Este diário complementa o nosso site pessoal

( VER ETIQUETAS NO FIM DA PÁGINA )

USE O PESQUISADOR DO BLOGUE -

-

OS TRATAMENTOS SUGERIDOS NÃO DISPENSAM A INTERVENÇÃO DE TERAPEUTA OU MÉDICO ASSISTENTE.

ARTE

Pesquisar neste blogue

quinta-feira, 3 de maio de 2018

DESCONSTRUÇÃO VIII



Download dos textos de ANTIPOESIA ou a insustentável arte da falsa erudição em –



***



sonhei em vão

                                          não lembro
                      a romã aberta
                                         à taça alada

                   das palavras
                     retesadas
    todo sangue
                     tem um preço

                                        no cadafalso negro
                                        o cabelo recusado

ociosos carrascos
                          névoa que baixa
nos ombros anões
                          deformados

romeiros
             que se desfiam
             e tecem nos aguaceiros
             grilhões 
             escuros madeiros

                 pés descalços no manto
                   teia acesa da morte

o vento parou

                que fazes dormindo
               rio  amado e  rimado
                                            quando teu amante
                                            do norte já chegou

um doce aroma
                       percorreu
                       meu peito
                       aberto às nuvens

o pomar em linha
                           exibia
                           os vagões
                           obsoletos
                           da cristandade

telhados e antenas
                            telhas enegrecidas
paredes com rosto
                           de tijolos arcaicos
tudo tão macabro
                          como os habitantes
                          daquele descampado
                               sujo e pérfido

vacariça

                     um cedro decapitado
                vegeta no centro do pinheiral
                 cerzido por fetais e silvados

                         o trem urra

destino
           celorico da beira
           guarda
         sempre o destino larvar da inconstância
        estações incontinentes da inconsequência

o coração em desatino na preparação da viagem solitária
é urgente reequipar o navio

             impor ao rumo um espírito novo
              dotá-lo de uma alma renovada
    imune ao vendaval do sem-sentido-perpétuo

                a paz só floresce no novel

os minutos não estacam no jardim azul

verdes as ervas a escurecer

o banco de mármore arranhado pelas garras do desespero

o lago dos desejos a brilhar

uma alma aberta aguarda o viandante que não vem

palavras de arsénico dissolvidas cautelosamente num café frio
o poema                    um vaso cheio
                                             que se oferece
                                             ao poeta somente
quem entende
               quem o compreende
                          e porque é que se escreve

divertimento de semente a criar raízes de mortal augúrio num tanque de água quente
                       lodo e poeira
                a esvaziar lentamente
                 um antigo recipiente

a terra fecunda está receptiva

de seu nome maria

sabe a bainha estelar o melífluo lubrificante dos lábios
 coruchéu a receber o alimento minável vindo do firmamento

ah o céu das aves     a quinta jornada do criador

campanha do conquistador do mundo

na serrania a fixidez mística das urgueiras inibe a semeadura do pão
assim estou eu desabrigado e sem querença     patético
                 sublimemente emparvecido
                  raiz de torgal sem usança

                    ignaro ao sol-nascente
                    desperto ao crepúsculo 
                     enclaustrado na noite

em mim a gentileza     
                            docilidade
                            humildade
                de um sarrafo avelhentado

ser humilde                          ser humilhado
                  cuspido por cima
que tocante     
                               dá-lhes a outra face asno

                  já agora cristo por um dia
                       mártir por um mês
                  esconjurado por uma vida

tenho limites
aquela casa continuará em ruínas incandescentes

o poema não terá título e o desastre das noites negras terá a idade de todos os momentos difíceis e das algas do tempo

não escolho                              disse o homem
                        esfarrapado

a ponte tem um só sentido

alicerces suspensos na
                                vontade própria
                                no ferro armado em
                                espiral
                                pelo porvir vencido

                         silêncio

                         solidão

espectros virtuosos tomam assento na luminosidade nocturna do grande salão

um piano
notas agudas
                    em quente melodia
as graves
               frias
moldam-se aos intervalos
                                     dos pavios
              que se acendem e apagam

lá fora um cão doente morre ao frio

           curva-se o céu no dia ensombrado
         um beijo prolongado na terra virgem

alto e baixo apaziguam-se
                                     tão serenos 
                                     tranquilos

       ah a margem das águas onde arrancámos 
                    dentes cerrados os juncos

             aí amámos os desafortunados
           amámo-nos a nós na fortificação
            imaculada de muros graníticos

na terra queimada soltam-se lamentos
nascidos das lágrimas da memória

noite de todas as ambições        coragem da perdição        a iniciação         há quarenta anos
                              ilusão
bem pode ter sido verdade ou pura imaginação
uma cave clandestina no anonimato da ditadura
mulheres seminuas
                             esgueiravam-se por detrás das mesas de veludo vermelho
havia cartas ao centro
                                 uma rainha de copas
                                   e um rei de espadas numa delas

             negócios sinistros encapuçados

o fumo do cigarro mais reles misturava-se com o dos charutos cubanos
frenética a erva adocicada sorvida pausada e vagarosamente
as luzes sorriam piscando para o ringue improvisado

         nos fundos encomendava-se um serviço
                            a morte
entrega-se sempre nos cantos da libertinagem

ninguém o dissera e para quê dizer
conhecia aqueles olhos brilhantes do mecânico de quem sem rosto vai matar o que rosto para ele não tem
no tapete vermelho do ódio rasgado pela vendetta um colt 38 ou 40 visível crespo e ameaçante

quem seria desta vez                     alguém 
uma alma que o diabo ou deus hoje já tem
             ou que não é de ninguém 

algumas estrangeiras do norte rodearam-me estátuas gregas vivas
                               audazes 
havia ainda uma venezuelana
                                quase nua
                                pele escura a brilhar
e portuguesas acanhadas mal-acabadas
lânguidas fêmeas  pedradas
curiosas                                és tu que vais lutar
palavras em charco de tensão muscular de quem aguarda disputa sem voz

a cidade nunca mais seria a mesma iria arruinar-me com ela luta após luta puta atrás de puta

o patriarca da família senta-se        obedeces primeiro não demandas e um dia mandas
       só sabe comandar quem souber obedecer 
                           cegamente 
diz com a solenidade dum pinheiro nórdico a resistir aos ventos do árctico 
trazemos nos corações a frieza dos rios gelados das montanhas nevadas e da negrura dos fossos ensanguentados
- uma faca acerada tributa gotas de sangue no vodka puro -

bebe
                                 o teu sangue
                é nosso 
com ele 
                     tropeçaremos
          nos cadáveres dos adversários

não há homem nem deus que não tenha inimigos e traidores
                      que não haja
lei 
    nem ordem
    nem pecado
    nem piedade

                    esquece quem morre
            corpo separado da cabeça rolada
                           é um nada

a hora interrompe o discurso        pesos pluma        o ringue improvisado         tira o roupão dizem
  
o polaco era baixo de vermelho e encorpado        eu alto de negro e magro
vozerio gritos estridentes das gaiatas
dois rounds a parar golpes      terceiro round 
dois golpes baixos do estrangeiro        raiva e ódio
um jab a medir a distância um hook frustrado um novo frontal a abrir luvas velhas      cross furioso
      jab jab directo        jab-directo e uppercut
           a lembrar a dança de shozo saijo
o polaco no tapete
                          cambaleante
                          arrasta-se e sai
                          esforço inglório
                          technical knockhout  
                                     e vai

a música martelava as paredes dos ouvidos inebriados
               sangue vivo no sobrolho
               dor no baixo-ventre 

as nórdicas despem-se

na mesa de poker centenas de notas

um beijo do patriarca k... a selar o compromisso a comemorar a vitória do terno de oiros inscrito em luvas de napa

                bem vindo ao inferno
                    dos vencedores
                           bebe 
                  usa as mulheres

disse

- está velho mas ainda vive -

há quem diga que na face macia
    de um papel se conheceu

     habituação ao cárcere voluntário do medo 
               em linhas vazias de caderno
                 aberto aos pés de enxerga

no repouso do quarto sem cortinas virado para a canção estelar do rio a correr pelas cinzas do deserto abrigava a imaginação dos espaços suspensos e das chagas incuráveis

abandonado à morte da realidade mergulhava no sonho 
                      seu irmão bravio
                                           vítreo

a força da idade na decrepitude do corpo fez com que se aconchegasse ao calor da lareira
                   em brasa húmida
                          salgada
 manta retalhada do desespero petrificado

         pouco era o tempo que lhe restava
           nas pálpebras incandescentes
                 dos punhos amansados
    a adormecer lânguido no espírito da noite

                                          ceia dos afogados

o cigarro

esta companhia a que falta o orgasmo

             noite e solidão aquosa

três bancos em linha

             deserto da sala expectante

o escuro passeia-se voluptuoso na negritude da escuridão plena

                  uma mão na caneta
                   um dedo na letra
               a outra no sexo azedo

má circulação nas ameias da mente
                                                   tão doente

ossos de extrema fineza

um cigarro morre
                         por não ter sido fumado
                               lava de vulcão

um cigarro morre sempre insatisfeito e ausente
como um cão
                   que se guarda
                   e não é usado
                   para guardar a gente

aquela árvore centenária ramos a espreitar o terraço evitado
                     dormita
              eu durmo com ela

no prédio em frente discute-se o rasgão dos calções amarelos

que será o dia de amanhã despido de amarelo vivo
ou de azul nado-morto

provavelmente uma lagosta cozida viva em caixa circular

dentes de gula cravados no enxugadouro de celerado paladar 

lacaios
            laços torcidos
             fatiotas pretas
              camisas brancas
enxovalhadas na surdina do amanhecer lacrimoso

palavras rentes das malfeitorias desaparecidas pela prescrição
                  e das acusações de favor

            delitos em pelota que já ninguém nota

uma criança chora
                              um órfão vê fotografias

a árvore acorda
com o zurzir da sirene 
da fábrica que na colina 
se obriga por decreto
a embutir colares-cristais-de-gelo
nas colunas sociais

            já não se viam os convidados da ceia
                     a casa deserta acolhia
                os rumores dos antepassados

pelas janelas cruas entravam livres e despertos os sentimentos das trepadeiras

um cisne mergulhava no lago de cristal

a estátua nua escorria gotículas de arco-íris

                          no vazio

doenças da alma
                                   que penetrais a carne
aliviai os pobres
                            órfãos 
                       de pai e mãe

          que a dor do espírito dói no corpo
          um doer         um tamanho sofrer
                   que remédio não tem

        e se não morrem da dor que padecem
       e que no corpo sofrem morrem da vida 
                         que não têm

na noite longa ouço vivaldi ouço sempre quase sempre        mesmo dormindo ouço-o
ouço-o até que os ouvidos me doam de tanto o ouvir

                       que encanto de dor – 
                             dor de amor

aí lembro-me dela 
                          pequena
                          frágil
                          magra 
negra de luto 
                   à imagem do mundo

                   caminhando sem pisar
                      o pó dos caminhos

                        lembro-me dela
                 de olhar vivo e profundo
               no escarpado e longo pesar

na face 
         a beleza do granito
                  por deuses esculpido
no corpo 
          o aroma do pinho
na voz 
        a melodia do estorninho
                   a inebriar o vento
                           atento
                  da fraga do barroco

       num amar lento e seco a perder de ver
        de quem espera a morte em segredo
                  para me não fazer doer

um trovão pela calada da noite
um relâmpago                      
                                      um tiro de canhão

artilharia pesada na neve sangrenta

botas velhas em pés de estilhaços

               a traição da tocaia
                      da pátria
               da madrasta nação

               pai que é pai pai verdadeiro
                        e mãe que ama
            não fazem de seu filho guerreiro

a cada dia cerram-se cortinas de fumo
acendem-se punhais pontiagudos de mar revolto

o palácio das torturas repousa na longa cabeleira do bosque desencantado

nada havia para além do horizonte sujo e pérfido
                              apenas
um despenhadeiro dorido
          que se alongava
                 nos herméticos braços do sol
e que se espreguiçou na luz quente da fé

a porta do terraço aberta às flores selvagens
            
           orquídeas que não florescem
          e fenecem na noite sonolenta
 no limite do nosso espaço contíguo à morte

na noite longa a paz imensa sossega a alma conturbada

as frases imersas na luz sucedem-se no papel opaco da consciência nascente

calam-se as vozes no terraço da casa ao lado e faz-se ouvir o doce canto dos grilos sem pontuação
a pontuação é importante
tão importante
                      como as abafadas núpcias florestais de tempos idos
                      desisto                        dizem
neste emaranhado descomposto
                                              inútil

                         e eu digo tudo o que é fácil

cai-nos nas mãos como o vento circulante
                                  que sopra nas nossas costas vergadas à mentira dos feitos históricos 
e a folhagem que morre
                                 nas árvores a bolsar restos de outono bravio

                          para mais

cruzar as palavras
                            é como cruzar as pernas ao frio do inverno

façam então o favor de não ler
                     o que me diverte
                     concordo com a vossa preguiça
                     e com a nossa idiotice
                     sagrada salobra sopa
                     da solidariedade assim

      nunca ireis saber de mim o que eu não sei
     benéfica vantagem de passar por esta vida
                   sem deixar rastro
de melancolia deserta

                            dois mil anos 
atravessados pela cruz de bronze
            odor de morte
                                 a ressuscitar
lábios a acometerem
                               na taça de luz

                      a solidão trágica
              dos olhos ainda por fechar

a tua história é a história triste de uma galinha voadora de asas curtas como os seixos da praia sem bandeira

rolado nas escarpas
                      um castelo de areia

galinha que voa nos subterrâneos 
                                 da fuga anil imperial

morcego churro
                  a voejar num copo de cristal
                                           a cacarejar 
                  anormal

o galo pia ao pintassilgo verde

                      e a galinha silencia
                       o galo pia pia pia
                o morcego no voo não se fia

                            mortal
                     a quem o ar falta
                       na mesa vazia

nos painéis laterais brilha a luz do círio

por toda a parte a sombra da vida

            mais real que todo o viver

     um lírio solitário agita-se na jarra límpida
                 movimento de leito vazio

              um coração aguarda em pé
olhar afogado no desejode todos os segundos
                frescos e intermináveis

angústia suada de dia quente de verão

      um espírito confuso na soleira da porta passa pelas fendas da trepadeira dos sentidos

      o caracol conhece o universo na folha que o esconde e o cão de guarda na corrente que o estrangula

      a forca aguarda

      a cerca da consciência emudece o choupal

já é tarde

o sol pôs-se no baú de cânhamo em filamentos luminosos
              e as andorinhas diligentes
   adormecem num doce embalo os filhotes

alvorada

a cavalaria nas encostas move-as a trote

os montes em forma de mulher deslizam para o vale dos mortos

cavalo branco no planalto deserto

rufam tambores nas nuvens
o sol agita as bandeiras
espadas de sal cortam o odor do vento
ao sabor das trombetas

                          estandartes

a artilharia assente em cardos e musgo ressequido
aponta aos céus as peças em leque

                 uma dama borda em casa
                uma criança chora no berço

os campos verdes desvirginados por postes de alta tensão –
que tristeza a deles
nas extremas campos secos          algumas vacas

                 na forte solidão da campina
                campos e animais molhados
                adormecem o silêncio do dia

                      oh gelada dor –
                dois cavalos esquálidos
                  aguardam a morte 

a poeira cegara-o

um livro manchado
             com borra de café 
      do orgulho ferido
atravessou a manhã submersa
                         em quimeras
                         e ajustes de contas

as casas dispersaram-se ao sol radiante de telhas alheias

recebeu cartas de fumo tormento e lume
perdeu de vista o mundo
                    
alheara-se
                do rumo traçado num aeroplano feito de folha de caderno de escuma

o destino cumpre-se na sonda celeste do interior perfumado de cada flor de cada lâmina verde-opaco verde-borro
       execrável secreção terminal do quotidiano  

era o seu gemido de lágrimas silenciosas dor a aderir 
à pele vermelha por dentro a brotar angústia pelos poros geados por fora
                seu nome simplesmente tristeza

o muro alçava-se sobre
                    aqueles dois corpos deitados
                    num morro de luz azulada nas asas

debaixo do salgueiro choroso
                   dormitava uma melodia rebelde 

longe um trabalhador segurava uma enxada cariada pela terra enxuta 
com os olhos verdes de ódio escavava a terra cilíndrica que fora de seus avós

                      da árvore curvada
         nascera o sangue inocente das crianças
         e o silencioso sorriso das moças virgens
a roçar o leito cremoso da água limosa da ribeira

                  arpejo de suave perfume
               arrebatado ao vento solitário
 na serenidade crepuscular da alma temperada

pela fresta da porta rústica vejo o amanhã que é o mesmo que não ver coisa alguma
ninguém deixa o seu nome inscrito na pedra violenta do tempo

           tudo mais não é que jogo da ilusão
 dança de destino a brotar pedaços de carne viva
           no nascimento sofrimento e morte

                        prazer e dor
                            apenas

há pouco estava desassossegado e triste 
    
porquê 

que interessa ou ofende

              sempre o porquê das coisas
                   o porquê do porquê
            a essência da tristeza é a tristeza

estava triste                               já não estou

morta e enterrada a melancolia é passado
lembro-me perfeitamente de a ter esquecido

no passado cintila a forma das raças mudas

lua cheia que brilha na avenida inteira
que alumia lagos patos e uma triste rameira

o murmúrio cruel da minha natureza

                                             ergo o elmo

o veneno bebido na beleza de uma taça de cristal

                                        sala do império oval

derramo água viva
                           um estampido
                           alarido na ruela

              em montes de pó as medusas
             negam-nos o tempo e o espaço

              tiros lá fora

                se quiserem falar de amor
    aos lagos calmos descerá a sombra da vida
           numa única bala ao fim de tarde

breve vida em olhos pretos rasgados
             amendoados
de verdade
                mortos
                          de saudade

      o céu acinzenta-se

            nuvens altas matizam o tecto do mundo
                  em terra uma amálgama de árvores e mato

            alguns pinheiros curvam-se à moléstia
    
uma povoação
                    casas amontoadas
                    cores garridas
                    algumas por rebocar

apenas a igreja se destaca     haverá alguém a rezar

                       choupos solitários
                        num ribeiro sujo
              campos lavrados e por lavrar

na casa velha da colina deve estar um lavrador

alfarelos     pouco gente     quem sabe
o lavrador
              que empobrece alegremente

raios de sol reflectidos na mansidão das águas virulentas

um homem de enormes sobrancelhas coça o nariz

três jovens sorriem à voz esganiçada de uma varina     

algés

no outono esfria o tempo

uma mulher mostra os seios     provocatório decote

as pedras dos molhes parecem gemer em uníssono enquanto a brisa de sueste me roça a face

sozinho na multidão espúria     corpos sem espírito     
vida que é morte     poeiras da incúria      vida só a é a eterna na perpetuidade do momento

olho para dentro de mim     explosão     movimento

santo amaro de oeiras

um crisântemo aceso no candeeiro do quarto

música nasce da alvenaria branco-marfim

                            por fim
             mais uma noite sem moscas
               vagarosamente solitária

uma valsa de laranja
                                                aos gomos
harmonia
                         dissidente
                                          da vontade
          crepitante

mais logo
                            será dia
                                          a lareira
          já repousa

o inverno corre rijo pelas encostas da serra açoitando o que a ferros esteve
peregrino das purpúreas rosas de gelo
nascendo incólume dos anos de deploração
cânticos melancólicos soltam as faces frescas e sombreadas da vida
                         cobrem nuvens e rochedos de velado luar
a singrar vagas de bruma em barca encantada
                   no céu agora límpido

a luz do perdão passeia-se com
            uma mão-cheia de vento
brande armas escuras
           lágrimas do sino a rebate

volto a casa

uma pequena flor roça suavemente o relvado
curvo-me à sua beleza azul celeste solitária vibração de primavera estéril

                  beijo-a solenemente

           já não existem bandos arroxeados
                      de flores a inspirar
                     sorrisos aos insectos

guardava as conchas azuis cor de mar na última gaveta da escrivaninha 
                                por vezes
                                                estendia a mão
trémula da decrepitude
                                                    ao tempo
        mágico da grandeza do horizonte

                       a ferida não sarara
      um pássaro do paraíso na campina alegre
                      embutida na vidraça
                       de tudo dava conta

a tarde chega carregada de ilusões

no declinar do sol a tristeza do dia que finda

peito ferido de corvo branco em corcel de marfim

as muralhas da cidade com o lenço bordado de camélias acende-se ao tanque das trutas moribundas

soldados mortos nascidos no sorriso das praias de nordeste

tranças verdes na floresta ocultam o carro da vitória

dedos ventosos erguem-se das tendas

um odre de vinho derrama-se no limite da miséria

mães que os filhos criaram para morte inglória

na praça apinhada de asnos desse judas o olhar cerrado os teus em súplica abertos geme o coração destroçado à infame e vil tortura a que vais ser sujeito tu nobre e fera criatura com a mágoa no peito
              boca com boca no falso amor 
            beijo no próprio beijo contrafeito
             a olvidar o que em ti é pura dor
          vil estirpe em que tudo é imperfeito

            vos esconjuro miseráveis humanos
             nesta noite de perpétua escuridão
            raça que ao mundo só causa danos

a ignorar a essência  da compaixão

a miséria suspira no olhar que na fonte se afunda

vacas magras pastam junto ao caminho
onde um guia nos transporta pelas lajes do tempo ao meio-dia

árvores que enlouquecem     nos cílios os restos mortais sobejantes de amores gémeos

feridas iluminam-se nos casebres da aldeia

cai neve
          o vento ronda para nordeste

                  a ponta dos dedos frios
                     toca silenciosamente
                     o mundo que agoniza

o trem das sevícias

            para trás ficam todos os sonhos
 os tons de azul dos espasmos dos lábios secos
           os mais magníficos dos instantes

para além do horizonte dos carris prateados

                  a terra dos mortos-vivos

homem errante                      porque erras 
    como quem foge de seu próprio túmulo
           em imperioso grito de negação

do sertão acerca-se a morte
óculos redondos     a tocaia ensanguentada de sono     a morte jogada no relógio colorido do pulso decepado

               sorte de espírito boémio

            no mato estão os teus leitos
                     os teus amores
              o perfume de teus crimes
                a canção de teus feitos
              no odor das tuas vísceras

uma amante de água feita

                                     raio em lascas que ilumina o ventre das trevas

          a argamassa antiga cozida a cordel

      a meus pés um papel desfolhado na insónia

hoje varre-se o céu     a lâmina invencível da espada aprisionada na teia do frio aéreo


                                       etéreos são os gritos dos répteis que germinam nos bosques da fuga

tempo de míscaros
a cerimónia –
paus afiados nas artérias azuis das manhãs de domingo

o veneno        sangue espargido pelos corpos adolescentes     cantares da madrugada 

as bandeiras agitam-se no precipício     mãos ao peito cruzadas
tossem que nem tísicos os cômoros na liberdade que se evapora das esquinas

as ruas enchem-se de feridas que não saram
apinhadas estão as chagas por cães lambidas
              úlcera que se esvazia
o que é de uma importância vital para a poesia

os fantoches

                                      os dedos

                 um melro canta
        procissão da senhora da saúde
             virtude da rosa maria

o sino solta um grito primaveril nas flores tombadas do andor

a esperança entregou o corpo à saudade a alma à infelicidade

um homem perdido na viela do quotidiano

terra alheia à clareza da floresta submersa

um murmúrio de sapiência brilha nas nuvens negras
em baixo do salgueiro que se afoga paulatinamente

           nas folhas mortas ocas pegadas
       dos mortos que muito vagarosamente
          saem de suas nocturnas campas

as inúteis bibliotecas de espelhos lacrimejantes

pérfidos discursos        um mal presente o elogio do ausente
           a mentira
                                        as inconsequentes
promessas do amante

é dezembro
persigo dois caminhos
um não lembro
outro decorado a azevinho

como se tudo fossem flores bem acabadas
coloridas a perscrutar de mansinho a eternidade

                        felicidade delas
                       saudades minhas

santa comba dão            mais além nelas

as vinhas estão mortas e oliveiras entristecidas pregam o olhar no chão
um pinheiro manso repousa no telhado do pavilhão
giestais florescem onde antes ao som das cantigas as enxadas rasgavam a terra
vozes antigas das raparigas 
um pequeno laranjal alberga todos os planetas do mundo

na praça
                                    as marionetes grunhiam
                                      o povo repartia as túnicas feitas pedaços de entranhas
                                    das negras andorinhas

     do ocaso nascera a sorte de pobre cavaleiro
        cavalo morto pela pestilência do tempo

um grupo de homens descalços com a identificação nos rostos salgados encaminhava-se pesarosamente para a aldeia
caminhavam de costas com o arco-íris poisado nos ombros salientes
trevo e violetas cresciam nos cabelos escritos de mágoas        homens presentes perdidos com seixos do rio enrolados nas mãos encarquilhadas

uma velha conduzia um jumento à vara

pássaros mudos        vinho azedo        madressilva a roçar requebrada o salgueiro

             o sol caía nas ruínas da miséria

transformei as palavras mortas em seres mágicos        ora castelos de folha de oiro ora pontes submersas
pouco importa se as compreendo        são mágicas
plasmam-se por si na folha branca enquanto a viagem crepita nos carris
falam de si umas às outras encadeando a paisagem entrecortada por soluços

compasso de folhas de outono e frase dos fetos verde-vivo a rebentar na terra negra

são palavras-vivas inapreensíveis

                      palavras em mutação
            num sentido veloz e fosforescente

a literatura está cheia de palavras-mortas que teimamos exumar na corrupção das ideias circulares
estereótipos do minimalismo pictórico das fachadas cartesianas

sei
    sabemos
                que nada há de novo debaixo do sol

mas sei que tudo o que é mágico

e o que é novo
                                   não pode ser compreendido
o que é mágico é-o
                como a bolha de ar na corrente do ribeiro
               ou a pausa binária no pensamento

amanhã estas palavras já não mais serão mágicas

nenhum coelho sairá da cartola donde irão sair as novas ou mesmas aglomerações de letras que serão de novo
            mágicas e penetrantes

          as antigas foram sepultadas ao vento
         que passou e que não voltará a passar
            ficam as novas a aguardar a brisa
                 do pão nosso de cada dia

há dias que não têm ninguém para olhar com seus olhos condenados à solidão do corpo

o último comboio de quem não quer viajar em pássaros combustíveis percorre sonolento as estações dormentes

os carris untados de saliva diurna enchem a noite de cansaço

no som luminoso das juntas de dilatação

já pouco nos resta
                   para além dos corpos carbonizados
                   a jazer na berma dos acidentes da vida

no céu indignado as nuvens fistuladas por acessos de raiva espermática
deslizam na superfície da parede que se incendeia ao contacto do corpo efervescente
                          com a dor
                             dorida
                    do destino humano

e seja como for
as mesmas palavras
os mesmos gestos
os mesmos sonhos transparentes
a mesma chuva nas velhas vidraças
o mesmo inverno bolorento

a morte estava diante dele oferecendo-se como ode das coisas antigas das insónias imemoriais
batera-lhe à porta             desta vez encontrara-o
sem fé nas recompensas de um outro mundo
com o trevo florido na lua escura
e os dias a não contarem horas de sol
um canto suave atravessou a superfície do mar amarelo
violetas sangraram na neve
os restos frígidos das paredes caiadas de estopa
afundaram-se nas palavras de loucura 
um remo saudou as águas contra a corrente de frio mármore
as colunas dos palácios mortuários cederam ao peso dos arcos
              os portões reais abriram-se 
                   à voz da guilhotina
             a morte batera-lhe à porta
        enquanto o sol se punha atrás dele
            lembrando seu próprio corpo
          a repousar sob uma cruz verde

                        sem nome
dum mundo encerrado na concha vazia e inerte
             da vaidade e do orgulho

já não estás na esplanada
                  varanda para a avenida
                                           da vida alheia

                 cansaste-te deste mundo
                                                     partiste
deixando o vazio do humor

               na cadeira reservada
      nas garrafas quase vazias do balcão
         nas tardes lentas dos trocadilhos

          não quiseste ficar neste mundo
              e a morte deu-te as férias
                          da vida

férias transformadas no tédio
de quem não tem um poema para escrever
nem um quadro para pintar

               nem ninguém para amar
              no dia de todos os santos

mecânico o pensamento com sua grotesca aparência
parecia superar as barreiras do aniquilamento
vendo sem coisa alguma ver na parcelar abundância
a profundidade estridente
encerrava mortalmente a visão da estrada íngreme
sinuosa e em fúria
                
                uma única nuvem no céu

os ossos da memória vergavam o cérebro no vazio da avidez e da inveja dos edifícios calcinados na mudança frívola da autoridade calcada da avenida aniquilada pela dissolução do patético rol das lembranças

ao anoitecer a chama da atenção alimentava o fogo da criação nos escombros das necrópoles de portais escancarados aos vivos

                havia uma sensação de amor

recordações de corolas murchas no solo arenoso da alma e na atmosfera húmida envolta em insuportável imensidão de mecanismo gasto e ressequido
entes pálidos flutuavam        moribundos do pensamento
                pela brisa escura soprados
                dos mais profundos enigmas

a memória movimentava-se agora com lentidão

na essência da morte e no cárcere do tempo
                                      cinzas do passado

                     extinguia-se

noite da alma em solidão

no auge das marcas gravadas no asfalto corroído por rodados de aço
a palavra transcendia-se
na contradição do que é belo
                           em forma de mulher

despertara envolto em neblina
imberbe s. sebastião sem qualquer capacidade explosível

uma centopeia no vidro sujo da janela inclinada para o mundo interior e a erudição de três versos num papel amarrotado ali junto aos pés da cama espalhada entre flores

nas montanhas uma dor intensa        penetrante

regatos fragmento de fantasia
                                                       a ilusão

                                no céu
             aquela tremenda confusão de nuvens
                        a obscurecer o sol

                     raia a alba na porta
                  da velha igreja coberta
                  de brinquedos de neve

por entre as flores dos canteiros laterais vislumbravam-se ilhas de terra fecunda

                o ar do bosque longínquo
  fresco e odorizado como pássaro vagueante
         trazia o auge da primavera fria

o velho álamo despertava
                                          gritando de alegria

                         ao vento sul

uma folha amarela desceu vagarosa da árvore doente e a velha beata de braços enlaçados à cinta aguardava a glória do altar
                        do sacrifício

um fragmento luminoso atravessava a escuridão do caminho com as árvores negras fantasmagóricas a inclinarem seus braços ondulantes
                 para o eterno caminhante

o dia aproximava-se ensolarado e límpido

                      alma de vestal
              emoldurada na chama viva
  consumida na beleza momentânea do regato

o rio cintilante de natureza inquieta e o rochedo imenso do coração multicolorido na rosa vermelha do porão da bela feiticeira

                    inelutável a morte

a chuva miúda caía
com um corvo a esvoaçar



***


Sem comentários: