Este diário complementa o nosso site pessoal

( VER ETIQUETAS NO FIM DA PÁGINA )

USE O PESQUISADOR DO BLOGUE -

-

OS TRATAMENTOS SUGERIDOS NÃO DISPENSAM A INTERVENÇÃO DE TERAPEUTA OU MÉDICO ASSISTENTE.

ARTE

Pesquisar neste blogue

sexta-feira, 6 de abril de 2018

PEQUENOS POEMAS III



Download dos textos de ANTIPOESIA ou a insustentável arte da falsa erudição em



***



esta manhã
fizemos amor
num só corpo



***



na babilónia
chorámos sentados
o navio afundado



***



uma luz ténue
na casa branca da colina –

estarão a fazer amor



***



ia e vinha buscando a essência da morte
sem nunca perceber que era a vida
também a essência da morte



***



o eco do sino
chama para o terço –

rezo e adormeço



***



o meu velho cão
sempre me ensinou
o caminho da unidade



***



pardal e rouxinol
no mesmo galho florido –

paz e harmonia



***



nada encontro 
de perfeito – 

nem as lágrimas do arrependimento



***



vinte anos
argos penou
vinte anos
derramou sofrimento

ulisses o feroz
chorou
de emeu escondendo as lágrimas

assim o fiz também eu



***



o outono já veio –

nos ramos nus
tremem as aves



***



naquela mulher em chaga
a doença era já morte

mesmo assim
com graça sorria

como se o dia fim não tivesse
e a dor esquecida fosse



***



a cama desfeita
sem teu corpo
branco de neve
gelou



***



a abelha voa em círculos –

eu e não-eu
ouvimos atentos o seu zumbido



***



não consigo
matar a mosca
nem ferir a flor



***



o outono molhado
cheira nos pinhais 
à canela dos teus olhos



***



as minhas velhas cerejeiras
                                    estão em flor
      alheias a um mundo alheio

                quando o fruto chegar
                hão-de vir salteadores
                para as saquear



***



longe

      para além da
                      cidade suja

                     com seus monstros
                           e alienados

       o mar
             na direcção de áfrica

coração
      do deserto azul



***



pegada após pegada
nada resta no areal
além do passado



***



a lareira acesa
derreteu 
os meus pensamentos



***



pelos lameiros verdes da ribeira
as águas que correm
já são mar



***



uma gaivota plana
um cão corre no areal –

serenidade à beira-mar



***



tenho pena
                                        do tormento
                  da luz do perdão

há estrelas no lago
                           e no caminho
                                          a poeira acorda



***



um bando
          de gaivotas
                       desnorteadas
                                      em debandada



***



             a escrivaninha aberta
  a espera
                        a caneta

                 uma tela betumada
                                           aguarda
                a primeira pincelada

                       naquela casa
                    do monte solitário
                   tudo está suspenso



***



                      no relógio perturbado
                      poisa a ave do tempo
                      morta de sede e fome



***



      como um espantalho
            da amada ouço as palavras – 

      espanto-me e afasto-me



***



o vento
alivia o calor
do crestelo



***



não ter nada
é ter tudo
nesta varanda sobre o tejo



***


só nós sabemos em que canteiro
        estão as tuas cinzas

só nós as poderemos aspergir



***



aves submersas
na colina
semeada de arcos góticos



***



o não-nascido
é o mais feliz
dentre vivos e mortos



***



o desejo voraz
sempre presente
consome-me



***



o casebre do pastor
de tão pobre
tem sempre a porta aberta



***



em junho
também chove
nas rãs ao sol



***



      a mulher
             tinha a língua afiada da serpente

       e do canto dos lábios
                                    escorria o veneno
                         da saudade
                         invisível
                         como vento a correr
                         na árvore morta
                         da rua deserta da cidade



***



de janela escancarada
deixo
a primavera entrar



***



no cadeirão velho da casa
minha irmã não me viu –

viu nosso falecido pai



***



os olhos da mulher
ávidos
das pernas da jovem



***



uma exposição de pintura
e ao lado um pobre pintor
vai caiando um casebre



***



o homem –

um sopro
uma sombra ao meio-dia
uma gota de orvalho



***



esta noite sonhei
que tinha morrido
ladeado de narcisos

acordo desiludido
lá fora um grito de dor –
onde está o paraíso



***



o mistério
não existe
para quem nada sabe

quem sabe
sem saber
morre nele



***



       posso confiar em alguém

                      a vida é borrasca negra
            de temporal desfeito

                      não confio em ninguém



***



o sol nasceu na minha janela
penetrou os lençóis de linho
mas não iluminou o meu coração



***



quem me dera
estar por estar
ser por ser



***



      o mundo enfeitiçou-me
tu enfeitiçaste-me –
      já não sou eu

                   sou um objecto
                   teu



***



noite fria de janeiro
a cama gelada
gela o coração quente



***



      no lago 
                  exuberante
                  morre a luz do sol
      ao entardecer



***



já não ouço
os cães a ladrar –

a raposa foi-se



***



a vida do homem
é uma sombra sem rasto
na estepe gelada



***



hoje as galáxias cantam
por entre as nuvens –

os cães uivam



***



dia de sol e nuvens
no mistério do corpo inerte –

desalento ao despertar



***



por escadas
de flores
sobem amores



***



      sei que nada sei
                              
                          feliz sem saber

            sei que nada sei
                                    talvez assim
           venha a conhecer

                                     talvez



***



hoje
pensava querer um corpo

desacerto

basta-me o meu



***



quando o desejo fala
o segredo é revelado
à alma cega
de apaixonada



***



na tarde abafada
mais uma borboleta
que me não sai da alma



***



a primavera
doou ao inverno
rosas de gelo



***



agora sei –

para sempre só
nas noites de inverno



***



paus de vedação
por aí amontoados
sem protecção



***



o sol nasceu
o sol pôs-se
                  
                    para quê tanto esforço

                 o que aumenta o conhecimento
                        faz crescer o sofrimento

     ilusão
              tudo é ilusão
  e querer cavalgar o vento



***



tenho dos meus antepassados
olhos negros e por vezes
uma visão pessimista do mundo



***



nem sempre as flores
brotam onde possam ser contempladas –

algumas esquecem-se de si



***



envelhecemos
e de medo em medo
morremos



***



na teia de pequena aranha
           junto à lareira
              uma vespa

            não me contive

      mas

            tarde demais



***



luz do sol
também
no pátio da prisão



***



estou só e não sonho
desejo o fim do dia
e o sono da noite escura



***



somos apenas
impermanentes partículas
no corpo do eterno-infinito



***



à tardinha
a minha sombra
persegue-me

a vida dela
parece mais real
do que a minha



***



soam três badaladas
no ar gelado –

um buda espreita pela porta



***



ao raiar da aurora
o piar suave do pássaro
não escolhe auditor



***



o velho maltratava
o velho cão –

velho idiota



***



o búzio
de tanto escutar o mar
não cessa de o cantar



***



o cão velho na estrada
            ergue-se sonolento
enquanto o carro aguarda
            pacientemente



***



ao longe
a montanha onde sempre estive –

hesitação no voltar



***



é hora –

a difícil hora
do despertar



***



o cuco canta
enquanto a cigarra
anuncia o calor



***



   a rua estranhou os transeuntes

         os passos descompassados
                         da virtude cambaleante

       a rua já não aponta caminhos
não alimenta esperanças

                    a rua é apenas a rua
                               sem fim



***



mais uma árvore
derrubada no caminho –

a morte volta sempre



***



cantavam aves na mansa fonte imemorial

jorravam gotas de água perdida

dois corpos bebiam a saliva da vida na jóia da noite renascida



***



esta sombra silenciosa
não escolhe hóspedes –

ouviste musaranho



***



a criança brinca amorosamente
com os cisnes –

é um buda



***



do lado de fora
do portão
um homem morria à fome



***



o rio saudou-me

vi-o dizer-me adeus
enquanto as trutas brincavam



***



medo de ir
medo de vir
medo de ser
medo de te ter



***



anoitecia 

            vagarosamente
         o quarto adormecia

                       suavidade
                      isolamento
                      e vazio
             na ausência da mente



***



nascer

navegar em mar revolto

morrer

calmaria na baía



***



as flores
flutuam
no lameiro



***



um raio no largo
da aldeia –

esfumaram-se os saltimbancos



***



por mestre quero um louco
um peregrino sem destino
errante na floresta imensa



***



pesado copo de vinho
               na mão alada
                       do cavador



***



      cigarra
            faz a tua escolha

      um único lugar
            para cantar

                     uma só fêmea
                         para amar



***



julgo que tudo findou –

a palavra
murchou a flor



***



angelus –

o sino geme
na rua deserta



***



madrugada de inverno –

no corredor sem sono
a visão de meu pai morto



***



dois invernos passaram –

por testamento
deixaste-me o teu olhar



***



      hoje
            o frio é cor de sangue

enquanto a geada
             geme no azul do lago



***



num mundo
em chamas
não há estrangeiros



***



mais um projecto entre tantos
necessito de um projecto para viver estupidamente – atravessar o atlântico de patins



***



o caracol
marca na erva fresca
o meu caminho



***



não reconheço este país
de peito de flor
em sangue



***



sou água          a água
que corre da montanha
e nada sabe do oceano



***



o vento sacode as palmeiras
na última luz do dia



***



uma aranha ágil
enreda as moscas na teia
como quem ama



***



chegara o dia da sua morte
sem que algum poder sobre ele tivesse

abandonado à dor da incerteza
partiu no último sopro de vento



***



é íntima
esta ânsia
de amar



***



na erva verde
à beira do rio
cai uma maçã do teu rosto



***



idílio
acompanhado à flauta
no fio da memória



***



a vida
é hoje
um sopro vazio



***



fujo da minha sombra –

quanto mais corro
mais vida lhe dou



***



poesia e cor
purificam a 
minha alma perdida



***



um carro de prata
no aparador da sala –

bastardo da inveja



***



a sombra de inverno
                      a minha sombra
            a vida das sombras

                         assim é a sombra
                               assim a minha sombra
                assim são as sombras



***



neste inverno
                  não há flores
                                   neste inverno
                                  as cerejeiras nuas
                  olham-nos tristes
tristemente nuas



***



morro
nos ossos
dos meus antepassados



***



no charco
o meu rosto –

envelheço com o sol



***



um relâmpago
no céu
ilumina o paraíso



***



um quadro verde
                       um laranja
         
               olhos de medo

               um ar condicionado
                                  um irradiador
             e mobílias antigas

                                                   fora
              uma piscina inerte
             na solidão da tarde



***



meditava –

estava nela
todo o universo



***



campanha eleitoral –

as moscas poisam
em tudo o que é merda



***



quero o meu túmulo
virado a nascente
para que o sol me aqueça
diariamente
para todo o sempre



***



manhã cedo de sono
com a neve a coroar os picos da serra

nuvens sem destino
no olhar frígido da aurora
na absoluta incerteza do amanhã



***



um sapo de beca
arrasta-se babando
no tribunal



***



durante a tarde
vontade de partir

depois de noite
dormito em cama de pedra



***



o som da flauta
nos teus lábios
é uma harmonia nova



***



orquídeas planavam
no jardim
por entre cedros centenários
do longínquo líbano



***



terra vermelha
                   árvores verdes
        paz nocturna na colina

o rio dormia
                embalado pelo vale
                  berço de alegria



***



o rio
corria
lento



***



se voltasse a nascer
faria tudo o que fiz –

que outra coisa saberia eu fazer



***



hoje estou tão tranquilo
como quando estava
no colo amoroso de minha mãe



***



via-se
que demandava a alma
na oração perdida



***



a sombra do cipreste
por mero acaso
escolhe as sepulturas



***



descalça e graciosa
à beira do ribeiro
lava a saia domingueira –

há baile no terreiro



***



rio doirado
na floresta silenciosa –

sol em fuga



***



começou o degelo
inundando as sombras
dos salgueiros



***



no caminho aplainado
pelos insensatos
tropeçam os justos



***



      ele mora nos céus
             e sorri compassivo
                  da sua montanha sagrada
                  à súplica
            das faces ensanguentadas
      pelo poder e pela perfídia



***



meia vida
meia morte –

caem as flores



***



pelo caminho subia-se
na direcção da memória

os candeeiros da cidade
apagavam as estrelas

mulheres ressuscitavam
na avenida escura



***



na colina
      uma cerejeira florida
      abriga um melro
      e com ele
a humanidade inteira



***



conto feijões
para não pensar



***



as trindades dobram –

ela sofre em silêncio
a suspeita da traição



***



último comboio da noite –
homens seguem homens
tédio segue tédio



***



a pele da pedra
inerte

sorri louca
ao grito de guerra



***



amor repartido em pão e vinho

           amor profano
       com princípio e fim



***



manhã de sombras
que não se repetirá
na ilusão do tempo



***



envelheço
depressa

depressa demais



***



paredes de pedra e um
telhado
marroquino na
garagem dos fundos



***



uma flor de camélia
debate-se ao vento norte

                      cai a tarde
                      cai a flor
                      exausta
                      como o dia
                      nas rugas do cavador



***



através da neve o viageiro
de lanterna apagada
tropeça na vereda nua

            um leito gelado aguarda-o
         no monte onde a lua descansa



***



que algo de novo venha –

uma alma aberta
ao bem que jorra do céu



***



palhaço pobre –

riso inocente
em lágrimas submersas



***



a partir de hoje
serei apenas
o eterno-viajante



***



acreditava-se no acaso
no desígnio de deus
e que tudo é mistério



***



em si e por si é
                     total
                     perfeito
                     acabado

                     ilimitado
                     aquele que é
                     foi e será
                                  rosamundo



***



2 comentários:

danilsonlago disse...

Bom dia!

O senhor pode me ajudar? Tenho Blefarite e não sei como curar isso. Já usei várias pomadas oftalmológicas mas o problema sempre volta.

Por favor me ajude.

Obrigado pela sua atenção!

Danilson Lago

José Maria Alves disse...

Boa noite Amigo

Agradeço que me contacte via correio electrónico. Responder-lhe-ei logo que possível

homeoesp@gmail.com

Abraço fraterno

JMA