Este diário complementa o nosso site pessoal

( VER ETIQUETAS NO FIM DA PÁGINA )

USE O PESQUISADOR DO BLOGUE -

-

OS TRATAMENTOS SUGERIDOS NÃO DISPENSAM A INTERVENÇÃO DE TERAPEUTA OU MÉDICO ASSISTENTE.

ARTE

Pesquisar neste blogue

domingo, 18 de dezembro de 2011

MAR DE DOR




O Mar da Dor não tem vento o vento do mar azul a dobrar cabos e alcantis verdes

Nas noites intermináveis das escadas em derribamento
Dos pântanos que escorrem para as valetas das marés
Fazíamos um barco de papel com velas de era-uma-vez

Havia carros de bombeiros com os rostos encobertos por momentos de silêncio
Havia bocas a rolar na água encostada aos mortos
Cegos pela memória

Meia-noite
O relógio toca no mármore nu
Limpo
Na poeira iluminada por fios de luz da cidade prisioneira das badaladas comprimidas

E o resto da existência
A medo
De joelhos
Em penitência
Atormentada por flechas de luz insuportável
Dói
Na insónia do teu ombro ausente


http://www.homeoesp.org/livros_online.html

Sem comentários: