Este diário complementa o nosso site pessoal

( VER ETIQUETAS NO FIM DA PÁGINA )

USE O PESQUISADOR DO BLOGUE -

-

OS TRATAMENTOS SUGERIDOS NÃO DISPENSAM A INTERVENÇÃO DE TERAPEUTA OU MÉDICO ASSISTENTE.

ARTE

Pesquisar neste blogue

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

ALMA AZUL






A alma sangra
Empobrece
O lago esconde-se na pedra negra que os construtores rejeitaram
O céu derrama nuvens não profanadas
Com dedos de pétalas a apontar graciosamente a lua que hoje é nova
E penas sem remédio

De quem é aquele Castelo nos confins da tua voz?
De quem é o eco sem fim?
Que matronas vagueiam nas ameias que confirmam o trono de medusas?
De quem é o olhar verde que se desvia do abismo da matança dos inocentes?

Aquele que é filho da Terra e dos Mares
É o Vivente
O Estio do chapéu-de-chuva do Outono glacial
De largos gestos estreitados ao peito de mutilada estátua cinzenta
Fruto doirado a assistir insensível
À infinita mascarada das horas profundas
Depositadas em astros incandescentes
Nascidos dos ulmeiros da infância
Cingida por palavras anos-luz
Anunciadas por um sino velho e rouco
Engasgado pelo catarro húmido e irritante do relógio da torre

Enquanto isso
A alma sangra numa folha azul
E exaure-se

Sem comentários: