Este diário complementa o nosso site pessoal

( VER ETIQUETAS NO FIM DA PÁGINA )

USE O PESQUISADOR DO BLOGUE -

-

OS TRATAMENTOS SUGERIDOS NÃO DISPENSAM A INTERVENÇÃO DE TERAPEUTA OU MÉDICO ASSISTENTE.

ARTE

Pesquisar neste blogue

sexta-feira, 27 de abril de 2018

DESCONSTRUÇÃO VI



Download dos textos de ANTIPOESIA ou a insustentável arte da falsa erudição em –



***



para
       andré 
                breton

para
      tantos
               outros 
                       que estão naturalmente privados de ler
     cegueira definitiva da impermanência virtual
até para ti eugénio que dizes ter sacrificado a vida à poesia      velho tonto
mais uns anos ninguém te lê como nunca te leram os que amaste em vida conturbada 
            ninguém é profeta na sua terra
            ninguém é poeta na sua aldeia

eu sacrifico a poesia à minha vida      quero lá saber se tenho leitores      divirto-me quanto baste      

as chamas que masturbam
                                      a colina
                                      das locuções
                                      desprezadas
                                      pelos mestres

a rima paradoxal
                      do sexo sem erecção

trabalhadores da construção
                                       em implosão

  ilusão de um povo 
                     macerado em vinha-d’alhos

quadros de gosto dissoluto 
                         em quarto de pensão

            poesia da ramboia  

                           praça do chile
                             intendente
                 bairro alto de meretrizes e gays 
- gays são importantes e ricos porque os pobres esses são paneleiros      diz o povo – 
    
um broche no técnico
          a marreca de algés
                              jubilou-se
         o melhor bico de lisboa

              um pilrete num jaguar amarelo
            a retrete pública dos desordenados
           epiceno desnatural das borras rectais

                            olivais
                                     jardim do império
                                     onde navegaram
                                     tantos anormais

                 rabetas de profissão à tocaia –
           intimidadas as fêmeas sem fregueses
                      a mudar de lugar

          - rabetas e rameiras não casam bem –

          putanheiros não querem ser confundidos
                          com paneleiros

- mesmo que à noite todos os gatos sejam pardos - 

                       conde redondo
                   disfarçado no trajar
           ultraje ao elefante branco ali ao lado

                         putas à rua
            - perdão      senhoras putas - 
               acompanhantes aos bares
               casadas aos apartamentos
               travestis aos arruamentos  

o sol que se põe nas tairocas desprezadas no brejo

a noite que cai na cabeça quadrangular da menopausa concêntrica 

os amores clássicos      o acto procriador aéreo
       o adultério na adega de tonéis aquosos
                 o furto do andar térreo 
       três vinténs de puberdade esfaimada

          putas                sempre as houve
                 há-as sérias
                       e as que o não são

as sérias
            sabem que são putas 
                                        assumem a sua putice
                                 inata
                   descarada
de mulher perdida

           ou são putas e não sabem
                 fêmeas salutares
           porque não têm consciência 
       de que foder por dinheiro é pecado
                        e então
              são putas inimputáveis

e há outras
               mais putas 
que as putas
                 escondendo-o 
                                    mal escondido
                            por baixo do vestido

                seja de todas a mais bela
                         ou a mais feia
               porque há sempre um testo
                       para cada panela

                    mostram-se distantes
                               sérias
                           constantes
                            recatadas
                   senhoras de mil lavores
                        que se vendem
                  por oportuno casamento
                     por bom trabalho
                        por favores
               pagos a um qualquer caralho

senhoras na rua 
putas na cama
                    em surdina

grita o ardina conhecedor de todas as esquinas e becos
       aqui há gato
        
        e como os homens
- dizia schopenhauer judicioso - 
   andam meia-vida nas putas
      e na outra meia 
       são cornudos
              daí
      tantas putas há
          nas ruas
          em casa
     nas empresas
nos motéis da auto-estrada

               e porque para cada putanheiro
                 tem de haver uma rameira
             anda o mundo sempre arranjado
                         meio por meio
                     de putas e cabrões
                a troco de alguns tostões

pura aritmética


                homenzinhos de jaquetão de vidro

                                 e

                   calça esticada de betão

                        piça ressequida

             abotoada aos fundilhos enredados 
    
                  cem poemas escritos

           na areia verde do sangue espessado

             cem poemas por um cavalo alado

        cem poemas por uma humanidade novel

                   debelada por versos azuis

                 detonação da cor sem forma

                     a gerar espiritualidade

           na arte senil e na literatura de cordel

venha ela 
      ou
      ela que se venha

era uma vez

- todas as histórias que se querem histórias começam assim – 

                  um senhor conde
                     de fraca valia
                      com searas
                        de aveia 
                        e cevada
                    com rendeiros
                 de fome apertada

à noite comia
   cercado de assombros
      pratos de carneiro
         bebia vinho de maçã
            com as criadas dormia
               fossando até de manhã

                           certo dia
                  no alpendre de bronze
                          estourou
                   banhado de sangue
                    e para o inferno
                       nada levou
                para além da merda
                que na agonia cagou

não escrituro para supérfluos cabouqueiros de numerárias nem para donas de casa por branquear

rameiras de funil  
   
                  o marceneiro sempre disse 
                que a mulher não é constante
                por muito séria que a tomem
               há sempre um homem qualquer
                trocado por qualquer homem     
        
qualquer ebanista é erudito nesta disciplina 

não havemos nós
de permutar mulher
por outra
             havendo ocasião 
quando
as que nos trocam
dissimulam genuidade
na omissão
                    da justeza vaginiforme  
   
seremos parvos     estaremos turvos ou laçados

viva la vie    
voilá      les femmes et son usage   

nada lavro que se não possa ler na missa de domingo onde os ternos coçados se passeiam irreverentes em bicos de pés

           cristãos-submarinos na aflição à tona
- um submarino vem sempre à superfície quando rebentam as águas -

beatas
         ratas de sacristia numa fona
padres
         inadequados para consumo

         bicos sacralizados por pastor beatificado

cristo de encomenda patente em delubro

                    o milagre do santo sexo
                 sacramento de crianças nuas
                  e acessíveis viúvas ao rubro

               as três tabuletas da trindade
                      nos seios da sineira
                alcova de abade incestuoso    


os poemas breton
        regalam-me
        absorvem-me o sono
        marcam a cadência 
        ajustam o som da melodia 
        ao contraponto burlesco
        da burguesia
        e das putas da freguesia

voilà     les femmes et sa chatte abusé

cão que late megera que lê     
les cornes du impuissant      governo do excremento

os meus estúpidos poemas afectam-me o adormecimento
são o meu prazer      ironia do destino      vossa espertina e nervosismo 

mas teu sono não     breton     estás seguro no teu jazigo
        meu poeta
        confidente
        meu amigo

nos passos da ofuscação arquitectam-se muros nos lilases que sonham
a terra vê-a deambular na artéria de uma só direcção no sem-sentido das horas vadias
num quarto andar um pincel movimenta-se
contraponto mágico de azul descorado        anémico

                      as luzes apagam a vida
                             eroticamente

                    resta-lhes a festa do sexo 
                        da lua de sexta-feira
                          a descer o chiado

                              24 de julho -
                                  o rio
                      a sorver o empedrado
                                 tóxico

como aqueles dois polícias com medo dos ladrões
- os polícias só servem para chatear garotos e multar condutores - 

              uma última pincelada
o quadro desfaz-se em partículas atómicas
                    destelhadas
                       ilógicas

paranoia
que a vida não vê
e é

como hegel que nasceu escreveu o que ninguém entendeu               nem ele
          deu-lhe o tranglomanglo e morreu
                   na mesma ignorância
                      com que nasceu

uma noite para amar
uma cruz nas costas cegas do calendário

as vacas sacodem as moscas enquanto fazem sexo no pasto encarniçado a amarelecer nos gestos brancos e malhados da penetração
sexo fazer só para vitelos poderem nascer      fora disso fornicar é tentação do diabo o que as vacas tão bem sabem        sem recurso ao planeamento familiar

corpos rasgados na noite

                nas capelas construídas em pontes
                           elefantes de marfim

                o amor veste-se de negro
                          persistente
                          sem idade
            no limite das nossas próprias mãos

o guarda-nocturno oculta-se no muro anão
               coca-mãozinhas
                                    e conta
                                  uma a uma
         as mulheres que entram
           na armação de vime
          da escravatura diurna

para além de tudo isto está a morte senhor visconde de alpercatas sabendo eu e o senhor o senhor e eu eu que sei ou que não sei se sei e mesmo que saiba nada há que me garanta que o saber não sabe se sabe da armada naufragada na barra de que tanto nos fala e das virtudes que à sua amada aponta como diz repetidamente que a esposa estimada é de tal modo pura que se pode beber água pelo seu vaso avisado discreto e astuto enquanto um turíbulo amestrado sem dono nem criado assa lento a carne viva da alvorada 
um carro cinzento atravessa sozinho a avenida alvoraçada
eu por dentro procuro cozer ao tronco uma camisa por passar notando agora
- o que muito ou pouco me preocupa –
estar a ficar abdominoso      inquietação de velho mulherengo      inclinação a pasto tenro presumivelmente negado
há velhas alisadas no passeio limado e uma marreca a precisar de limão 
- de carpintaria ou de serralharia não do limoeiro –
e o condutor do carro cinzento cospe no passeio o sabor amargo do vento sul vendo o veículo a transcorrer
                   de vagina a amanhecer
                          amadurecida
                        de mão em mão
   por onde se não pode beber senhor visconde
                   vossa contrariedade
                                 e
                    senhor visconde veja
                   como o carro cinzento 
                       continua a cuspir
                no passeio o sabor a vento 

os automóveis topo de gama seguem em fila como carneiros      à frente e nas traseiras que são nádegas eritematosas carros com pirilampos

              gente grande e importante

morreram numa manhã com cães vadios a oscilar suspensos nas suas pérfidas emoções    
      como são sentimentais estes regentes
um secretário manda-nos emigrar um ministro para as áfricas ladroar um cardeal amargar e calar
um funeral passa cinicamente na praça
atrás o velho general palhaço agasalhado escolhe um atalho nunca dantes navegado
o prefeito urina-se numa esquina pingando-se do joelho até ao artelho
às armas valentes grita o diácono inexperiente que presbítero não há
            cada um que faça o que quiser
                  deus está aposentado

                    levanta-se o finado 
                  que há pouco morrera
                    rabinho a dar a dar
                e junta-se veloz ao outro
                bailador que ia a sepultar
            rabinho para baixo cabeça no ar

sete espadas afiadas 
                   que estão para vos matar
                   gente de pouco vigor

gritam ambos
                   enfurecidos
                   com as queixadas caídas
                   e as bocas a salivar

                           que este povo 
                             usa saias
                     a vitória é dos falecidos
                       e a morte dos vivos

ó ana vem ver      vem ver o vazio da vida do oceano
cuspo desliza lentamente nas mãos deformadas da cidade plantada à beira-rio em terra de sol desbotado
tudo murchou nas ruelas becos travessas e vielas onde há de tudo menos o que se quer ou se cata nas algibeiras octogenárias da virtude vaginal
ardem fibras no ginjal      a ginja é uma puta todos os dias      dizia arrebatado o louco da aldeia e eu garoto que o não compreendia repetia enquanto a comia      a ginja é uma puta
hoje sei que onde não há guarda e ordem a ginja é fruta proibida que todos comem porque quem de noite guarda o que tem deixa que lho comam de dia

nesta manhã ainda negra levanto-me com o sono das insónias milenares      o caminho para a estação iluminado por potentes faróis estremunhados e eu revoltado      a revolta natural de quem habita o coração tresloucado dum país coberto de estrume e espantalhos nos campos por semear de pão que nunca o irão ser
seara sem justiça sem tino sem norte sem ninguém que valha aos pobres aos desgraçados destas terras do demo
andaram pelos jardins infantis pelas creches a escolher magistrados de bibe políticos imberbes analfabetos da vida como um broche na lapela do casaco dum falso nobre pregado ao brasão por um colchete

e eu que tanto gostaria de saber escrever quadras como aquele doente que de tão enfastiado mata o tempo no hospital enquanto de branco aquela gente o vai matando
de ser poético 
                  belo figurão 
                              bem falante
                                            e palrador
dizer em lindo discurso
                        bom ano 
                            passai fome
                                     paciência
                                   bebei água
                             comei pão duro
                    que para nós cama quente
                            e espumante
de ter jeito aquele jeito especial de enriquecer à custa do povo demente com a tez a escurecer e a sorrir dizer-lhe que o trabalho dá saúde e faz a miséria crescer
          de mentir como quem fala verdade
          em falsa jura e pela verdade mentir
              e pela mentira asseverar que
            em mundo torto andam direitos
           os asnos irmãos desta irmandade
que tudo é assim que assim tudo está bem porque deus o quis e deus o quer e que quem não concordar no pecado que tem vive e há-de morrer
                                 mas
                         sem tal engenho
o que eu gostava mesmo de ser por várias razões se o quereis saber era ser o gato-pingado que à cova com gosto levaria todos os ladrões
   certificando-me que enterro feito caso encerrado

                 chega de justiça caseira

este café com frutaria nos fundos é um repolho gigantesco com monstros a grelar
estou fatigado
severamente exausto das opiniões gritadas por surdas que buscam nas hortaliças o regime linear da felicidade
as empregadas correm lustrosas mas horrendas de melancolia      expressões doentias de quem labuta a dormir nos olhos encovados
batatas tomates maçãs ovos limões maçãs e uma adiposa a meu lado 
dois cafés um pastel de nata e um chulo escurecido por muitos dias de sol que entra com o ar inchado de quem não tem profissão e por isso é importante como os governantes desta nação
para além de mamar à custa de quem o mama na cama
uma piolhosa do prédio ao lado barata-varejeira sem eira nem beira
a escolher alhos um cu gigantesco
- devia ter vergonha com um cu assim devia deixar metade em casa      pelo menos ao domingo que é dia santo -
cabelos molhados a escorrer linhaça e a traça a consumir os panos de carne velha e os suspensórios do pipo esculpido a espartilho que acaba de entrar e tão repentinamente como entra sai

um fuso horário na costela flutuante espreme a ameixa vazia
o senhorio à porta da igreja queixa-se dos fugitivos assombrados pelas voltas das palavras elegantes vestidas de capim
cá por mim
- dizia ele – 
se eu governasse acabava-lhes com o pio e com o corrupio

o mundo ia girando 
                           na floreira cerâmica
gruta submarina
                         a flutuar abissal

um pássaro verde-esmeralda estampado no bacio metálico da pensão

quartos em serviço permanente
enquanto uma moreia faz amor na casa dos vidros

anões e gigantes gratulam as moedas da representação lunar

a primeira dama chora lágrimas de crocodilo no ombro inflexível 
                         férreo 
         do marido disforme no treino dos espelhos

                  um enterramento
                   sem carpideiras

                por acompanhamento 
                          um cão 
      a ladrar aos pneus da carrinha funérea 

lembro-a agora
chamava-se idalina viera para a capital servir       vistosa sorriso brilhante olhos meigos de corça a fazer embicar apetites nos dias insípidos de vida descolorida misérrima a flutuar na profundidade do abismo
                       o mesmo de sempre
café com leite a escorrer nas canalizações adelgaçadas dos patrões o pão com doce e mel o almoço o lanche dos meninos joão o franzino maria a estouvada elizabete a ajuizada como a velha rainha a ceia o chá do adormecer
os babetes de cuspo os raspanetes da madame emproada em sub-rogação do garnisé e o balbuciar do patrão primeiro-caixeiro de roupa interior numa loja do chiado
os pratos compostos e sem compostura gordurosos por lavar a roupa das camas por engomar o pó por limpar
trabalho povoado de murmúrios obscenos e por meia dúzia de moedas        carago
conheceu-o ele um pintas azeiteiro todo catita à porta do baile de domingo no lumiar      olá menina       ela sorriu-lhe apaixonada de fome canina
                           tanto bastou
o corpo nos pratos sujos do desejo e das perversões
clientes a cheirar a cais odor de cabos de atracação com alcatrão a roçar os fios dos sovacos
                  a render e à disposição
                        do pagamento 
                      a dividir por dois

tristeza de pedra trespassa as faces dos vendedores de sonhos      neste reino impera a náusea do embuste gelatinoso      a cinza das palavras reparte-se pelo jardim do império onde estão os sepulcros dos que não souberam dizer não agora mesclados com a acidez dos cães domésticos presos na mesma trela de argumentos tecidos em grosseira filigrana de líquido seminal estéril        como ela 

só resta a impunidade das estátuas que se erguem arrogantes

ao lado um chinês      os chineses não morrem 
estranho que é      e bizarro o restaurante dos fundos
vazio de mesas postas com uma santinha oriental na vitrina 
             velha-comedora-de-homens

a sul sentado numa rosa-dos-ventos encarvoada um demente      as nuvens afastam-se criteriosas da latrina      as gentes dispersas cabisbaixas soletram as últimas sílabas da morte ferruginosa a arrostar a erva amarelada
                não há cão que nos valha  
ontem o comendador tomou uma bala antes do almoço
          os portugueses e a sua mania da poupança
morto o corpo inerte sorriso seco nos lábios arroxeados os membros rígidos      liberta-se a alma      não sabe quem foi      nem quem é ou o que será
sobe aos céus onde outras irmãs apaixonadas entediadas passam tempo a fazer paciências
pergunta-lhe quem são
                           por resposta um não
                     melancólico
        de quem não sabe o que dizer
faz uma paciência passa o tempo olha que a eternidade é um aborrecimento
dizem-lhe enfadadas
e as cartas                      pergunta
               não as trouxeste
                  foste parva
           aqui não há que chegue
            para tanto amofinação
                  e é proibida
            qualquer outra acção
                além do jogo
              do eterno terno

                      se te não aproveita
                          não te agrada
                   muda-te para o inferno
                          que te dão
                  um baralho completo

não me acredito ao que assisto 
só pode ser um daqueles sonhos a quem os cisnes negros chamam pesadelos  e nos quais estúpidos poetas bucólicos inventam castos pastores inocentes assexuados sem incidente masturbatório
                já dei para este peditório 
evidentemente contrariado como se cumprisse pena de degredo de parcos momentos de bonança
pela rua calcetada ao brilho das nuas ramificações da água de aluamento caminham pobres famintos abrindo e encerrando mecanicamente os tampos dos vidrões
reciclam os alimentos imundos da burguesia rocambolesca
cada vez mais há quem se venda por uns trapos fora de moda      vendem-se de dia nos esconsos anónimos no desvão dos bosquetes ou nos casinhotos amontoados para aleitarem os filhos depois de lavadas volta tudo ao normal com comida fresca e desodorizada à mesa

             porca miséria a da tosca mentira
da queda a pique da verticalidade no recanto mais recôndito dos jardins suspensos
                 e a eles 
vejo-os nos jantares em casa de minha mãe vejo-os e ouço-os por momentos na caixa mágica das ilusões e das trapaças 
tenho nojo uma náusea esverdeada abundante um arrepio mortal a trespassar covardemente os fios cristalinos da dignidade do coração e lembro bocage nesta hora tardia da cidade infecta e pestilenta que dorme nos passos quase sempre solitários do frio apetite em busca das luzes dos candeeiros indiferentes
                     vida filha da puta 

                    nas ruelas e becos
                   aumentam as putas
                        filhas da vida 

                        e eu pasmo

                    por nunca ter visto
                    tanto filho da puta 
                  na puta da minha vida

corpos na noite vadia em campânulas de frio movem-se nos fios de luz projectados pelos cunhais do letargo      no rio jazem os afogados do sexo      carros de marcas duvidosas encarcerados em modelos luxuosos sobem e descem as ruas das agonias esverdeadas      incessantemente
o rimel das pestanas corroídas pelas noites de temporal os olhos sem brilho como velhas moedas consumidas na gaveta suja do velho coleccionador de troféus eróticos em agenda bolorenta
saias curtas decotes insidiosos nos gestos quase obscenos da concorrência desleal do insistente chamamento      jovens      velhas      nem velhas acabadas nem jovens adolescentes imitando desastradas meninas
velhas fingindo mocidade nas zonas escuras à visão diminuída dos agonizantes
                                    amaurose do desejo
luz que tão ordenadamente distribuída abrevia a desigualdade
              a cada uma sua oportunidade
                      porque de noite
               todas as gatas são pardas

mentem mais mulheres viciosas      castas calam e as prendadas alam
todas se dizem virtuosas
                             queridas
                                    dóceis
                                       fiéis amadas
e nobres amantes de seu amor que fingem belo perfeito e eterno mas fixando com astúcia indolor em crédulas cabeças duro corno acrescentado no dia-a-dia com seu jeito especial de jurar quando o coito do meio-dia é de todos o mais apetecido amar e como quem mais jura mais mente existe sempre varão que as contente

                                   se prefiro a morte à vida
                   já o não sei

                                  se a carne ao espírito
                                  a sensação à razão
          também o não sei

                   mas uma coisa sei 
                    que sexo e amor 
                  é o que me convém

quem amor faz não pensa nem no que é mal nem no que é bem na dor na aflição e amando como apetece como agrada e dá prazer não sofre nem faz sofrer e por um momento místico e eterno ou num arroubamento prolongado nasce um novo santo sem outro desejo que o da carne desejado

                  sem passado presente
                        ou amanhã
                   em espírito extasiado

geada no vale     quatro horas da madrugada
batalha no campo ensanguentado de amarelo-escuro      pisado o verde seco e os membros dos amputados
                     o combate dos leões
                       cristãos ao circo
                       damas ao bufete
o mundo é uma farsa     a alma do nado-morto uma tábua rasa por baptizar
um dia o meu corpo será pasto de abutres e milhafres
       enterrado                           cremado     
                    - e se for cromado –
              sem que tenha sido crismado
- o sacramento da confirmação      ratificação do apedeutismo -
          ave dos oceanos em azul retalhado

que aproveita se me findo e o mundo acaba
o pouco me basta e o que é demais sobra e mata     
                aguardo o sono o cansaço 
              jazer no dorso da égua casta

homens maltratam a justiça que a deus pertence
maltrapilhos morais dizem-se justos esses ranhosos e dizem-se sérios os miseráveis poderosos
podres no sangue na carne nos ossos vergados de sujos corcundas
                      os putrefactos corruptos

olho para fora e vejo dentro

vidros que a noite mágica transforma em espelhos
assentos cortinados     um bloco de papel com mão que reconheço a escrever e há as luzes leitosas da viagem reflectidas na bagagem sofrivelmente dispersa pela carruagem 
pernas dependuradas nas sandálias unhas pintadas de negro      a viajante dormita     curtos calções exibem as formas
alguém disse que é do alterne      outro do sobe-e-desce      puta convenhamos
não sei e pouco me interessa     que poderei eu saber
talvez goste de foder     talvez goste do que nós tanto gostamos de fazer


ouve mário 
               cesariny
também de vasconcelos

que importância tem foder ou não foder desta daquela destoutra maneira
- os tempos são outros mário      não são como os teus -
fode quem pode não fode quem quer      fode com quem quer quem pode e não fode quem não pode      fode quem consente e quem não consente não fode ou só fode com quem quer e bom proveito lhe faça o encontro da net com quem não conhece e fode às escuras que é o mesmo que foder sem saber o que fode      fode quem paga se de graça ninguém o pito lhe abona      fode com toda a gente que paga quem recebe o pagamento e fode quer se importe ou não com foder ou não foder porque mais poder que o foder o tem o dinheiro mesmo que faça doer      fode a dois quem gosta e quem mais gosta e pode com mais fode e em grupo já muitos há que fodem e são fodidos e quando se perdem excitados e incautos sentem alheios dedos no cu metidos e as mulheres aos gemidos com desconhecidos      e à pressa fode quem tem ejaculação precoce ou não aprendeu a amar ou cedo tem de ir trabalhar para a outra banda ou para trajouce para que em tão curta vida sejam escassos os desperdícios
porque no fundo bem lá no fundo
- que à superfície não tem graça e é coisa de criança -
neste mundo mário anda de um modo ou de outro mais de língua e dedo tudo a foder por prazer por dever por dinheiro e poder ou por não ter mais que fazer      mundo-meio de meio-mundo fode o outro meio que se deixa foder e diz que fode por amor ou por muito amar quando se excita com uma qualquer greta ou pichota e porque mundo-meio de meio-mundo não fode por o não deixarem foder e para uma rapidinha dinheiro não ter acaba por foder sozinho triste do pobre tadinho que com suas mãos se consola e neste corropio do fode-fode e do mal-foder não tem lugar e a muito esforço se alivia
agora é assim mário      é tudo falso com um sentido-sem-sentido      é tudo vário
e se de onde estás já vejo o teu riso de escárnio deixa-me sorrir contigo nesse pódio celestial que este mundo está fodido e eu já estou cansado de tanto cabrão puta bicha azeiteiro casas de filhos-família e de passe-bestial com fungível e mesquinha relva para os passos governamentais dos impotentes e uma estúpida planta umbelífera nos fundos a contar moedas-cópula
                 fodendo o teu país por inteiro 
- esse país que tão pouco apreciavas e que hoje te repugnaria -
até um dia destes mário que me vejo já de passagem na mão sentado no embarcadouro vazio-ócio
            e como tu dirias se por cá andasses
             sem nenhum jeito para o negócio


a observação pode parar mas o raciocínio também amigo pessoa que jazes inútil em pó pelos jerónimos      a tua observação clarificou-nos como o riacho que corre sereno e alegre no vale verde e doirado da existência o teu raciocínio limitado como convém a um génio está corroído pela traça do tempo enterrado nos gogos e areão do fundo com que muitas vezes se amassa e adorna o cimento destinado à construção das casas que disformes adormecem a beleza das aldeias
agradeço-te o sempre-novo e rejeito liminarmente os ossos do passado 
                  com a devida vénia
                        obviamente

         por ora como tu entrego-me ao vinho
     - ao ópio não que me faz mal aos testículos -   

manhosa era o nome da burra que para toda a parte com seu dono ia e dizia-se que com ele bebia
morreu o dono com disenteria ficando a besta entregue à viúva do falecido abstémia convicta de beatice assumida
certo dia velha e cansada deixou-se morrer deitada e sóbria à porta do cemitério onde o dono jazia

naquela casa tudo o que entrava e saía era ou compadre ou comadre dito com voz melada a modos que arrastada      ó compadre      diga comadre      ó comadre      tenha a bondade compadre
                      tanto compadrio
              tanta melodia sem harmonia

                          que enfado

enquanto a burra morria

olho para as gentes dos casais em ajuntamento de festa ruidosa copos cheios copos vazios de mil enganos a mesma parvoeira de todos os anos enxutos      não há espelho em que se enxerguem na máscara estridente da chacota      vão e voltam no tormento e na alegria dos ais da romaria onde a consternação é trocada por vinho avinagrado 
nos pratos pintados fragmentos de frango assado nos copos com sarro restos de vinho     descuidados
dançam ridentes os aleijados
                             mancos
                             marrecos
                             desconjuntados
já são pó      terra negra      lodo      excremento      terracota
o funesto rosto da mentira envenenada como carta de amor por saltimbancos declamada
por deus tantos aldrabões enrodilhadores vigaristas-cata-vento ali estão suados como negros escravos ao sol
sinto inveja sim uma inveja ressequida e corrosiva do ali-bábá que só com quarenta ladrões lidou e não com milhões

vergonha azul-ultramarino      país de marinheiros com sal nas golas e nas solas
anda tudo a roubar      a navegar a fome do dinheiro
vergonha verde-esmeralda não haver já gente do mar

ah      mas aquele
moço era da aldeia o mais escorreito      montava com brio garboso cavalo ruço em trote grácil e perfeito
                      paixão de virgens
                      viúvas e casadas

ruas ruelas becos e vielas percorria à caça do fruto proibido mais desejado e aí se dizia que pela calada da noite quando tudo dormia
                 ser pai de toda a bastardia
o poço negro cavado pelos escravos de nobres senhores preferido entre todos por cachos de suicidas amorosos nutre a figueira de frutos luzidios na última erecção dos enforcados
à sua cautela pobres donzelas e escudeiros de membros frágeis exalando o espírito de sólido reino em corações pela força trocados
extasiada a deusa pelo jovem que a busca atento caçador na profunda brenha que de amor morre de amor mata
fitzgerald escreveu
malditos sejam os que dizem mal das mulheres que não matam não traem não odeiam são fiéis escravas de seus amores e mães de todos os homens      malditos sejam
esqueceu o conde a mulher que no coração dois chifres lhe meteu
quer se queira quer não a cidade é um amontoado de escaras danadas sujas cobertas por retalhos de pano novo      chegam para o trabalho apressados alfenins no pus a manchar a roupa interior do arraiar da aurora      os pensamentos resvalam nas estilhas de pele dengosa dos escaparates por onde passam indiferentes as últimas aves da noite saídas de infernais caves onde mãos se cruzam trocam e tacteiam as formas arredondadas da deleitação
oh consolação oral de deuses clementes refrigerados por lábios aquáticos a deslizar no gáudio de sexos despertos para a irradiação do prazer 
a calçada portuguesa canibalesca não faz perguntas de tão acostumada à miserável exposição dos corpos mutilados de sonos sangrentos e os jornais com letras soltas vão saltando indiferentes para os braços pendentes dos mortos-vivos
os pombos depois de terminada a oração descem às ruas junto das pastelarias da moda onde sobejam migalhas de pão nas bocas escancaradas e há os indigentes de papelão a mendigar um raio de sol enquanto os políticos displicentes dormem com os seus amantes em carros de prata do perjúrio e da extorsão são bento demoníaco a tudo o que é perverso e há pernas irregulares das mulheres a suportar largos ombros estirados em ginásios poluídos sem o sorriso de quem despertou consolado e se sente apetecido por toda uma noite e não por alguns segundos
                vou deitar-me no sossego
                  as prostitutas também
            não suporto a cidade acordada
             a esfregar os olhos de remela
mais-quero as cróias os perfumes baratos os catres pataqueiros das azinhagas e estar  oculto nos braços de uma mulher
                              qualquer  

com elas eles
à mesa sentados empanturravam-se de pastas viscosas
da boca escorriam-lhes fios violáceos aparados com o polegar de gordura algum do vinho novo derramado em pequenas ilhas espalhadas pela toalha a cobrir acanhada o tampo vestido de castanho velho as camisas besuntadas os chifres amarelecidos na parede por caiar a oiro adornada a espiar todos os movimentos
folgavam sem queixumes folgavam com a dor alheia de cornos postos nas iguarias
             eles os répteis da governação
     os que apenas sabem somar e subtrair
               os cobradores de impostos

por hoje limito-me a pouco      respondendo ao poema
                           ver
                          ouvir 
                       e cheirar
               deve usar e abusar
                 saborear e tocar
                não vale a pena tentar
                      e tendo v ex ª
                     o sexto sentido
                   bem desenvolvido
                       a percepção
               verá que tenho razão

pode ser que seja ou não      quem o dirá

                 quem vê ouve e cheira
                 no acto de amor fazer
           muito pouco ou nada aproveita
            porque feiura guinchos e fedor
               são causa de triste maleita

                        se saboreia
                e paladar refinado tem
                  cuide-se tal criatura
                  que de vagina usada
              lhe sai esperma de alguém

              ao cego mulher feia convém
               ao surdo mulher palradeira
                 ao que olfacto não tem
                uma porca-suja à lareira
          e ao que não saboreia uma loureira

                     melhor é o tacto
                         que não vê
                              ouve
                             cheira 
                        ou saboreia

                    e ao membro rijo
                       não amolece
           nem deixa varão descorçoado
                 por falta de erecção

               assim dele tomo partido
                    diz-mo a razão
               afirma-o a percepção
                 e o sexto sentido

o ar da cidade tiraniza-me o peito
na esplanada deserta o calor sufoca a melancolia das cadeiras com nomes fictícios e ilusórios de falsos cartórios e registos 
mortos-vivos      há uma névoa fervente em cada passante      o dono do café sorri enquanto conta as moedas seu sentido de vida derradeiro 
nem uma mulher bonita só canhões e mastronças asnos e anões velhas aos saltos alguns carros    
             muitos
                      muitas geringonças
                          uma bicicleta
                      pimbas na televisão
                    uma criança pela mão
               a besta do avô e o burro do neto
                       e eu para aqui
                  tão longe e tão perto

não gosto de labregos pategos asnos      irritam-me os sendeiros nos cafés na venda da aldeia berrando como bodes ao compasso das cartas de jogar e dos copos cheios e por encher de vinho reles
abomino políticos e o hemiciclo bolorento      homens de são bento advogados magistrados imberbes      tudo o que sejam ladrões encartados e por diplomar      o ás de copas o trunfo de paus o duque de espadas os médicos essa corja de cangalheiros os padres a corrupção e a mentira os concílios o vaticano
gosto de mulheres dos vícios e do delito que não é pecado da serra do mar dos que vivem e sofrem neste mundo tão mal arquitectado

dança do espírito      gostar ou não gostar

não posso suspender as minhas preferências como quem abandona a casa paterna o porto seguro da inquietude a protecção do medo e do conflito
aniquilar os mitos e os condicionamentos despedaçar o inconsciente
esta a doença da alma de que nem sequer conheço a existência      terei de a buscar incessantemente como um anel de noivado em gigantesco fardo de palha

            negar a vida para percorrer a via
         repudiar os hábitos limosos de séculos
              renunciar ao convívio e à visão
                   das mil e uma coisas

        não é certamente
        este o húmus que faz frutificar
        os pomares da iluminação

entender as dez mil coisas na sua essência      aprofundar o seu sentido       
as águas dos oceanos escondem riquezas incontáveis seres nunca antes vistos sereias e monstros marinhos
as montanhas vivem ao sonido das estrelas das constelações entrançadas na estrada de são tiago dos cantares claros das cascatas
              montanhas onde nasce
                 a seiva dos mares

a hora é tardia     volumes grotescos humilham-se pelas vielas enlambuzadas de néon      trazem nas mãos os sexos definhados em desalinho      o que não se faz em casa nos lençóis de linho faz-se fora de portas      retortas testiculares nos ânus      sim senhor ministro
opus gay sinistro no parque de longas cabeleiras avermelhadas      putéfias desdentadas
políticos      diplomatas      médicos      advogados e outros celerados
             no eduardo sétimo de mil rabetas
  
                as bichonas bebem lambretas

rua da prata das adúlteras
  lapidadas

as putas mudaram-se
                          mas continuam peladas
onde há bichas
                          não acodem marafonas

     tocam sanfonas no beco dos aguadeiros
         pífaros na azinhaga dos azeiteiros

             o fadista toca uma pífanada
           a rosa maria faz uma mamada

         a vizinha do terceiro fode o carteiro
                 o padeiro é paneleiro

ponho as minhas mãos no lume extinto
pelos passageiros ensonados do ónibus

               poucos são os neófitos
                 muitos os pedófilos

o padre da freguesia de santo antão dos cus
procura desnorteado o menino jesus

a tola da beata 
             arrecada as esmolas da caixa
em lisboa 
             não se pode parar na baixa

          na província as mulheres têm buço
              muitos são os pelos da rata

                   que deus nos valha

             irmãos     ficai-vos por casa
assim como assim     toquemos uma gaitada

madrugada       hoje já não hás-de vir
que lucro posso retirar das amantes perdidas
prefiro-te a ti      dizem-me para escrever as minhas memórias      que falta de tino      seriam um péssimo exemplo
processado pelos pais das crianças excomungado pelo bispado perseguido para ser queimado     crucificado e penetrado por lanças condenado ao degredo ou vendido como escravo

escravo
            do sexo     ou para mandar 
    porque pouco mais sei fazer –
       amante ou amo

sou a taça onde foram vertidas todas as virtudes e defeitos      um ser experimental moldado por um deus embriagado      sou a sensibilidade à flor da pele      a promiscuidade desarrazoada do prazer      o aprazimento do clímax mítico      o tríptico das noites amorosas      a insatisfação revoltosa das vidas vegetais      a essência da irreverência
             o místico das solidões oceânicas     

sou de além-civilização      de além-túmulo e sem comissões 
independente e livre como rimbaud
mas muito pior poeta é certo      não se pode ter tudo
modéstia 

água benta e presunção cada um toma a que quer

perguntas-me pelo molde      primeiro dia
consumado o erro foi destruído e as cinzas espalhadas num ermo celeste      segundo dia      deus ajoelhou junto da arca dos ossos e dos tecidos moles e pediu perdão por desastroso erro cometido na criação      terceiro dia      excogitou o baú das almas que amamentou no berço dos tempos      quarto dia      mesmo vendo que não havia cópia fez uma depressão      quinto dia      chorou e lamentou a criatura viciada horas a fio      sexto dia      repousou 
e aqui estou      perdido      sem confrade que parecido seja      eu o eterno incompreendido
            que comovente

são quase cinco da manhã      que deus me perdoe o inconveniente
incómodo de fim de semana à francesa      silêncio guitarra      vai falar-se o fado
cais do sodré      alfama      bairro alto      mouraria
                    fadário de uma vida
                  a abarrotar de porcaria
        que putaria

senhor abade de jazente seja como a gente deixe de ser indecente 
solteiros divorciados ou casados 
todos ao monte
não há engatatriz nem michela
                                    que os desaponte
           a noite é de putas e putanheiros
          o dia das mulheres dos cornudos
                      trabalhadeiros

em hóteis de rústicos lagareiros e seus afins laboradeiros
laborai      laborai      laborai
engenheiros advogados magistrados políticos soldados empresários
                              e outros atraiçoados
                   labutai quanto chegue
                    que de dia comemos
            nós os demónios de mil pecados

             o que à noite cevais de carnes
             de desejos mal compensados

a claridade da aurora servida numa taça de noite dormida em perfume de loucura      na abóbada os astros já não se movem e o rio urinado pelos embriagados desagua no oceano o lixo humano que cambaleante e aceso de pó vagueara pelas ruas da cidade em busca de uma cama acompanhada      os vagabundos da noite tropeçam nos seus próprios passos nas fêmeas com o cio nascido do tédio e da habituação são jovens alguns mais velhos mas ainda com tesura
todos unidos no marasmo do sexo experimental

mas eu inocente
um dia vi-te nua      tu a doçura dos meus olhos até aí indiferentes às formas      eu petiz tu adolescente
pela primeira vez senti o que é normal em gente      cresceu-me nos calções azuis de domingo e cresceu tanto que assustou os próprios botões
         eu queria      o bolso estava molhado
            mas como seria        como fazer
                      sabia sem saber
voltei a casa e percebi qual era o pecado perante nosso senhor de que tanto nos falava o prelado
            ora porra se tivesse estado calado

mais tarde aprendi que
quem não herdou ou roubou se de justo trabalho viver ou da esmola de alguém nunca há-de enriquecer
mas se for jovem mulher de perfeitas linhas desenhada e com velhos se deitar
       logo se verá      logo se verá

o manequim da montra da rua dos fanqueiros está quedo em soberbo fato
cá fora em tom ligeiro tamborilando a cabeça descoberta dos passantes excedentes do emprego sem trabalho um breve aguaceiro
uma lontra loira escorrega súbito no passeio enquanto um careca protege a cabeça com um jornal enrolado
à porta da loja um vendedor baixo gorducho bem vestido engravatado alheio à vida mas não aos dinheiros chama-nos      entre senhor      preços de crise
                   aqui há sempre saldos

chiam velhas no chiado como rodados de carros tresloucados
dores no pé no joelho no artelho um sapato bem apertado
quelhas da vida      uma guitarra mal tocada e um coração tangido
correm caixeiros      as meninas do grandela já não usam cueiros mas fraldas a granel
uma mulher canta      um barbudo e uma panela
coscuvilheira à janela      queimado o tacho da janta
da tagarela
passa um chulo uma mulher envergonhada um velhinho a arder de inveja dá um pulinho
a catraia      ora veja      toda aperaltada
                                       barriga cheia
a noite começa a nascer 
fecham-se portas      são horas de comer
                 fruta redonda
                 amar a correr
                 que mais logo
                 é madrugada

sempre a mesma vida desgraçada

água da fonte tão pura e cristalina
nela bebem patrões e senhores desalmados
os cavadores cansados       pobres e ricos      cães de raça com donos      rafeiros abandonados
                nessa fonte santa
               todos nós bebemos

ouve-me maria
- todas as mulheres são marias e todos os homens josés -
não vás não te percas não desafies o destino não deixes de ser quem és
a estrada silente padece de perigo se o amor está ausente e o amante ferido
não te vás maria que fico a padecer e tu te deitas a perder
não te vás      fica      sê como toda a gente diz que o é sem o ser
                       honrada
                        virgem
                 a deus temente
não te vás que eu morro de medo ao pensar em te perder

que manhã tão monótona
um ferrari amarelo desliza onde pequenos meninos caçoam aos pobres e aos ricos gigantes e anões príncipes e princesas médicos e doentes
marmelos ao faro      um banco gigantesco de jardim é a marquesa dos instantes dos diagnósticos púbicos com o relógio do peito a contar palpitações aos apressados e aos que chegam sempre tarde

                  mão que cobre mão
     mãos que se escondem nos bolsos rotos
                 a delirar nas bocas
                        de rubis

deus com as suas barbas     
anjos imberbes rolam dados nas nuvens escuras cerradas à comum visão dos mortais
viciadas criaturas de asas brancas

justiça divina                             misericórdia    

o passeio marítimo derriba o petiz ondulante nas águas
madalena e seus três filhos           fome 
a mulher morta no ataúde lado a lado com os carris luzidios
mãe em pranto            o pai dependurado numa azinheira milenar
                assassino e drogado
      deus afaga pacientemente a barba
                    o pensador

o coro das velhas assinala o aniversário do aleijadinho      cotos que coçam úlceras      rabugenta a mestra centenária
uma alimária decreta para analfabetos inocentes
meu deus      confio na tua misericórdia para com os imprudentes
um meteoro canibalesco no paraíso      escapam gemidos das gargantas dos carbonizados
no chão ossos calcinados      é inverno no inferno
         aquecem-se as almas dos condenados
transbordo      a azáfama das almas amarelecidas pela nicotina volteiam
                         não há lugares sentados
um bispo treme ao riso de um endemoninhado 
pobre homem em vida      cem vezes exorcizado à paulada e nada
um punhado oblíquo de rameiras zomba das barrigas gloriosas de uns velhos babados
                     as crianças do demo
          escoam-se pelas frinchas acaloradas
                      põem-se ao fresco 
lúcifer enfastiado com o rabo encrespado joga com pedro o santo aos dados de cristo o manto enquanto deus revoltado arma santo agostinho soldado põe-lhe os cravos      diz-lhe
arranca-lhe os chifres e o rabo
contrafeito      a medo      sussurra o santo conhecendo o risco
                 sem diabo não há cristo
noite fresca de verão
o corpo mortal no tempo 
                         que escasseia
amanhã haverá missa      os sinos irão tocar como menino que desperta em sobressalto
católicos e alcoólicos abraçar-se-ão numa fraternidade falsa
o padre recitará as mesmas fórmulas
beatas negrais a levantar a fronte ao céu carregado de nuvens
        e à saída todos dirão mal uns dos outros
o gesto das mãos lentas apressa-se na cerimónia
o padre cai de bruços      murmura uma oração em latim      ergue os braços no corpo tenso do desejo sublimado
o povo não recupera as sílabas e tem a expressão facial de um mostrengo que amanhece e que a estupidez tece
no órgão música sem harmonia      dissonante
um sacrário em oração      um crucificado indiferente àquela asnática gente e aquele moço pobre coitado tão novo e tão doente

                     dominus vobiscum
                     et cum spiritu tuo

sois tão fracos      a morte espreita-vos pelos colarinhos aconchegados às virilhas mortas
pensais que a vida é um carro ornado a pedrarias no cortejo dos salgueiros descalços
meditais no conteúdo das vossas bolsas da de  vossos vizinhos do lado e nas vossas mulheres-bicicleta      deixai-me também aprender a andar em três rodas donde não retirais nem dais prazer
lambei os ecrãs de vossos televisores      chupa misto de três sabores      reis da bastardia      maçónicos de alvenaria areada
                  amanhã é dia de adultério
                 nas vossas camas bordadas
               enquanto brincais aos gestores

foram-nos dados

governados por catraios

o povo tem o que merece

estão dispersos nas nuvens que sombreiam o rio de cristal
passa um carro amarelo com calças de cabedal     cor preta
cardado pela baeta
          ah donzela de portugal
cruel é tua linguagem neste vale de ossos
        fraguedo das lamentações
há para tudo um tempo
mas nunca conseguirás resgatar a morte dos que abandonaste no cais da adversidade
        nem o dialecto da falsidade

o caminho para a estrumeira enche-se de cardos e espinhos bravos
aos eunucos estremecem-lhe as entranhas
os altares de folha de oiro devastados
insolentes ficam     os santos são escorraçados

tempo de calar

a invenção do lucro corrompido      libertinagem insensata da natura do compasso a chagar a penha sanguinolenta

                cão que ladra não aferra

                  tempo que é de guerra 

na sala decorada a dragões o corpo nu à luz das velas
ao longe as montanhas para onde voam as andorinhas na primavera
o sino do templo toca
o rio corre lentamente      espelho que reflecte a velhice
deuses repousam nas almofadas que bordaste nas noites de insónia
leio um dos teus poemas
triste é o amor que dele exala      a visitação da morte nas folhas da acácia e a chuva que faz brilhar as pérolas da vida que se extingue animam-no
                   o encontro é receoso
                            beijo-te

a porta da frente não se acredita em deus
é domingo e a torre geme a sua glória às mãos virtuosas do chucho
som de sinos por capar
sentido da vida      conhecê-lo glorificá-lo porque nos criou
            para nós ou para ele pergunto-me
o padre está à missa      os homens entram pela porta dianteira      as mulheres pela traseira      é um fedelho arrogante desconchavado e ignorante        imagem real da igreja decadente
num dos bancos da frente as mulheres cantam esganiçadas ao gesto descompassado do garoto de preto      velhas viúvas pedem perdão as solteiras casamento e as casadas o que calhar
             beatice        ratas de sacristia
                 camisas brancas à noite
                  sujas ao nascer do dia
sonho
justiça para sempre      paz eterna      beatitude sem fim
já só busco a minha alma          não assim
acordo ao grito do zé panelo      quero pito carago           na casa ao lado a graça não lho dá      cosa-se o homem      afinal hoje é dia santo
                   paz à minha alma        
          tende dó      deixai-me dormir
              porque hoje é domingo

cores que tiritam na vegetação
seios paramentados 
                  uma exigência de falso pastor
há um mar de chuva ácida no centro do céu das promessas

        escrevo um conjunto de orações brandas
        salmos de outras bandas que não as tuas

senhoras em casa putas na rua
ou putas em casa e senhoras na rua
nem todas possuem este carisma      em tempo de trevas célere o apreendem
               apressadamente o praticam
escravatura de sexo fácil      impaciência de fêmea desamparada
o relógio bate e tu já não és contável no meu futuro entre o nascer e o morrer foste um acidente
corpo negro      fraude de meu olhar sereno     
              omissão
a prova firmada de que nem só as gatas selvagens habitam desconchavados e promíscuos telhados de vidro esquartejados e de que o sémen derramado nem sempre é condignamente aproveitado
a aparência de harmonia angelical em vagina pútrida a cegar tanta gente estúpida
              a mim não     sempre soube
               que santa só a madrugada

nas avenidas deste sacrílego país soterrado de mentiras e ardis ergueu-se pregoeiro de voz sonora velha raposa amestrada entre oiro e areia
levantou os olhos às profundezas ergueu-se do covil do lobo branco jurando pelo demo embriagado de podre sarro a candura das almas a leiloar
políticos magistrados poderosos letrados todos interrogados pelos compradores de escravos

        outrora estimados hoje odiados nem uma 
          moeda pagou seu resgate nem satanás 
               os quis em suas terras ardentes

a barca é um cabo que o mar arrasta
a alma é um feitiço pesado que o barqueiro alastra
um santo homem morre de fome enquanto deus toca trombone
a verdade secreta está no umbigo no vento e vácuo sem paciência
nas masmorras já não há fogo      o orgasmo é aparência
o sol brilha no fundo do poço      raiva e ódio no mesmo moço
aceita-te asno tal qual és      erra em todas as direcções
faz circular o sopro dos dez      chama os mortos nos pontões
                     assim morres hirto
                    assim és assassinado
                  degolado como um pito


era a história simples de uma princesa-abóbora real e duradoura como a constelação de órion na noite escura de nuvens ociosas levantava os braços-punhais ao céu chorando solenemente dias como todas as princesas que o são de nascimento e não de compra elegante vestia cetins debruados a chita para agradar ao povo doente dos olhos mais doente da mente o pai ministro primeiro mentia naturalmente com a naturalidade das ondas que se desfazem em lixo no areal a mãe era meretriz aposentada sem eira nem beira que ainda esboçava por aqui e por ali um jeito da sua extinta graça
deste modo cresceu
o pai mais mentiroso a mãe mais puta do que nunca
um dia em que os trovões se divertiam a fazer estalar os vidros do céu surgiu do reino do-não-sei-quê um príncipe encantado de desencantos tantos que mais vale calar e de quem se enamorou anunciada a boda casou
com o casamento 
ficou a família destroçada
                                  pai mentiroso
                                  mãe puta
                                  noivo parlapatão
filha para sempre desgraçada

não há quem não tenha experimentado as dores do amor
amor das palavras de pálpebras cerradas nas olheiras arroxeadas
amor que morre de fome e sede às portas do templo rasgado por juramento de condenados e mulheres de véu púrpura ajoelhadas na velha religião das dactilógrafas extintas

há pássaros em gaiolas pintadas a oiro marroquino
há uma infinitude de d juans com odor a homem 
                     carícias de outono
                       ardis de verão
há cortejos de prostitutas
há uma branca de neve em cada mulher da vida
há cortesãs nas mulheres-família
                          e ainda
há a mentira de tudo isto e o sorriso acre misterioso do cego e do seu macaco
enquanto outros
desciam a rua pálidos esquálidos com o sangue coalhado nas palmas das mãos
com eles um cão no passeio matinal levantava a pata ameaçando o inevitável nas esquinas obsoletas do esforço
caminhavam com gravatas vermelhas da moda subindo escadas de claustrofobia
elevadores      montes-de-gente
sem rosto       transparentes
um dia mais igual à sonora carruagem do quotidiano
mais um dia igual aos modos cinzentos do rapaz da pastelaria
computadores a acender-se ao raiar da aurora
números rodeados de sinais cabalísticos fixavam-se na economia plana dos monitores gastos por olhares depressivos
papel de luzes opacas amontoado em cadeiras mortalmente desocupadas

as mesmas palavras os mesmos rituais a mesma vigília descontente os mesmos carros a rolarem nas suas marcas a exibirem seus modelos

mulheres com calças de contrafacção comprimiam-se na celulite exposta aos olhos interiores dos quartos acesos
uma argamassa de pó betumara as rugas do desvario numa qualquer hora diurna dos motéis da auto-estrada apressando-se numa corrida surda e inflamando os sentidos erécteis do despertar
apercebi-me então da sua essência      vivos-mortos
caminhei a seu lado na nuvem ilusória da calçada em transportes destinados a um outro mundo com rodados flutuantes de sonhos materializados
execução orçamental de parlamento acocorado em vis destroços de restos humanos naufragados
agora já estou só
as conversas apagaram-se
o sol acende-se com lentidão no horizonte queimando o último azeite da miséria
iluminando prédios escurecidos de melancolia com raios branco-pardo
os mortos-vivos recolheram às suas celas para poderem viver momentos de crepúsculo e voltarem amanhã depois do sono a morrer nas mesmas calçadas de sempre

o economicista das mangas pretas espécie de orçamentólogo comentava o forro laxativo da despesa pública ectodérmica
à sua direita um eclesiástico sem cura aparente ectoparasita entrava em eflorescência no eirado
o sacristão embatucado atónito recolhia as esmolas do dia enquanto o canal televisivo verdadeira caixa de emoções e desventuras em hoste rocambolesca lia continuamente as sondagens no perde-ganha do percevejo-do-monte
em sintonia seringada de sermão vicioso e prosaísmo demagógico o populacho pró-germânico rendeu-se à supra-sensível panaceia redutora de quem apenas quer dormir
                                   sossegado

sentara-se na cadeira rubra cinicamente

                   o desespero mentia 
                  em verde tonalidade

o povo ouvia protegido por vasta grade de ferros o colorido da dor

ali continuou impassível como escombro enfadonho e destruidor intangível repressivo

ele

                 era a essência do controlo
            a arrastar-se nas luzes da fama
                  coroado pelo prestígio 
            dos projectores ensanguentados

ele

                       belo e pungente
                    com as longas patas 
                 expostas às profundezas
                         da sublimação

era o arbítrio
migratório dos grandes pássaros brancos
imagem insaciável da falsa eternidade

ele

                         era a miragem
                          da ignorância
                  do corrimão sujo e negro
                           da fuligem
                        do parlamento



***


Sem comentários: