Este diário complementa o nosso site pessoal

( VER ETIQUETAS NO FIM DA PÁGINA )

USE O PESQUISADOR DO BLOGUE -

-

OS TRATAMENTOS SUGERIDOS NÃO DISPENSAM A INTERVENÇÃO DE TERAPEUTA OU MÉDICO ASSISTENTE.

ARTE

Pesquisar neste blogue

sexta-feira, 20 de abril de 2018

PEQUENOS POEMAS IV



Download dos textos de ANTIPOESIA ou a insustentável arte da falsa erudição em –



***



a tua vida
tia adorada
foi uma luz
continuada
na terra e no céu
ainda e sempre
acesa
um relâmpago sem fim
minha tia
maria do céu



***



também gostaria de interrogar chia yi sobre os deuses
         a miséria humana julgo eu conhecê-la



***



nessa hora em que nasci
sem que eu soubesse porquê
minha mãe sabia
que meu destino
seria
o do filho
de josé e de maria



***



há vozes
que ninguém ouve –

ouve-as a morte atenta



***



no fim do caminho
coberto de neve
o rio branco do céu



***



a chuva de verão
cai na terra seca
gretada –

alagado
o lavrador dança
tendo por par
a enxada



***



peregrinos para fátima –

quem persegues

ou contigo o trazes
ou nunca o hás-de encontrar



***



trazia nos olhos
o brilho
do alto mar



***



o amor deveria ser
uma andorinha
a ir e voltar

minha
na ida
e no estar



***



o outono
tem o odor
da contemplação



***



não há ninguém
que te não ouça cantar
rouxinol



***



o segredo
do nosso amor
guardo
do modo que desejas

mas como quem ama
não cala
ao mundo confesso
que em segredo amo



***



se te visse
        seria um óptimo dia

                  excelente

                     ver-te – 
         óptimo dia para morrer



***



vento surdo
de fim de primavera –

o lavrador alivia a enxada



***



      casamento na aldeia –
   amor prazer e a adolescência a desabrochar
embriagados de vinho novo



***



para fazer o ninho
um pássaro esquadrinha em vão
a estátua negra



***



suspeito
e não sei
se esse teu olhar
é de amor
ou traição



***



a vida floresce
em todo o vale –

contudo estou só



***



na mesma cama
olhámo-nos e adormecemos –

nem sempre o amor exige um corpo



***



um ramo seco
      folhas rubras

no castanheiro dormente
      um corvo descansa 



***



um relâmpago na noite
ilumina a serra –

primeiro dia da criação



***



se todos os livros morressem se cada poema mais não fosse do que uma prece
tu retornarias dos céus e descerias da cruz de todos os dias



***



abre-se a porta
ao olhar curioso
do chapim



***



o meu peito sangra
                         na oração

     suave é a escada

descansa no meu coração
          faz em minha alma
              a tua morada



***



granizo
na estrada de asfalto
faz fumegar o calor



***



a neve derrete –
do boneco
sobeja uma cenoura



***



a harpa do dia
escureceu
à passagem da nuvem negra



***



o cão negro
entrou no ribeiro

insaciável
parecendo querer secar

a corrente
enquanto lava as patas



***



      neve
             gelo
                  vento norte

                  ervas 
    escondidas 
                  no pasto

   raízes
                               dilaceradas
   pelo machado do tempo



***



este pássaro nocturno
cego e perdido
enamorou-se da estátua –

amor perfeito



***



a liana abraça
a árvore centenária –

um braço seco chora



***



      a palmeira de tão solitária
                           parecia o deserto

                       muda
                   anunciava-o



***



                    a areia ardia ao sol

           o jovem animal
                               corria
             voando dentro
                    da visão da tamareira



***



a chuva
de primavera
é sempre bem vinda



***



os passos da mais bela de todas as mulheres a doçura da voz brilho dos seios hirtos pescoço perfeito de ternuras vorazes anca modelar pernas altivas sexo doirado
              mil beijos e uma única noite te peço



***



ao cortar a árvore do jardim
cortei as raízes do meu coração



***



tinha sido jovem
                        bela
                        soberba
                        desejada
agora velha
                 descuidada
                 sem graça
                 ninguém a amava



***



a andorinha alimenta os filhotes – 
                                 desconfiada
                                 espreita-me
                                 pelo canto do olho



***



tinha como doença 
                           da alma
               o apetite

              e do corpo
              alquebrado
                  e frio
                o fastio



***



uma rajada
verga a haste florida –

segura uma cigarra



***



a serpente deixa a pele
no carreiro pedregoso
carregando consigo o pecado original



***



dias de espera
                     sem hora marcada

                     bastaria ouvi-la
a ela
         a desejada



***



oh as sombras da noite –

nem medo nem amor
são apenas sombras



***



à porta
os velhos tamancos
que mais ninguém irá usar



***



pele macia
que minha mão toca
e meu coração esfria



***



país de ladrões –

por fechadura 
uma magnum



***



a lua desaparece
lentamente no rio
que a amansa e afaga



***



      no lameiro 
                uma enxada gasta

      um ancião 
                dormita à sombra
                dum sobreiro – 

calor árido de verão



***



a minha sombra
na noite profunda

sou eu
que sombreio

ou é a sombra
que me nomeia



***



verão –

chegam os emigrantes
os fogos
as barrigas grandes



***



campo seco
           abandonado

      tristeza do velho lavrador
        que chora em segredo
          a morte do seu suor



***



as cigarras
como as raparigas na eira
cantam desgarradas



***



a sombra do sonho
era idêntica à sombra da realidade –

dois corpos em intenso amplexo



***



no outono
ramos secos em cruz
filtram a luz



***



folhas secas
sopradas pelo vento
mudam de lugar



***



o amor é
doença
que nenhuma dor cura



***



o vento passa e sorri
geme ruge ri

arranca das árvores os braços
das portas os baraços

destelha casas e currais
faz as velhas dar ais

e por rezas do bento
o vento veio o vento vai



***



saudade –

com os sapatos na mão
jogo à bola



***



o cãozinho dança
de patas no ar –

pede-me uma carícia



***



o meu amor veio

canção de veleiro no mar – 
é urgente orçar



***



banhado no seu próprio sangue
               confundia
a essência e o sentido de tudo
com a essência exangue do nada



***



trazia as rosas
      na mão deformada
          ela
            a mais bela 
              de todas as rosas
                de todos os roseirais



***



a nortada sopra
   nas palmeiras
      que se agitam furiosas



***



desde manhã tão activo
não entendo –

nunca estive tão passivo



***



o meu corpo flutua nas águas mortas
de sal

todos os corpos de sal 
flutuam nos seus semelhantes



***



dá-me a extrema-unção

      sei que estou vivo
      de saúde aparente

mas quero morrer hoje
      hoje mesmo
      para amanhã
      nascer de novo
                         alegremente



***



no meu sonho flores
amarelas desfilavam
na avenida púrpura
fértil de pernas nuas
cruzadas em arco-íris



***



um pião
rodopia

um outro pião remoinha
veloz no chão

o chão móvel
o pião imóvel



***



morria de amor
            em dor
e tédio
                     que sem tamanho ou medida
                        não podia em caso algum 
                                   ter remédio
                                 consolo e cura



***



no velório
cá fora
canta uma cigarra –

canta a morte



***



florescem as cerejeiras –

nada espero
nem cerejas



***



um cordeiro imolado
berra como pura criança
na inocência do mal



***



na montanha
a primavera perfumada
rodeada de discípulos



***



falava e dizia
e teimava
que tudo sabia
mas do que falava
pouco ou nada
se aproveitava



***



      bem meu
      amor da alma amado
              face da cor da neve
   permite-me
              que te furte o coração
       para que no meu peito em sangue
                    o meu possa
              bater leve como o teu



***



dormia à luz da lua
com árvores animais
e a alma dolente a seu lado



***



ó rouxinol
para quem cantas tu

         calaram-se os homens
         na taberna
         o jogo do truque
         findou



***



um sorriso ora distante
ora próximo

um ajeitar de longos
cabelos lisos

uma palavra
uma só palavra

parca esperança
para quem está só



***



a sombra saudável
sentou-se junto
do corpo decrépito



***



como são longas as noites
curtos os dias
e a velhice inerte



***



a solidão
a dois
é o pior dos desterros



***



barcos
em doca seca –

marinheiros de domingo



***



também as rosas 
   choram e padecem
quando o céu desce às árvores
   e o verde musgo brilha
        nos teus olhos



***



a primavera resplandece
nos olhos azuis

cor de lago
salpicado pelas copas

de frondosos 
pinheiros verdes



***



quem amar quer
nada mais poderá querer

se o amor não prende quem quer
mas a quem se deixa prender
que tudo morra em mim
menos o meu querer



***



já não tinha amigos desapareceram com a lúgubre canção das flores do coval
restava-lhe a cama de ferro do quarto vazio da choupana e uma vela azul



***



o portão da quinta 
há anos não era pintado

há anos que ali
ninguém entrava



***



auschwitz hiroshima nagasaki –

no espelho circular
a imagem verdadeira da natureza humana



***



  o cachorrinho dorme
  sonha com brincadeiras
                          infindáveis
  as patas deitadas
      agitam-se
  correm sem cessar



***



           alentejo –

uma árvore
única 
na tórrida 
e vasta planície

            boa tarde irmã



***



quando a primavera se vai
os campos não cantam mais

choram as aves
peixes
e todos os animais



***



as cataratas 
                 de teus seios
redondos 
                  inermes

sem função palpável
                  atraíam o olhar

             do navegante
                         de outros corpos



***



mar de chamas
em toda a colina –

voltou o inferno



***



há dias
que o sino não toca –

teia de aranha no badalo



***



ali ao lado
o veado 
brame à cria

quando te queria
também eu por ti bramia



***



a minha voz ao vento –
é vento
ou o meu eco



***



um odor a lilás
percorre
as narinas putrefactas



***



se o teu amor é perfeito
e a ele me sujeito
perco-me e sofro
porque de todos sou
o mais imperfeito



***



ele é a única realidade –

ilusório o universo
real o si



***



golfinhos no espichel
saltam cruzando a proa –

hoje o mar está feliz



***



já não escrevo cartas de amor
limito-me a remeter pensamentos escritos na nocturna solidão do piar daquela ave cujo nome desconheço
pensamentos enviados nas asas do vento



***



quando ficar velho
tudo se há-de afastar

até a própria velhice
de mão dada 
com a mocidade

tudo me há-de abandonar



***



um pobre mendigo
come em marmita amolgada
uma sopa tão fria
como as suas mãos nuas



***



três pinheiros mansos
aguardam solícitos
a minha chegada



***



uma casa branca
                       no outeiro

sempre gostei de casas brancas

noivas
        imaculadas



***



toda aquela beleza
             
                   reflectida nos teus olhos

                            projectada na minha alma



***



prédio inclinado com antenas
sobre o rio tejo –

recusa-se a saltar



***



caxarias –

como me parece longa
e sem fim esta viagem



***



estou sempre a correr mundo
na mesma direcção e lugar

quem viaja se a viagem sente
o mundo percorre indiferente



***



uma brisa adocicada
corre pela janela

passa suave pela mesa
transfigurada em poema



***



a lua de inverno
é a mais bela e
a mais fria



***



com medo do desejo
e medo do medo
sendo curta a vida
é apertada a esperança



***



subo
a rua do alecrim

alvorece

a calçada
adelgaçada
nos cartões
encapelados
em pobres-diabos

diz-me sussurrante
bom dia



***



calor tórrido
de verão –

a oliveira sufoca ao sol



***



pele negra
brilhante
de africano odor

boca sedente
onde se escreve
a palavra amor



***



na cidade grande
tudo passa
na rua apinhada

ninguém olha
a criança desamparada
e chorosa



***



chove na charneca

parto
como fumo branco



***



flores de ameixieira
flores de cerejeira
olham na direcção do céu



***



manhã de primavera

um manto de neve

nada se move

a lebre acorda e
deixa pegadas
soltas
no espírito do gelo



***



mar alto

arte de navegação

solidão



***



estamos
constantemente
a enterrar
os nossos
mortos –
gente
sobre
gente



***



no chão do terraço
à sombra
um cão ressona



***



ah o luar de verão
no gosto da brisa
que apaga a luz da lanterna
e ilumina de branco
o meu coração



***



o político
discursava

o texto era antigo

tão antigo
como a mentira



***



tanta beleza
e
sofrimento

tanta dor
e
tormento

que deus nos perdoe



***



a tua montanha senhor é longínqua são tantas as que minhas pernas vergadas e trementes descobrem sem que a tua veja resplandecer ao doirado sol da aurora
morrerei a caminhar



***



quando chegarei aos sete céus
quando atingirei o reino
quando deixarei de ser eu



***



o olhar macio
doce e lacrimoso da noiva
deslizava no corpo morto
da torre em chamas



***



noite entrada –

a vela chora grossas
lágrimas rosa



***



à noite no terraço
           em noites de lua nova
                       nada vejo do mar

só o odor a maresia
                     me faz saber
                                 onde estou



***



o menino brinca
com a papoila
como se brinca com um malmequer



***



trutas imóveis nas pedras soltas do rio transparente 
outras fogem do pescador de almas em corrida ascendente



***



a mesma frase musical
tocada pela flauta de bambu
cem ou mais vezes –

medito e adormeço



***



a história da flor de buda –

quantas flores já eu ergui e
como ananda nada compreendi



***



os sons de primavera
espraiam-se ligeiros
na água da fonte



***



sofre-se
e
morre-se
por um punhado
de moedas



***



o mundo acaba
quando a vida acabar em mim



***



os olhos
esfarrapados
do homem
estranho à aldeia
apenas pediam
humildes
alguma compaixão
num copo de vinho
num naco de pão



***



rufam tambores
no meu coração em chama
ardente de carne viva

já não sou senhor de mim

beijo-a embriagado
lado a lado com o jarro
de vinho adamado



***



gente no jardim público
                                 
                                  tanto mal
                                  tão pouco bem



***



a criança brinca
com os meus dedos

desfolha-os

conta-os

interroga-os

como é belo
o seu brincar



***



um poeta à chuva
exilado na solidão
da montanha branca



***



para além do além está o além
para além de mim estou eu
também



***



a sombra do gato
atravessou a parede
de estuque



***



ó espinheiro
de branca flor
adorna tu a minha sepultura



***



se amanhã não houver nascimentos se amanhã não houver mortes
o mundo será mais feliz
                  felicidade de um único dia



***



a hortênsia
em silêncio –

teme ser podada



***



se não convém o que digo
se sou tido por louco
se as minhas palavras são vento 
                 para ouvidos moucos
se os meus actos alvo de chacota
que me importa
se ninguém me escuta
se ninguém me bate à porta



***



quem quiser caminhar na via
não esteja nem a favor
nem contra ela

e quem no seu trilho alguém me vir
que diga –
como vai bem nela
que ela parece ele
e ele se parece com ela



***



tem mil e um nomes
de todos o último aclamo –

----------



***



quando eu morrer
canta tu
cigarra
na pedra da minha campa
rasa e calada



***



Sem comentários: