subtis nas ervas ressequidas 
rastejavam à superfície

os monstros da noite haviam recolhido
aos fluidos engrinaldados por pequenas algas

cabeleiras de lágrimas
das flores das trevas



***



                      dois pássaros mortos
                     no telhado em ruínas –
                 ah a efemeridade do mundo



***



folhas secas acasalam com a lama
a chuva inundou as bermas
o sol apareceu entre duas nuvens e
por momentos fez brilhar
algumas gotas espalhadas pelos 
troncos emudecidos
longe um pastor toca flautim
sem que saiba ou queira
saber que o oiço atentamente



***



no funeral dois anjos
rondam uma cova nua –
número 23



***



                         vejo na rua antiga
                     as árvores que morrem
            os rostos enegrecidos pela fuligem

pombos doentes poisam
nas estátuas

num prédio devoluto
      uma família vive amontoada numa
          cave húmida e fria
desesperança onde brilha
      um candeeiro de petróleo
         nos rostos deprimidos
               das crianças



***



                          visões tenebrosas
                           presságio do fim 
                           que se aproxima

                                não tenho
                          nenhum negócio
                           que te fascine



***



            as palavras soltam-se
            saem de si
            abandonam-se à luz do crepúsculo
            quando o sol morre
            e o poema nasce



***



         um velho corvo entediado
         sorri ao frio
que magoa as mãos amarrotadas
das bruxas
prostradas à porta dos infernos
de maldições e assombros acusadas

   as cordas penduradas nas muralhas
            aguardam a arraiada
            do reino das trevas



***



o tique-taque do relógio da sala
a respiração ofegante e os vagidos insuportáveis –
depois um silêncio de morte



***



os teus olhos acendem-se

                             o sono nasce
                     enquanto a insónia morre
                       invadida pelo cansaço

                    agora posso sonhar contigo
                         num mundo diferente



***



os pássaros acordam
e eu
sem conseguir dormir



***



a esperança
      adormece
            solenemente
                  no casebre da colina
                     uma coruja
                        conta-nos histórias
                        de antigamente
                   quando o inverno
               ainda se sentava
            à lareira
         dos nossos enigmáticos
devaneios



***



              no beco
o som do violino esgadanhado
por um louco no seu desatino



***



a densidade do desalento

a opacidade do coração

os versos nascidos
instintivamente na canção

              o ódio que nos prende à vida
              e o assombro de sermos nós
               os homicidas da realidade

desagua no murmúrio da água
       que sustenta a raiz
      de todos os desejos



***



                              há uma alma
                           em cada ser vivo –
                          recuso a melancia



***



oiço e não vejo
porque ver seria ouvir menos do que oiço

uma ópera desconhecida
   a voz dos cantores
      sopranos e tenores
         e os acordes da orquestra
             inundam-me a mente
não deixando lugar para mais nada
          que me apoquente
               ou angustie



***



                          vem pirilampo
                canta-me nesta noite de breu
                    a tua luminosa canção



***



a luz filtrada
pelas copas
rasga o tronco nu
do camponês
desnudo e doirado
dorido e cansado
sem qualquer esperança
sem o fado
da sorte ou do azar



***



                   o prazer é um instante
                     envolto de angústia –
                 um casulo sem borboleta



***



a escadaria sem fim
o olhar dos traidores fascina
os operários que congregam edifícios nas cidades
uma maçã perdida numa das suas ruas sujas
o seu coração ainda bate
desprezado como as flores mortas
da varanda da casa vazia



***



as raízes do mundo
    petrificadas
destruindo a vida
   nos desertos
                      e extinguindo
                    a luz dos astros



***


      a candeia apaga-se
          entre vírgulas 
      caligrafadas ao frio

                 as mãos emergem
               dos braços cruzados
    como asas negras no branco da noite

esqueço-me de mim
                              humilho-me
                              permaneço no cais
                              reduzido a nada
          lembro o meu pequeno quarto
          e o corpo que deixou de existir
          na união dos espíritos insanos



***



em conformidade com a minha vontade
deixo que o azul do céu me invada e
embale amorosamente até à exaustão



***



as flores do canteiro sul morrem no meu pensamento
a sua existência é frágil como a memória esmaecida
como júbilo de olhos turvos
o que nos lembra a efemeridade
desta passagem pelas criptas do tempo



***



          o peito comprime-se à minha loucura
               tenho dificuldade em respirar
          custa-me pensar e apetece morrer



***



orvalho que goteja de bocas furiosas

as árvores suspensas ostentam os frutos flutuantes

em cada um de nós há um eremita
habitante do mundo infernal do desassossego
onde aberrações da erudição balizam fronteiras
da liberdade que só existe nos livros amarelecidos da estante de carvalho
a que apenas se limpa o pó

nada mais



***



a borboleta saiu do casulo
esvoaça liberta do passado
e precipita-se com júbilo
   para a luz da morte



***



a árvore mantinha-se imóvel e indiferente
poisada num dos ramos morto e sem folhas
uma ave cantava a melodia da primavera



***



o sol queima as vísceras do eco
testemunho do medo infinito
lavrado no pátio dos claustros desaparecidos

o espectro do monge
silencioso na montanha que se debruça
vigia nas antigas ruínas
a planície inundada
por uma olvidada luz branca 

                   profeta ou vidente
           ervas viçosas crescem na campa
                 do último penitente

na lápide
senhor tem piedade de mim



***



uma pequena nuvem
                               atravessou o céu
enquanto eu adormecia
                               tendo por tecto o luar
                       e por leito
               o meu próprio corpo



***



homens sem rosto no empedrado

uma ampulheta esvazia-se com rapidez
                atabalhoadamente

o desmantelamento da história
alheia-se dos gemidos
nascidos de ventres fumegantes
doando os membros 
às mãos do areal deserto e
do mar inerte



***



                    a voz gélida da estepe
                   no dorso do velho lobo
               que se arrasta para a morte



***



             as gárgulas estendem-se
              pelas paredes rochosas

             setenta e sete alimentam
                a curiosidade patética
              dos turistas bestificados

                   um padre negro
          - brancos são muito poucos –
          diz a segunda missa da manhã

trezentos e oitenta degraus
separam da terra
os setenta metros e
os treze mil e trezentos quilos
de ilusório misticismo



***



            os nossos corpos de argila
            envoltos pela voz da manhã
            experimentavam em segredo
            o êxtase dos antigos místicos



***



a saudade esfria o rumor intimista de uma alma esventrada
na ruela uma idosa ressequida chama a filha pelo nome
a adúltera sempre tão conforme aos seus impulsos

na terra nova
cerrando as mãos ao gelo
um dóri balança suavemente na cadência de umas poucas horas de calmaria
o pescador observa o mar cinzento 
enquanto segura a linha que lhe magoa os dedos crispados
e sonha             sonha com a mentira do amor ausente



***



                   o símbolo da liberdade
              não és tu estátua fria e servil
              nem tu bandeira falsa e frágil
                és tu borboleta sem idade



***



aqui sentado nesta posição desconfortável
exibo a forma sublime de um cão magro sob o arco do céu

a água parada ao luar
fez serenar o parque que tem a marca do fim

a seiva da vida segreda aos campos
alados de penadas almas as virtudes do passado

como aquele rapaz que aparece e desaparece
na bruma terrífica do além
força misteriosa do que não existe
para além da razão cega e manca



***



                   não creio em mim
         nesta ou naquela parte do meu ser
          creio na existência do meu grito



***



o caminho das estrelas
no melhor vinho da última colheita

na mesa abunda o pão da vida

depois da travessia do oceano
com os pés em terra firme
todas as tormentas amainam
e o teu corpo intocado
dilui-se no meu desesperado



***



desânimo
              dos versos
              subjugados
              das emoções
              desencarnadas
              dos desertos
              suicidários
              de cães
              danados



***



ouvia-se o apelo dos primeiros botões de primavera
à beira do rio as noites revisitadas pelos amores de verão
um cavalo com rédeas de oiro flutuava sobre o luar que deslizava nas águas tépidas
uma luz ténue no casebre da ponte romana
alguém pede socorro            uma voz abafada
nascida de um ventre exasperado
no clamor das últimas horas



***



silêncio

a doçura da solidão



***



os santos
              não têm asas

têm túnicas
                 vegetais e
                 sandálias de raízes
por isso
            são santos e
            escarnecidos



***



o tempo das colheitas nasceu com um sorriso nos lábios dormentes
à sombra das árvores sentaram-se os trabalhadores
              comendo um naco de dor e
              bebendo o seu próprio suor



***



a sombra ergueu-se nua e perfeita
rastejando no caminho traiçoeiro
das ruas e vielas da cidade cinzenta

o calor de um abraço
a crueldade da servidão        a dor
a humanidade de um simples beijo

bela é a erva calcada pelos trovadores e a alegria das raparigas que em ranchos colhem as urzes em flor



***



                       o pássaro            o dono
                                     a prisão
                      e queria que ele cantasse
                     que fosse feliz e gracioso



***



rosa-dos-ventos
a rosa que nunca se ergueu no horizonte
perfume rouco no limiar do silêncio

os deuses também dormem

um bando de patos selvagens cruza o deserto do céu
no descampado uma gazela observa-nos receosa
teme ser crucificada
o seu coração aflito adivinha a armadilha
enquanto o medo acorda num sobressalto



***



vieram do nada
           envoltos nos ramos da discórdia
                        venceram o tempo
                                      e
                       a origem das coisas
cultivadas
               nas cinzas do passado



***



havia um eremita nas montanhas da aldeia
tinha dado o salto da fé
era uma criança que brincava com as aves e com os animais da floresta
falava aos arbustos de bagas vermelhas e colhia-as 
às nuvens e às pedras amontoadas do casebre
ao frio e à neve
ao fogo nos dias de inverno e
ao riacho donde bebia nos dias de verão
tinha uma coroa feita de flores silvestres
um trono redondo de ervas secas
e um coração bordado a esperança



***



projecto-me no infinito
nas chuvas ácidas da eternidade
espantado pelas galáxias itinerantes
e pelos cometas que o nosso pequeno universo vomita
                  tudo tão real
                  tudo tão falso
                  tudo tão absurdo



***



a pele pálida
a dissimulação no olhar
que brilha no espelho embaciado
a indiferença 
nos lábios avermelhados
já não és a mesma



***



uma flauta
               canta a calúnia
       benevolente
       humilde
       generosa
               alheia à injustiça
das bocas famintas e odiosas



***



a maldição mística da insónia enovelada
em perversos pensamentos
na mansão
o tecto pintado
move-se à luz das velas
relâmpagos iluminam os trovões
que ecoam pelos cantos do aposento
o tempo apagou as recordações da infância



***



o vento da estepe
                         caminho contigo
                         canção da terra
e
                         desenho 
                         uma linha indefinida
                         no simulado azul
                         do céu



***



nos jardins junto ao mar
                       os ossos
                       dos navegantes
                       imploram
                       pelo florescimento
                       da carne



***



disseste que vinhas
é tarde
adormeço por breves instantes
o vento passa
nos canaviais distantes
e a cada sobressalto
caio nos braços da eternidade
onde já saudade não existe
nem nasce



***



dizia-se que voltara do reino dos mortos
mas estivera morto desde sempre
no sem-sentido da rotina e da ambição



***



em torno da fábrica as cruas lamentações dos operários
a estatueta do jardim descuidado tinha séculos
sofrera os golpes da erosão das gerações passadas
as sebes por podar            o fracasso de uma vida
naquela batalha pela sobrevivência apenas o canário do gabinete do administrador cantava
alheio à dor e ao mundo fracassado



***



repartimos o pão e o vinho
ofertámos um ao outro os nossos corações
como era belo o seu rosto
a chuva rolava pelos vidros das janelas
a flor iria transformar-se em fruto
as tempestades em bonanças
o amor em saudade



***



quando os homens morrem finalizam uma história de aprendizagem
ganham por direito divino um espírito sereno sem memórias e pesares
dormem sem créditos nem dívidas e não disseminam palavras inúteis
são copas de troncos mortos a florir em planícies intangíveis



***



outono                o frio de inverno intempestivo
observo aquela pobre mãe
naquele vestido branco e puro
que a levou à sepultura
numa tarde fria e húmida



***



da varanda
nas noites de verão
iluminadas pela lua 
víamos os túmulos
do pequeno cemitério
ladeado por
imponentes cedros
jazem os nossos mortos
e já jazemos nós



***



nasce da alma 
o  desejo que me devora

teus olhos
no rosto lívido

estreitam o azul do céu
ao meu coração



***



quis ser marinheiro          ou sou      mas diferente
velho marinheiro com o seu cachimbo de cana
o olhar perdido no horizonte entre hálitos de fumo

navegar sem destino com ventos a favor
aterrar em ilhas perdidas com mulheres seminuas cor de bronze nas praias

florestas impenetráveis
a liberdade do alto
a maresia
melodia da proa a rasgar o azul

quis ser marinheiro        alma plácida da liberdade
embalada pelas ondas de través num sono tranquilo
perfumado pelo odor das algas

agora não navego em mares de azul        navego em mim
sem rumo ou porto de destino



***



quero estar só
neste sonho que me domina
ausência do mundo que me determina
ser o que sempre fui e serei –
cinzas e pó
em alma eterna



***


Sem comentários: