Este diário complementa o nosso site pessoal

( VER ETIQUETAS NO FIM DA PÁGINA )

USE O PESQUISADOR DO BLOGUE -

-

OS TRATAMENTOS SUGERIDOS NÃO DISPENSAM A INTERVENÇÃO DE TERAPEUTA OU MÉDICO ASSISTENTE.

ARTE

Pesquisar neste blogue

domingo, 6 de maio de 2018

DESCONSTRUÇÃO IX



Download dos textos de ANTIPOESIA ou a insustentável arte da falsa erudição em –



***



se queres aprender a orar
faz-te ao mar

todos sabíamos que aquele navegante perfumado de sal
se deixara há muitos anos no esquecimento das fábulas de proferir orações
                                      mesmo as breves

                    era um animal marítimo
                                   a morrer todos os dias
                    nos raios de sol
       na espuma branca do vento de sueste
nas vagas aterradoras e ondulantes do fogo nupcial

não se escondia na aura das muralhas impenetráveis onde as palavras transbordam e as mentiras abundam em propícia ladainha

conhecíamos-lhe todos os vícios que o devoravam vivo 
      queimando-o até à medula
                                            mulheres e vinho
                                            o rum do entardecer
alumiado por fêmeas devoradas na rapina
                   das horas suaves

                              os recessos inexplicáveis de uma biografia sem história

                              a lenda viva dos passos certeiros

                              à margem das grandes massas de água fosforescente        potência desconcertante do medo na camisa rasgada por unhas celestes

por vezes
               tão humano como searas de pão

                            viçoso clarão
                       da suprema energia
                       em branda floração

outras
         animal em faúlhas
                           a romper os pulmões das estrelas
a escrever com os dedos de cristal no tabuado do seu velho barco em botão obscenidades e verdades cruentas seladas pelo estilo sóbrio da loucura embalsamada

a melancolia

                  feroz
                          do destino 
                                         era-lhe alheia 
também
                 o pesadelo
                          das rugas sulfurosas

decifrava as coisas ocultas

os frutos maduros das aparências

a perfeição dos diamantes ao luar

com a noite chegavam os cios em que se divinizava

com os olhos nas palmas das mãos estriadas pelas escotas de pedra afundava-se na matéria da casa flutuante onde todas as mulheres eram sombras rítmicas e os desejos o cercado inviolável da besta ferida na urgência da dança sísmica dos corpos glorificados

sem razão
               poisava a boca
               nas formas decadentes
               abrindo à sua passagem
               a transparência da volúpia
               numa humidade tão exacta
               como chama a luzir
               no horizonte promíscuo do prazer

para que queria ele naqueles momentos em que os astros arrefecem e as luzes ressuscitam na saliva adocicada a razão

o desatino erecto da nudez
abria o portal do covil amoroso
com um estrondo a reluzir
nos espasmos implacáveis
cifrados em mapas antigos
atulhados de praias desertas
orladas por jardins onde
as paisagens foram inscritas
pelo nó das labaredas
                                em combustão

não dormia      respirava as brisas quentes que se esgueiravam pelo tabuado deixando o corpo dormente vacilar na alucinação dos sonhos e na serenidade cravada no beliche encerado pelas artérias explosivas do sono supérfluo

quando as velhas adriças batiam contra o mastro imperturbável num toque rimado
ouvia os pescadores na barra com as suas lanternas e motores ruidosos
como prédios amontoados nas trevas da cidade

indiferente
olhava
as escotilhas
apavoradas
pela negritude
desordenada e
ouvia o balouçar
da água nos ramos
verdes da enseada

afinal
           tinha sido sempre o rosto do mar
                    a mão das nuvens
                     o coração do sol
           o espelho da liberdade e da imprudência        o lazer abrasado e confiante

                  que poderia deus dele querer

quando a ondulação sustinha na crista das vagas a respiração enlutada
                       ainda sóbrio
        sentava-se no bar sobranceiro ao cais
     apertando a fronte como numa alucinação
                                pelos espelhos de vidro suado desfilavam
                                as cicatrizes dos corpos de mulheres em rebentação

alguns embriagados nas mesas orvalhadas de iluminações insondáveis suspiravam sílabas roucas
nadadores das profundidades feitas frestas no limbo exótico e acabrunhado das crianças mortas por baptizar

àquela hora na igreja matriz
a missa do sétimo dia por alma de seu pai        um montanhês tão rigoroso como o gelo da calota polar

               tinha chegado do mar
      no crânio um grito desfraldado
      fazia estremecer a rede oculta
      do nome das coisas insensíveis
                                                  à dor e à morte
a crepitar nas fornalhas do esquecimento

           cruzou os braços e clareou o espaço
    com os relâmpagos da harmonia crescente
                ele era o seu próprio templo

                     cristão por baptismo
                        trocara a igreja
                   por uma garrafa de rum

a seiva divina
     vertida em longos copos raiados
             sozinho trocara o seu reino
                    por um tonel de vinho

o prodígio das bênçãos
               cadeias de oiro bravio
               a pedra escura no rio
               da infância submersa
               com ele nobremente trajado
               de mão dada pelas lojas 
               chiques da baixa pombalina
          
                                           o chiado

a chaga de todo um corpo vazio

a mãe estaria lá      negra de carvão vestida      os amigos      os indecisos      a família
lembrariam o nome com outros nomes de forma célere e contínua      falariam dos mistérios e em segredo dos dogmas da redenção das coisas de casa sempre com o espírito ausente e algumas lágrimas insulsas nos dedos 

                    seria preciso escalar

                   as montanhas lunares

                       reduzir a cinzas

                      a matéria estelar

           destroçar os cometas ameaçadores

                  para olhar com agrado

             a terra carregada de silvedos

        entrançados nos maxilares da paixão

          entoação salvífica de falsos credos

olhou para dentro de si engolindo um punhado de medo
         sentiu a queimadura da alma
                          o sangue a ferver
                            e pausadamente
               debruçou-se na ordem das ideias frias

tudo lhe parecia coroado por anémonas

membranas e tendões na abertura dos portais da consciência apunhalada com ferocidade por suas próprias mãos

        valia-lhe mais estar ali
               galvanizado por memórias no pavor dos cantares inebriantes
                    despejou com deslumbre um outro copo

                                nele
                   o poder da criação solitária
                        da compaixão interna

tesouro esbraseado fundido no recanto mais obscuro do seu castelo
tudo resolvido ou por resolver na ignição côncava das expressões inconscientes da arte de entrar em si
      de se amar
                        e florir fértil num mundo por deus abandonado
                              sabendo que
                            
              a imaginação do poeta
                      tem de ser
            maior do que o universo

     mais violenta do que uma noite de núpcias
mais amorosa do que um corpo vestido de vermes
                    e ao frio tremendo

estar na primeira fila

             primazia outorgada
                                           ao valor

                         desvalido
                                          do agora

         assim
            
                   consolação da morte
                   na desgraça possível
                     do gancho de jade
                      da flor selvagem
                      sobre os montes
                         enobrecidos

versos

       verdade das coisas
                
                    à beira das margens

    do rio negro
                   onde despes o corpete
                       e banhas as veias

                                                  brancas

                               com doce mel

                      cristal a reluzir
                     à voz do outono
                    em terras alheias

quadras

                   a desfazer rosas
                    
                     enquanto o dia

                       leva a noite

                 nas luzes das estrelas

                       para a orla

                  da floresta calada

                   onde as espigas

                   são aos molhos

                     na passagem

                    para outra vida
onde sou
        serei
           marinheiro

                     com amor

poeta
        não

                   minha alma é do mar
                     do oceano sem fim
                     da glória das vagas
                                          para onde os corvos
                                                    voam
                                                  e dizem
a vida é o dia de hoje
a vida é o dia de hoje

vida atraiçoada pela memória

costumava sentar-se nas rochas passajadas e batidas por golpes de mar
                 umas vezes tão terno
   floco de neve nas mãos da criança marítima
outras
          violento soldado com a mão direita
              a tremer o gatilho da morte 

só custa matar a primeira vez
a partir daí matar e ver morrer
a quem não se quer é tão normal e arrepiante
como amar corpo que se não conhece

parecia estar cansado da vida dos homens
            na marina-passadeira
                             de pernas
                                sapatos
                   roupas de marca
       e dos sorrisos elegantes e asnáticos

               raramente os olhava
                 e quando olhava
        o seu olhar atravessava carne
                 vísceras e ossos
       fixando-se num além indecifrável

via-o do meu veleiro quando nas noites de luar preparava o aparelho para soltar as amarras da mente na vastidão das águas pintadas de escuro azul

o seu rosto era sempre o mesmo

rugas torneadas pelo sol da angústia leitosa

pouco lhe importava a ferida que o meu pesado patilhão abria no coração do mar fazendo-o sangrar

as minhas velas lembravam-lhe as asas duma gaivota esfomeada
  
nunca quis partilhar uma viagem ao mar profundo

o seu olhar circular envolvia todos os oceanos com seus cabos tormentosos temporais e calmarias

              horn e boa esperança

                           hoje não o vi
                     dizem-me que morreu
             o último dos navegantes do sonho

            reduzido a cinzas
sepultado no horizonte do seu olhar

ouve se me ouves            partirei do teu lugar
           mas não morrerei em terra
                    morrerei no mar

            e de todos vós que amo e amei
           vosso nome a maiúsculas escrito
                     na areia deixarei

como triste pescador que o nome do amor repete às algas incandescentes

numa nesga de céu 
                               solitária
                                                    a polar
                aponta-lhe o caminho da amada

queimados os ramos
               a cinza espalhada 
                      no corpo amarrotado

nada no porão
               da barcaça derramada
                      nas ondas da manhã 
                                             em floração

tivemos um sonho

um homem rasgado ao meio passeava-se em calçada labiríntica

havia veneno no tecto ao entardecer

a estrela da manhã impedia qualquer pensamento

        feliz ou contente
                        o que lhe agradava a ela estrela
porque o silêncio do cosmos não se compraz com ideias cimentadas no chilreio do cérebro

que fechasse os seus botões de algas para que alegre fosse o homem largo de ombros corpo de boi
em bardo de fibras ardentes de teares polidos

a manhã estava serena e tinha os cornos afiados ao sol obsceno
no rosto coroado de desgostos e pecados do dia nascente o cárcere era redondo e alguns dos presos semelhantes a ventoinhas andavam em círculo
não lhes víamos a cabeça apenas o tronco e seus ramos apodrecidos
estavam todos vestidos de azul como quem se veste para a primeira comunhão de grupo e eram anjos de interior supusemos
havia um coral no meio deles que discursava acerca da verdadeira fé
as ondas deslizavam no horizonte vendo-se o topo de um mastro incendiado a bordo de um veleiro fantasma
cercado por montanhas de água paralisadas em quadro neo-realista dum pintor cego

           só havia vinho velho e nenhuma mulher
                 assim não vale a pena sonhar
                           acordemos então  

anoitece em alto mar
                                            eu
                                sozinho
                                                 as velas
                as estrelas
                                  tartarugas
                          
                                   golfinhos

um corpo
                                    uma vida
                um sonho
                                       no orvalho do convés

é tão triste o desamor

no bolorento poente da vida em passos de mistério escondido
na tarde de oiro palpita vagueando de mão em mão o velho coração de corda

                     é tão triste envelhecer
                    a mendigar com o olhar
                   a visão do amor e do mar

conheci-o descalço
                                  na praia
                          em verões e invernos

a mesma camisa
                        aos quadrados
                                      com mil e um rasgões

                  dormia ao luar
                  num batel azul
                  morto na areal

pouco comia
habituara-se a um caldo
frio uma vez ao dia

           dizia sonhar com florestas de velas
           longínquas                        infinitas
                             como o mar

seria tarde
as ondas abraçavam amorosamente as rochas pontiagudas como folhas de navalha
um peixe prateado saltou sem destino
aerador no esplendor do fim de tarde em flor
parecia um sonho transparente de quem cerrava lentamente as pálpebras à realidade fechando o livro de escuma aberto à sua frente

em lume brando
                       consumo este sentimento
                       semelhante ao dos deuses
                       na luz morta do luar

cinza que escorre na palma da mão do corpo suado por águas escuras onde as vozes naufragam depois do exílio em barcas pelo tempo impelidas para as cidades submersas da solidão

voltara a ouvir a voz
clamava na noite dos espectros azulados acompanhada do rufar de mil tambores

não te acorrentes a nada

a âncora é da palamenta a escrava das grades

levanta ferro
                                       para oeste

                 nunca olhes para trás
               o oceano é o teu destino
                    náufrago errante

o mar
           a serra
                          a mulher

           nas páginas abertas do meu coração
               plácidas como noites de verão
              estão escritos os vossos nomes

ondas ligeiras cruzadas azul ultramarino e espuma alva a adornar o navio

o cume aceso
                   pinheiro silvestre 
                   alecrim
                   rosmaninho
            cobertos de neve e gelo

a quimera de uma noite morta  

ao leme
            que a barca orça
                                    a vela rasgada

            encharca o vento
                                    de espuma salgada

a vaga varre a proa

                            sacode as escotas

range o aparelho
                            cega o timoneiro

                  ao leme marinheiro
                 que a morte espreita
                    deus nos valha

o mar rasgou-se

                  há rajadas de alegria
               na magia incomensurável
              provocada pelo firmamento
                 em movimento circular

as estrelas escrevem poemas

cadáveres esquisitos

                   orgasmos a residir 
             na glória do relógio inerte
         da casa dos vivos e dos mortos

          prémio 
                     ou
                           castigo

as marés vivas sem nome arrastam para a areia longas cabeleiras entrançadas

brilhantes obscuros de quem ignorou 
       
          os auspícios proféticos de mestre antão
                             para uns santo
                        para outros charlatão

sentara-se na proa a alisar as barbas malhadas de branco e entrançadas pelo descuido de quem desperta sem querer despertar 

uma gaivota esquelética rondava o pontão de sueste em arcos defectivos
com as asas descompassadas na cadência nativa do nascimento da terra

o mar não o via
                   com a clareza súbita
                                        de predador avezado
ao sangue da superfície

olhos extenuados de tanto olhar
         não ousava aterrar

         as adriças açoitavam os mastros despidos

                  madeiro alto de súplica 
                                                   corroído de sal 

ruído de címbalos decadentes desarmónicos a anunciar a missa de fim de tarde

os dias corriam lestos naquela manhã cruenta apeada do seu cargo natural

o sémen esgotado por noites doridas anojadas no leme calejado por mãos de dedos cortantes aceirados pela ferócia das vagas cruzadas
vagas encapeladas dos cabos que resguardara nas navegações sem rumo de agulha de marear fosca e imperscrutável

afastara-se das pontas de terra que penetram as águas

das escarpas das costas até à invisibilidade dos pormenores e dos pontos conspícuos

arredara-se para a segurança das águas profundas que por benevolência aumentam a distância das popas das ondas penteadas em cume de montanha submissa onde o coração pulsa lento e pacífico

            longe da rota dos grandes cargueiros
                    e dos monstros oceânicos
                   não podia dispor do destino

os seus passos milagrosos no espelho das águas azul-celeste e o ponto marcado na carta amarelecida pelo tempo ignoto e pelo salitre não eram seus

não poderia dispor do acaso

o vento leve e falso fazia abater a embarcação que rolava e que seria o seu catre e esquife

deixava-a ir a correr com o tempo maldito
de nada lhe serviria contraverter o querer do mar arrebatado em fúria

mar-mulher
                   mar-pai
                                mar-filho 
                                                mar-tudo

sem ansiedade olhava os limites do futuro
a incerteza dos passos marítimos a tocar as nuvens brancas e luminosas das ondas a jorrar

deixou-se embalar pelo movimento enternecedor desfrutando voluptuoso o medo desse momento mágico

            sabedoria de azul cromada à deriva    
o amanhã poderia ser um túmulo perene nas amorosas águas do largo na bonança do serpeado contraído
               e surdo

ouviu-se um acorde de dó maior no corredor escuro da casa grande do embarcadouro 
alguém soletrava palavras de versos salgados que ecoavam no horizonte cinzento-pérola
maresia e acórdão entrelaçados em acto de amor

ao fundo da rua estreita via-se o céu carregado de sombras e a lua timidamente a espreitar

uma cantora com uma garrafa de rum ao peito encostara-se ao garrido papel de parede descolorado por alucinações larvares

            não se iria deitar sem homem

no ferro-velho do pontão norte encontraria pelo menos um velho mutilado ou um magistrado embriagado
               iria beber o licor da volúpia
              num qualquer vão de escada

 enquanto o mar descansava nos degraus do cais

o mastro da grande toca as nuvens com brandura

nuvens baixas com cabelos de prata ondeados ao vento de leste

o luar varre a vaga

                   lanternas de mil barcos
                       em vigília sonora
             com velas remendadas tremulando

pôs-se o sol

                   o frio veio

                                           o medo mistura-se
                                          com o místico prazer
                                           das flores coloridas
que à superfície
                   toldam o azul nocturno
                                             e a luz cristalina
reflexo áureo da corrente quente das lágrimas de pedra

entregaram-me ontem
                     de novo
                                 a chave do oceano

há meses que escotas e adriças me não correm pelas mãos calejadas afinando o rumo aos teus seios salpicados de sangue
o mar bate nas costas de ilhas despovoadas que se enchem de pedras negras raiadas roubadas às praias rochosas e desertas
aí vivem fantasmas de marinheiros mortos a entoar em coro a triste canção do velame despedaçado e do tabuado negro à deriva
e à noite 
quando as ondas se desfazem em longas cabeleiras nas praias ouvem-se nas canções longínquas os gemidos dos navegantes

                          ah essa febre que me vem
                                      que me entristece
                                     e incendeia a tarde
                               que desce sobre o mar

                                    bebe-a tu amiga

       faz teus os meus espinhos
            as minhas mágoas
      meus lamentos e saudades

                   porque o marfim da tua alma
                      no alabastro de tua pele
                             não consente
                          ferida e desventura
                          febre ou amargura

cai a noite
a boda vai findando 
                              lentamente
sem música
                 com a felicidade única do vinho
na rua principal do povoado o silêncio
o mesmo silêncio gelatinoso e sepulcral do campo-santo onde dormem quimeras ósseas de vaidade e da nobreza sem vintém

dói-me o corpo
                      quebradiço em arco
                                              não há para onde ir
                                        o último navio fantasma
                esgueirou-se há séculos
pela fresta da porta de castanho cozida pelos anos doridos da guerra
nele partiram todos os meus sonhos todas as minhas transparências a minha vontade argêntea os meus desejos laminados a ouro

                  ficou este som de morte
          preso por um fio de inócua aranha
               a desenhar a flor do mundo 

uma espada flamante no bosque bordejado por trilhos insondáveis
fascínio de encantamentos
o outono é a estação por excelência e mérito conveniente à dormência no sossego das folhas cor de fogo

o aroma a sangue dos castanheiros abatia-se sobre o ribeiro das primeiras águas mornas no ardil das lamentações

      a arca fechada
                   adversidade de dama
                    casada com marido
                     distante enfadava

mareava incerto em mares dessabidos e
               em terra deixara
                       quem augurava bem entesourada

forte como rochedo convicto

como um deus em panteão fervente

dobram trindades pelos seus taciturnos pecados guardados a sete chaves de prata

                         pão que comeu
                     pelo diabo amassado

brame mar

                 tu que arrastas as folhas soltas

                 nas marés vivas da morte

ruge mar

                 às doces estrelas
                 
                 da madrugada silente

                              esbraceja

                          ensanguentado

                          ao piedoso céu

                       à vida que ceifaste

                   pela chama de tuas mãos

                      no corpo que amava

                          posso amar-te
                      mas perdoar-te não

o corpo embrulhara-se nas ondas da costa donde se avistava uma casca de noz

havia mais banhistas praieiros do bronze da aparência

uma velha muito velha
                enrugada como ensombro ancestral 
toda vestida com chapéu de aço e aspeito de quem está prestes a afogar-se nas areias letíferas da arriba ouvia em rádio de mão o enredo de seu sonho asfixiado em alheia novela

num salto ergue-se um corpo majestoso como esmeralda encastrada em rubi a vagar no espaço
seios descobertos
                         com gotas cristalinas
ventre arredondado
                         como arvoredo cuidado
cabelos ondeados
                         à forma do prazer ajustados

                 o sorriso aberto de quem
                   sabe despertar o anelo

adormeci na areia quente                 exausto
sonhei que                                      te dava
em branco                               este caderno
ferruginoso                             onde escrevo

dar-te-ia com ele              as mãos do olvido
                       em desabrigo
             as memórias do esquecimento
                      cor de verbena

assombrada
ao sol claro
de primavera
quimera
de poema solitário
nos versos de ninguém

o mar morreu
                                   já não tem espuma
                 nem ondas
                                          nem marés

               morreram-lhe as lágrimas

                           salgadas
                    
                        e este caderno
                               é teu

os jardins  
                                   junto ao oceano
           foram invadidos
                                   por uma maresia frenética

pelas raízes
dos corpos
de velhos navegantes

                       cabelos orçados
                             ao norte

                              cariados
                     nas pedras submersas

                             abismadas

onde vagueiam cardumes de douradas cantando o silêncio dos túmulos 
errantes como gaivotas em noite de temporal desfeito

as ondas crescem

o mar revolto

faixa negra no horizonte

ao leme
                   ao leme

                                      gente

                          não há braço que aguente

riza a grande

                    recolhe a giba

                                            iça o estái

                       estalam chicotes
                     na espuma desfeita
                        a morte espreita

força ao leme

                       diabo

                                  proa ao vento
             
             prepara a capa

                desabam cristas a meio-navio
                            há mar fora
                          há mar dentro

                               medo

                         orações caladas
                            balbuciadas
                       ais ao vento norte

montanhas de água
                            a desabar no convés

       patrão veja                   a escota ensarilhada
   a grande rasgada                  o estai de viés
 que deus nos proteja              já vejo a morte
    de azul vestida                  de escuma ornada


no mar sepultaram os náufragos os últimos esboços do livro de bordo

o caderno branco das lembranças registadas ao pôr-do-sol quando a faina descansa

             cores quentes diluídas pelo sal
                      cores agora frias


o bafio da velha embarcação      a teca do convés corrompida pela soberania fúngica

as escotilhas deram de si        o piloto anónimo veste-se de estopa

no horizonte a ferida astral de um novo continente

rumo e estima na água em que os céus se apoiam e as nuvens se reflectem envergonhadas

não há quem das escarpas não imagine solidamente os vórtices da alma
               e a inexactidão do meio-dia solar

a tarde envidraçada na marina esboça gente nas palmeiras        porto das aves hirtas que descem da colina petrificada aos pares

um silvo corta os ares ainda por florescer

                     os relógios pararam
  um veleiro apresta-se        o rumo da solidão
               até às raízes da glória obscura

uma cicatriz na face do patrão é prenúncio de mau tempo
o eco do marulhar entra no coração pelas frestas sanguinolentas

a paisagem cola-se à proa

            lá fora o mar chora como criança
        o barco avança pelas nuvens em erosão
                 talvez uma última viagem

perde-se a vista na neblina
                                      parte lento
                                                     três nós

enquanto a hora da torre recomeça a contagem do tempo

luzes            quero luzes

que descalço caminho

                                         no sol por levantar

                       onde nem pó

                             se vê

                             nem os rios que correm

              nas lágrimas de sal

         do coração palpitante

acendei 

luzeiros

                                  que cego 
                                 julgo estar

                                com a alma 
                           a cavar centelhas
                            no mar profundo

onde me afundo

pés que na terra não poisam

no caminho perdido

                               a lua em foice

cheira a antigamente
           nas folhas do espelho

pupilas baças
           de céu inquieto

           a ecoar
o mais suave e luminoso
  de todos os perfumes


no jardim devassado

o pescador

                    num banco de pedra
                         amor de amar

a barca corre com o tempo
leme de rugas a marulhar

                   o pescador de corações
                       morre lentamente
                       nas redes do mar

o fogo estrangulado pelas dunas desenha o teu corpo no regresso dos navios que irrompem pelas cristas da sonoridade oceânica
        
os gritos fecundos das águas em ruínas inclinam-se às praias desertas e orvalhadas
as janelas abrem-se a cada sonho que se acende na imensidão das sílabas húmidas

na sonolência o teatro da vida tomba nos escombros
           ossos de guerra milenar do passado

                          mudar tudo
colocar andaimes nos pisos do coração ferruginoso

infectar os olhos de espelhos fotográficos

não tenho fome
                                                   não tenho sede
     há um susto na noite que consome o tempo
o lado escuro das vozes das embarcações solitárias

o tejo canta no silêncio a crueldade do frio marítimo
    
os corpos dos pescadores são a paciência da peste sideral

                  os deuses estão exaustos
palpáveis e luminosos como convém à invenção da fadiga e do desespero

                            abandono tudo
                    olho-me metamorfoseado
     contaminado pelo sangue espesso do calendário

                   logo pode ser tarde
          os dias descalçam as paisagens
           e abafam os luzeiros da criação

conheço bem a liturgia das horas salgadas e a imensidão do deserto que cresce a cada passo na fulguração dos relâmpagos inquietos

voltar atrás

sonhei que estava de volta à cidade das épocas mortas com as suas danças e ânforas de vinho novo
                as festas de verão nas ruas
                 coretos de raparigas nuas

voltar atrás

                    amorável generoso e recto
             com o perdão nas palmas das mãos
              indiferente ao desejo e à aversão

os passos luminosos a penetrarem aparências e o coração vitorioso como um longo poema que fala de si no rebuliço dos dias isentos das enfermidades enviesadas

a tua etérea presença repleta de múltiplas flores nas faces rosadas
o puro canto do sabor dos nossos beijos nas alças do destino vindo do mar
a maresia pacífica da tua presença a permanecer na vida colhendo as lágrimas do desalento e da injustiça

                         os meus erros
                         meus pecados

voltar atrás

límpido como os cumes nevados das mais altas montanhas num passado violentado

no jardim de inverno a sedução da sarça ardente e dos grupos sangrentos de antigos gladiadores e das mulheres obesas dos pintores de outrora expulsos na rebelião dos portos atlânticos

                    os pulsos cortados

                     os ventres vazios

                  o matagal desbastado

                       a ilha deserta

              mares que não foram navegados

                      florestas incendiadas

          derrubadas as árvores de grande porte
                           restar-nos-á
          o consolo da morte nas cinzas das rosas



***


Sem comentários: