Este diário complementa o nosso site pessoal

( VER ETIQUETAS NO FIM DA PÁGINA )

USE O PESQUISADOR DO BLOGUE -

-

OS TRATAMENTOS SUGERIDOS NÃO DISPENSAM A INTERVENÇÃO DE TERAPEUTA OU MÉDICO ASSISTENTE.

ARTE

Pesquisar neste blogue

sexta-feira, 18 de maio de 2018

DESCONSTRUÇÃO XI



Download dos textos de ANTIPOESIA ou a insustentável arte da falsa erudição em –



***



                        donde vens
                                        viajante
                                                   do céu
                           do inferno

não

                  desconheço tais cidades
                                                     aéreas
                                      submersas
                    não conheço suas leis

                                  se nem tu as conheces
                                   que poderei eu saber
                                 para além do que já sei

                           a noite cai
                 há um silêncio devastador –
                         eu não penso

o vento sussurra nas folhas
        as trevas iluminam-se
                o vazio enche-se de deuses

                        a ansiedade amaina
                                da inquietude nasce a paz
                                        no suave ronronar
                                                das águas do rio

                          uma ave pia
                            tudo pára
                   ao encanto da sua voz

                   adormeço 

numa fogueira de velhos galhos adormecidos queimou todos os livros sagrados
cremou todas as religiões todas as ideologias

                           das cinzas
                            nasceu o
                            salvador

que em novo lume
      lhe queimou o ego
            derrubou todas as muralhas

e daí
nasceu o amor

não tinha ninguém
mas parecia ter toda a gente
suportava heróico a solidão encurralado no átrio do palácio das mil e uma vozes
o luar brilhava nas paredes do silêncio com testa de marfim
a ramagem da árvore do acaso penetrava sorrateira nas duas janelas opacas de arte contemporânea
e as aves descuidadas faziam as necessidades nas telhas do vigamento e do ripado sem telhado
                  era um lugar secreto
           para um homem só na multidão

               há um sudário no céu
              há um sudário na terra
        e um homem que nunca repousou

morrer
           talvez
                       antes morrer do que viver
                               eternamente
                              a sofrer a cruz

a pronunciar orações populares nas horas de angústia e tédio 
virgem maria
                    minha guia
                                    vosso manto visto
                vós sois meu escudo
               vós sois minha espada
se alguém mal me quer
                            se tiver pernas não ande
se tiver braços
                            não desande
se tiver boca
                            mudo fique

se ouvidos tiver
                            surdo seja
se dos olhos vir
                            cego me não veja

           porque vós virgem santa
                     luz da luz
              minha madrinha sois
               para sempre amém 
                        jesus

           rio-me de ti              crédulo penitente
                   no instante do crepúsculo
                          à tarde tudo muda
na terra odiosa               martírio de loucos
              pobres do dia a apodrecer
desgraçados sem fé
                   pó levantado os cega
                                           no deserto
das luzes moribundas
                   oliveiras de sangue
                   ataúde em carreiro


humilhado nas colinas desertas
flagelado desde tempos ancestrais nos flancos do seu reinado demorara-se nas estrelas
pingos orvalhados de luz a marcar compasso na composição celeste
as árvores olhavam-no com os olhos semicerrados e  
enquanto a lua deambulava quente as rochas ardiam na confissão que às pacíficas nuvens faziam

jovem rei de verso imperfeito a dividir afectos aos ventos do serão das noites frias de verão

o ar fresco corria-lhe nas artérias

implacável era a chuva a tingir a terra de vermelho

depôs a espada do ódio vencido pelos nevões amenos do poema 

viajou nu

bateu às portas de todas as cidades com as lágrimas escondidas

nenhuma se lhe abriu

as pedras eram a sua leitura os trovões a lamparina e os seus ossos molhados a certeza da viagem no coração dos pássaros a rastejar no chão do espaço

          houvesse um deus e deixar-se-ia levar
                  um promontório onde ficar
                          asas para voar

incerto no rumo triste do caminhar dos lábios a sangrar beijos   

não me culpo a mim                  não te culpo a ti
                        não vos culpo a vós
                     dos pecados que cometi

a minha
a vossa
qualquer 
voz
que na minha
alma ouvi

no fim
haverá
castigo
ou perdão
inferno
compaixão

talvez haja
talvez não

e se a houver
- a ela a compaixão -
se ele a tem
na concórdia
do erro
com a
divina justiça
a misericórdia
hei-de alcançar
daquele
que o mal
não distingue
do bem

amor pisado
                   pelos mortos antigos
                                                 de mil flechas
                                    aguçadas

quero partir                   morto de tal sorte
             como sol encoberto 
                   no planalto

a terra treme

o rio galga as margens

assim me afundo

assim parto

                        no senhor deus
                        que a liberdade 
                              me deu

uma dor aguda expansiva
penetrava a essência da beleza
rasgava o corpo em dois o amor em três 
sacrificado nas colinas a sul

livre da ambição
                     ardia sem fumo
                                 e todo o meu ser tremia

a chama brilhava incandescente no topo do bloco de pedra inerte agitada pela brisa do entardecer

recitava em silêncio uma oração sentado nas ervas da orla do campo cultivado lado a lado com flores silvestres

sonolento preparava-se para dormir ao vento
garrafão de vinho novo ao lado por abrir

era cedo para beber dos deuses a bebida deles preferida e de si única amiga

a aldeia dormia ofegante entre postes de madeira

o galo ainda não cantara

numa janela espalha-se uma luz

                      alguém se prepara 
                       para mais um dia
                            de miséria

chegara não se sabe donde com seu sorriso luminoso e olhar cintilante
as flores desabrochavam nos seus passos
os cães uivavam na profundeza das suas entranhas
e os seus gestos afáveis de criança eram embarcações lançadas ao mar bonançoso
nunca iria dizer-nos nada absolutamente nada do que sabia
para sempre omitiria a verdade

sentado na carruagem do esquecimento de si e das recompensas
na paisagem corrida apenas a humanidade mergulhada em doutrina impura de ídolos sacralizados
o véu do tempo beijou o sono primaveril inundado pelo cantar orgíaco das cotovias

                 afinal somos todos fantoches

na capela lateral a santa olha em todas as direcções atenta aos pecados soletrados por velhinhas e antigos escravos de negros porões
à tardinha ouve-se o perdão de uma ave-maria 

espero em vão as penas do purgatório enquanto tu segues o rasto da lua nova

os bosques densos e verdes com árvores em flor esbracejam

                   em terra alheia me perdi
                em noite longa me encontrei

já vivi numa estrela

                               azul

fazia a travessia do mundo com lenços brancos a acenar

no cais de pedra negra confessor de todos os segredos que podemos ter que se podem dizer

                          agora vivo
                      numa mansarda
                   verde a amadurecer

enquanto no infinito
                             num dos seus pontos
                             estás tu
                              
                              esplêndida
                              fonte de luz
                              na noite eterna

viajante sem norte movendo-se como esmeralda
imóvel nesse e em qualquer outro lugar

                   centro do infinito
                     eterno retorno

chegaram os primeiros anjos
            
cedo
tão cedo que mais ninguém ocupava o adro naquele dia de calor infernal

a procissão iria começar                                 lenta
com o senhor                            ajoelhado no andor
a suar                                              sangue divino

o corpo inclinou-se junto ao altar dos sacrifícios
a luz do ensinamento penetrava na pele porosa e crespa alheia à palavra e aos ditames da razão

                nunca mais seria o mesmo 
                 o coração transfigurou-se

os sentidos penetravam a essência das coisas mortas naquele movimento incessante da lua que rasgava lentamente o véu do templo iluminando o fio de poeira suspensa
ele ali estava como também no odor húmido do vale e para lá de todas as montanhas purpurinas

      nascera humano
            nascera homem
                   na casta mais elevada
em lençóis de linho ornados por rubis esmeraldas e folhas de oiro escondidas no mais profundo dos porões das naus
seguiu a religião de seus avós compreendendo sem entender as escrituras sagradas e em tenra idade acedeu ao eu e ao não-eu
de si para si atingiu o seu próprio si identificando-se com o sempre-eterno
libertara-se                       tornara-se independente

                     onde estavam os dois
                    não havia dois mas um

quantas folhas derramaram o seu sangue no solo ferido pela ave do tempo até que o atingisse
ninguém o sabe ou saberá nem mesmo o um sem tempo e medida
muitos foram os dolorosos nascimentos muitas as agonias da morte muitos os espinhos da vida gravados na trave mestra da casa das histórias

     agora restava a luz do meio-dia sem sombras

em vão citavam as escrituras que diziam sagradas
tão sagradas julgo como os projectos góticos e modernistas das pedras aguçadas por ponteiro retorcido ao vento do sul

ofereceram como sacrifício um cordeiro inocente
do seu sofrimento escorria vagarosamente sangue negro

cumpriam escrupulosamente os ritos das basílicas como quem quer contar todos os pombos da cidade suja

adoraram deuses esculpidos pela imaginação delirante dos profetas em noite de embriaguez inundada pela luz ténue dos archotes das janelas adormecidas

                nenhum atingiu a libertação
        nem a iria atingir mesmo que vivesse
                   cem vidas de brama


fim de tarde

encheu um saco de moedas de oiro ganhas nas travessias do deserto de sal que lhe corria nas veias aquáticas e lacrimejantes
espalhou-as como pétalas aos pés do sumo sacerdote

falsa promessa escrita com perfídia na poeira do céu luminoso
         a bula encomendada nunca o salvaria
                 a libertação não tem preço
nem qualquer acto astuciosamente construído sobre alicerces de efémera compensação

continuaria a nascer de mulher
      a sofrer interminavelmente
            até que a ausência do desejo
                  dulcificasse os seus sentidos
                          na rosa dos dias

                    anseio de infinito
                   sede de eternidade
numa tarde de outono com folhas a cair vermelhas violáceas doridas
deixando as pobres árvores despidas

na casa caiada           branca e ainda amarelada pela linhaça
           há uma luz que se acende
e aquela gente
- não os conheço nem sei sequer quem são -
talvez estejam a rezar nos últimos tições de braseiro de cobre
- penso -
da pequena saleta de inverno protegendo-se do inferno que na missa do galo devem ter ouvido pregar
esquecendo-se que o céu está moldado a estrelas e o mar um brasido a crepitar


a noite dura na impensável longevidade do cosmos
corre sangue na ladeira iluminada por velha estrela de prata
uma das poucas que a cidade desordeira não ofuscou
à porta da catedral de três bicos um homem de tenra idade jorra lágrimas efervescentes de sentimentos contraditórios
matara-o a morte do amor do ciúme do ódio e do rancor
aguardaria com as mãos crispadas no coração contrito o perdão dos séculos aguardaria sempre mesmo depois de morrer com o coração exposto no ventre aberto

o pastor mirava atónito o cintilar da estrela da manhã
os chocalhos irrompiam pelo renque de pinheiros montanheses vergados à violência das neves invernais no esplendor do desassossego íntimo da natureza inóspita
o céu atraía o movimento violeta dos olhos de prata e das brisas de caminhos sem retorno
anos de transumância de noites dormidas ao luar que nunca foi mais do que luar porque se fosse mais do que luar já não seria luar e seria certamente diferente
história simples da simplicidade agasalhada num capote de palha entrançada sem cama sem avidez com sonhos de calor mutilados por mãos descobertas orvalhadas gélidas mãos doridas rasgadas por cicatrizes de amor olvidado
à frente um dos cães na vegetação solene e rasteira ordenava o rebanho na demanda da erva fresca do planalto do cabo do mundo
daí poderia cair-se no último dos abismos
a partir dali o desconhecido sem espectros abantesmas ou delírios
o olhar cessou nesse horizonte infernal e 
                           fez-se luz

caminho com o destino de mãos dadas com a felicidade do dia
morte do sofrimento passado

                sem que saiba ao certo
      donde venho ou se sou eu que venho
 ou um qualquer espectro sombreado a bronze

            companheiro deste outono
            ligeiramente matizado
            de prazer e dor
            desespero e esperança
            ódio e amor


trombetas tocai cinco notas

cantam momentos de sol bastantes para iniciar a marcha

cuidado os morteiros os canhões a cobardia dos varões destinados às medalhas de oiro vermelhas

papais

as moscas de vinte patas pousadas na mesa morta anunciam a chegada de novos cadáveres juvenis lívidos
pombas de reino cinzento ceifadas

           que tudo esteja feliz e contente
            eles morreram jovens e belos

nós vamos morrer amanhã
                                     se deus quiser
                                     se deus quiser 


sentado à porta da taberna num enorme copo de vinho amadurecido por longos dias de espera deixou cair a cabeça nos braços ressequidos
o vento sulcava-lhe as faces enquanto ouvia o rumor da folhagem da dócil tília
não havia nele qualquer impulso psíquico para além da vontade de beber a vida no escuro néctar avinagrado

                         nem querer
                       nem conhecer
                            nem ser


estou em casa                     pequena casa de pedra

                          a gruta

cada vez mais sozinho
não porque o não queira mas porque o quero

poderia dizer
                   aqui jaz
                   em vida
                   sentado
                   em banco
                   de nogueira
                   quem só
                   se diverte
                   e só
                   em paz está

                         deixem-no estar
                       não se atravessem
                         no seu caminho

que o último dia do mundo será um dia de outono com as folhas a cair como lágrimas na terra fértil por arar
a humanidade irá recolher silenciosamente aos túmulos abertos pelo coveiro do universo dividida em covais cinzentos onde botões de rosa murcham 
aves elevar-se-ão nos céus e apenas elas habitarão uma nova existência de sonho e bondade
a chuva copiosa ácida nivelará todos os contornos até que o fogo sagrado a extinga reduzindo-a às cinzas do presente e do passado

só aquele que mergulhou o espírito no lago do conhecimento e que percorre a vereda luminosa da realização
renunciando ao fruto de todas as acções
entende que só o pedaço de corda visível ao crepúsculo é real e irreal a serpente venenosa gerada por imaginação febril
nem as águas sagradas e envenenadas do ganges            nem esmolas             nem prânâyamas
nem as acções ainda que incontáveis como todos os grãos de areia de todos os desertos da terra o conduzirão à presença de brama
apenas a discriminação entre o real e o irreal
o desejo de libertação
a morte do passado e vivência do eterno-agora
permitem que a escravidão seja reduzida a cinzas

            tanto tempo a procurar deus
          busca sem fim na vereda vazia

afinal
       teresa 
                em ávila
                            estava certa

                        deus
          nas panelas da cozinha

sim àquilo que é                  seja feita a tua vontade
seja mal ou bem                 nem contra nem a favor
venha o que vier                                      o que for 
e o reino dos céus                            espaço infinito
nascerá em ti                     imenso oceano de amor
                   na saúde da alma 

cada homem tem um tempo que está por detrás de tudo
exortação esquecida de pássaros a roçar ao de leve nas telhas do casebre do outeiro
as estrelas também têm o seu tempo
como o orvalho pousado nas folhas amedrontadas da berma do caminho calcado pelos pés acorrentados dos poetas líricos

na adega fresca e sombria estão os mortos de antigamente juntos com os de hoje
bebendo em taças com fezes de vinho mágoas cadentes
estalactites pendentes dos astros do firmamento

               alguém chora escondido
- não posso nem devo dizer-vos quem -
        agasalhado em velhos jornais e cartão
               donde nasce acorde de viola
      como corpo de mulher a gemer e a trinar

                    não chores digo
                      vamos juntos
                   mendigar o amor

a teus pés amor rezo esta oração
marca do poder de deus na muralha imberbe da existência donde brotam ramos de macieira florida de brancas flores

dobram os sinos senhor

chamam-nos zacarias ezequiel jeremias job e isaías
na agonia gemente
                            das crianças
                            sem baptismo
                            que são ser
                            e gente
                            nem crente
                            nem descrente
                 que à fome deixamos morrer

dobram os sinos                                     penitentes
e com gélido sorriso em vendaval de sangue abrem-se as portas do paraíso às almas de luto vestidas


noite escura
os sentidos estremecem como canas ao vento sul
o pensamento aquieta-se na fúria do vendaval

no mais cavado de mim
um mundo errante por descobrir
espectro do porvir

ouvem-se os grilos em sinfonia fantástica
no fontanário deserto

cigarras em acompanhamento harmónico

o relógio da torre toca a ave-maria

passos
o pedro 
- um dos pobres deficientes da aldeia -
mira-me com ar espantadiço

a capela do santo cristo de granito amarelo milenar ilumina-se
no silêncio o tique-taque do relógio marca compasso binário

                  as nossas respirações
            a comunhão na paz sem orações
                  palavras ou emoções

              serenidade de luz amarela
                à porta da igreja matriz
                     sinfonia fantástica


na grande via não há que evitar escolher
há que trocar seja o que for pelo amor
onde não há nem mal nem bem

                    porque quem ama
                    não erra não peca
                  não engana ninguém

apego
aversão
dualidade e conflito

se o pensamento morrer há vida
se o pensamento viver há morte

                         quem é não tem
                         quem tem não é

esgotaram-se as palavras na bênção da essência das coisas profundas
milagre de humildade da suprema virtude cultivável nas silvas onde as rosas florescem de madrugada no silêncio do canteiro imóvel

um altar no templo escuro santificado pela adoração dos anseios e medos da turba supersticiosa mergulhada na idolatria do passado


as sementes germinaram nos passos caprichosos dos peregrinos
a vigília de amanhã arrastaria parte da multidão para a glória para o âmago do pélago
porque a magnificência do primeiro e do último dia é como cirro no céu bondoso ou sorriso de velha além-túmulo com uma garrafa de água bem-aventurada na mão

não

o pai de todas as vinhas demora nos cachos dos teus cabelos ondulados de salgueiro entregue à esperança
               suaste neve de verão

sim

luz da manhã límpida no burel de morte que a vida enternece sugada ao teu amor
céu terra e mar num enleio divino de hora ditosa

                           seres sagrados
                    nenúfar do lago do meio
                          pássaro-paixão

guerreiros sentados
não tenho outros amigos senão vós


o eremita deitara-se em enxerga de espinhos
sem desejos                                    sem dor
feliz                                               rejubilou

                 nascera o vazio
              que não era vácuo
            era um instante amor

aquele que persegue o desejo de tocar o manto de deus nunca o tocará por ser desejo e o desejo muro fortificado
quando as dez mil coisas já não exercerem nenhum poder voaremos em liberdade


choro e não sei porque choro
- ou talvez saiba as razões -
choro e lamento 
                       já fui forte
                       hoje o não sou
não me conformo
em terra de ladrões

choro porque

                    há quem em segredo 
                         chore da alma
          com o rosto erguido e a face calma

porque este mundo é bárbaro 

bruta fera em covil grosseiro

vento agreste a arranhar pele de cordeiro

porque os governantes são feitos de pedra dura
que nenhuma compaixão perfura
imunes à dor na carantonha disfarçada

porque há crianças que morrem de fome
porque há mulheres que morrem de amor
e homens que morrem de dor

porque há mulheres maltratadas
escravas violadas
e crianças abusadas

porque há homens a sofrer
o pão que outros comem e
que eles haviam de comer

porque há guerras que matam
estropiam e decepam
os que com ela nada têm a ver

porque há tocas de oiro para os prestigiosos
fortes e poderosos
e para os oprimidos masmorras

porque há os que morrem de saudade
num quarto de solidão da cidade
e são encontrados a apodrecer

porque há crianças que morrem sem ter brincado
sem ter reinado
sem um único sorriso

porque há irmãos crucificados
na justiça cruel e sem siso
por crimes por outros cometidos
  
porque há tristeza e ansiedade
há melancolia depressão e agonia 
em gente miserável no dia-a-dia 

porque há quem noite e dia chore
e veja na cova funda 
seu maior consolo e alegria

porque há poetas mortos
que me dizem a chorar – 
ama e não queiras o mundo mudar

porque no meio de tanto pecador
                        de tanto culpado
                        de tanto criminoso
                        também eu o sou
                        por consentir no pecado
                        que me passa ao lado
                        e me provoca dor

então porquê

              se a ele nada lhe falta
                nada está fora dele
           não tem metade nem centro

                 reino sempre inteiro
                    uno no múltiplo
                    múltiplo no uno
             sem apegos sem aversões

esperei no mundo ver-te                    sulquei mares
cavalguei continentes                     terras estranhas
                              estranhas gentes

pensei ver-te
                     mas não
tu foste sonho                                  foste miragem
névoa a esfumar-se na ilusão  de brumoso horizonte

continuo a procurar-te
ora doce e esperançoso
ora amargoso e duro
sabendo que não irei achar
o que à luz do mundo me trouxe


deixara de procurar a verdade      seus olhos cristalinos apontavam o horizonte
                                                deslumbrados

           buscava a falsidade e a não-verdade
                 a sua mente era um espelho
                o seu espírito não-dependente

cada noite é uma tortura ou um êxtase
náusea ou alegria de viver

porque existo

existem flores nos prados quentes e muros que dividem desejos na areia ardente da tarde

o relógio não pára
envelhece repentino às portas da morte

dêem-me música e um corpo vermelho mudo de gestos e palavras
um jardim oriental e um caderno com riscas e pautas um caderno musical
uma valsa a fanfarra do destino intocável no rápido acesso à eternidade silenciosa
melodia tocada a medo por dedos gangrenosos que se quer magnífica e esplendorosa como as túlipas nos canteiros de vidro

existo só             triste e corajosamente só como a polar

as conversas patológicas do café da esquina são suportáveis durante o tempo em que a ampulheta vazia se esvazia nas bocas imundas dos conversadores
depois há que retornar às pedras frias da cobertura ao silêncio dos telhados inundados de antenas exóticas aos pombos a desembarcar no terraço e ao deserto das folhas que se soltam dos braços inertes das árvores gigantes que ninguém vê
e porque as vejo sei que existo e existo para as ver
se tivesse fé não as veria como vejo veria cristo mas cristo não é uma árvore enredada em magnífica sombra cristo é só cristo e nada mais

o vento sopra no deserto das mil e uma grutas
varre com as mãos desarraigadas o ontem
monstro apócrifo com cabeça de leão corpo de cabra e cauda de dragão a rugir ignavo
carregai-o para os confins da terra onde o precipício se abre 
depositai-o no espaço coacto do olvido onde a memória em descrédito já não penetra o espírito

o ontem morto                       sepultado o sem-vida

sem a inocência da criança subtil
                                               leve
                                               aérea
                                               e miraculosa

ceifemos suas raízes inodoras e pastosas os tentáculos corrompidos pela culpa que deslustra a alma ferreamente acorrentada aos ódios às iras à violência e à brutalidade antipática do embuste

o profeta clama no deserto 
que o passado morra                 hoje é um novo dia
dia santo no amor                                 do instante
na graça de vosso deus                  seja ele qual for
   o da eternidade do movimento brilhante e dócil
                      o que nunca cessa

as pedras espalhadas falam-nos do que já passou e que fica estratificado na mente repleta de fantasmas e vermes
o vento e a areia do que acontece e que ora aquece ora arrefece
sentimentos e afeições no pranto da asfixia no riso e na alegria dentro ou à flor da pele na delícia do agora-sem-tempo
o vento tem o seu tempo     a areia revolta também
o vento cessa                                       lentamente
mas o tempo do vento fica mesmo quando o vento já mais não existe e a areia repousa sem pensar no amanhã
oh a eterna inocência da natureza inumana a clarear as horas da essência sofrida dos vivos sem resgate

o mistério da vida
o mistério da religião transracional da trindade
há um mistério em todas as coisas mesmo nas estátuas que se movem de praça em praça evocando a morte do passado que se quer misteriosamente vivo e que teima em permanecer

aquela gente que se julga transparente ao balcão das lojas vazias nos estreitos labirintos do tédio é um mistério o seu próprio mistério na opacidade que guarda ciosamente um silêncio incompreensível e esotérico
na realidade possível e incognoscível

em surdina
a alma
quieta
nada espera
e no silêncio
se queda
o pote
de argila
quebra-se
no confronto
dos dias
já a vontade
estando lassa
               e do desejo nem lembrança
                         paz que a alma
                     em sossego alcança

ah teresa de ávila se eu pudesse amar como tu amaste esse teu amado nesse coração doirado
que ventura que êxtases eu não teria
que homem-deus eu não seria
atendido por anjos em santos orgasmos nados a cada minuto num dossel abençoado
                   perenes como o céu
               eternos como as orações
                  do filho crucificado e
                    pelo pai venerado


já não consigo dormir              ou pouco durmo
nem os sonhos são inesperados

o papel branco cobre o teu rosto de texto

não tenho melhor imagem de ti do que este silêncio sulcado pela noite de coral

os meus olhos percorrem as conchas escondidas no véu das dunas
um relâmpago atravessa os versos abandonados na berma

o céu respira infindáveis anjos devorados pela vertigem das crenças geométricas

a dor faz-me frio                                sempre o faz
a saudade sabe-me à lenta morte dos oceanos
          nesta nocturna sede de infinito

é tão breve a vida        e se houver vida eterna como será a eternidade da alma
- mas eu nem sequer sei se tenho alma –

e quem é que se salva
o mundo engana-nos        confunde-nos        tudo acaba

penso agora com pensamentos fugazes que já vi partir os meus melhores amigos
                                        onde estarão
                                  onde estás tu meu pai
também tu nos disseste adeus e eu impotente paralisado pelo terror a ver o teu passamento      voltarei a ver-te

não sei

ter-nos-á deus criado para vida tão dificultosa e para a perdição
- que sei eu de deus e da alma                     nada –
terei de morrer para saber        digo-o não sei se bem se mal

que fiz eu da minha vida        quando esquadrinhares jerusalém com candeias acesas irás encontrar-me como um degredado
a cabeça nas mãos os olhos cerrados encarcerado por uma legião de demónios no coração do pecado

que sei eu de mim                                          nada

o dia finda as horas escasseiam        preocupo-me com os meus bens e aparência
amores que tenho e tive
os meus miseráveis escritos que a ninguém aproveitam
os meus quadros                           borrões de cores

sem certezas sinto-te longe ou escondido       
porque te escondes senhor dando-nos por testamento tão atrozes dores
permite que sem hipocrisia nesta noite assaz escura profira a tua oração e possa dormir em hora tardia contigo ao lado
           porque quem ainda ama no
               egoísmo como eu amo
              quer sempre ser amado

a alma repousa no centro de todas as energias
plexo solar do eterno impenetrável        casa guardada por deus        porta sem trinco pelo vento aberta 
venha o visitante que vier
insondável ser

paz que se transforma em ansiedade crepuscular do querer

negra andorinha de primavera a abrigar os dianteiros raios do astro-rei

que o meu vinho não seja o fel dos dragões e o veneno mortal das áspides

                    doce é o mel da quietude
                               como o  sei

ninguém conhece o momento em que a luz dissipará o velamento da agnosia
ninguém sabe se apetece ou aborrece ao espírito do que tão escondidamente se esconde nos fetos do bosquete
não há quem distinga o cervo do amado

et verbum caro factum est

uma igreja
                                         um altar
                 a palavra antiga

                a verdade do sonho
                                            colorida
           por colunas e capitéis 
                                           pela fé
                                           em folhas de oiro
                          entesourada

                             isaías
                e o seu único senhor

louvai-o em lanciano

                  em santarém

                                        na hóstia divina
                  a transparência

                         carne e sangue
                             que vejo
                        com quem amo

                         corpus christi

a imagem que não consigo esquecer

                                                    viva
                                               ardente

igreja do santíssimo milagre

                       eu que duvido
                       que não creio
              que ninguém sou para te ver

a imagem da tua carne
                                 do teu sangue
                                 ao meu igual 
- a e também b -

não me deixa adormecer e se adormeço sonho nas chagas de teu coração
em teu fluido vital de vida a florescer na custódia sagrada

quando me darás um sinal transformando a tua carne na minha

                         um só espírito
                         num só corpo
                      livrando-me do mal

ave verum corpus


para chegar às paredes da alma basta-me cerrar os olhos
sem fazer qualquer esforço        não me empenho na abertura do seu portal
sem que o veja nem que o saiba sinto que se esconde nas profundezas nutrindo-se de luminosa escuridão
solidamente solitário        ilimitado limita-se voluntariamente
compassivo com raridade se oferece ao supremo banquete dos vivos de tão longínquos quanto iludidos 

perdida no horizonte a união amorosa
o rebanho não se alimenta no campo acabado de lavrar
para o pescador é inútil o rio seco e a ave ferida não pode voar
quando a ave se cura faz-se voo e não pensando que voa vagueia indómita nos longos cabelos azuis matizados de branco-cinza

                       oração de silêncio


um carro azul na tarde misteriosa fresco como a madrugada na estrada entre a terra e a lua
culminação de parábola comovente na plenitude de canção tardia no vasto silêncio do pó que seca aos pés da madressilva

                    seja feita a tua vontade
                   quer de noite quer de dia

o deus dos terramotos e dos vulcões alcança a alegria nos costados do velho ofício
dói-lhe o corpo          o espírito          as palavras
está cercado pelo seu próprio fado        por folhas secas
troncos sulcados por negras ovelhas

                e no cimo das montanhas
                  fecha os olhos cansado


continuo na aldeia          a igreja irá encher-se de mouros ou sarracenos
ora pro nobis porque não sabem o que fazem nem por que ali estão
ser cristão é saber benzer-se e ajoelhar no rumo sempre certo do altar
essa coisa da ressurreição é para os outros os que sabem o que fazem e por que ali não estão
missa de domingo ao sábado          conveniência da insuficiente vocação de corvos          coisa de judeus e idólatras
- mas o catolicismo é uma idolatria -      

deus verdadeiro tende piedade de nós
perdoa-nos agora e no passado        perdoa-nos o futuro dos nossos pecados
as nossas línguas têm a saburra da iniquidade e as nossas almas estão armadas com a impiedade viciosa dos nossos ancestrais 

vivemos sobre os ossos e pecados dos nossos antepassados


o pinheiro do meu jardim impiedosamente serrado
                                      onde está a sua sombra
                                      onde estão suas pinhas
                                      o seu odor

e tu meu amigo em que lugar foste abandonado ao sofrimento
                à dor 
                        da morte eminente

aquela casa
                                      a minha
             o meu jardim
                                            é um cemitério
                onde vossas almas
                        vigiam

             será aí o meu eremitério final

procuro a minha alma nas voltas da insónia

o balde não alcança a água do poço sedento onde o sol não penetra

há pequenas flores amarelas e ervas nas suas paredes
gotas de orvalho teimam em percorrer a corda agora tensa

o perfume da erva molhada invade o meu cérebro
dando notícias da alegria primaveril de prados e jardins

da minha alma
       nada

adormeço na superfície espelhada a escuridão

pela estrada um mendigo roto e esfarrapado a arrastar-se no cajado
a cada porta pede pão          um tostão por amor a nosso senhor
as portas calam-se          as janelas fecham-se e ao desgraçado chamam ladrão
sem que saibam
                       que é cristo menino
                       com fome
                       e frio
                       o escorraçado

erro atrás de erro no caminho da estreita via
retorcida a senda torta e entontecida
não paro
os passos cambaleantes transportam-me para um outro mundo de multidões exaustas pelos pecados que me atormentam nos nós dos dedos e tu senhor que devias vigiar a macieira dos frutos carnudos e as arestas limar navegas na barca da terra árida
mudo de compaixão estás perto de tanto e longe de tudo
junto a mim bebes das minhas águas comes do meu ázimo e conheces-me desde o princípio dos tempos decepcionantes
vês o meu pranto submerso em remorsos
os insistentes delitos
diabo porque não arremetes contra a lança do desespero e me soltas os parcos cabelos que não alumiam a noite nem ao dia concedem alegria
mostra-me a tua face ao escurecer para que durma à sombra das estátuas vivas da avenida florescente
não é em vão que te peço e me despeço ao adormecer nas ondas do mar sem fim e do céu cruel

perco-me sem ti
de que latitude parti eu que me desconheço
em que longitude sofro eu que me despeço
tudo é deserto areias sem fim
um coração que sofre arrancado brutalmente ao peito ferido

                           já nada sei
           a noite aproxima-se           eu sofro
         e tu meu amigo como me és encoberto

          és a criança pura com fome 
          a criança linda suja e rota
          a quem a morte espreita
          e a vida sem pudor repele

          criança pele e osso
          criança de olhos tristes
          que ao mundo sem
          querer ou pedir veio

                   criança do mundo
                      criança minha
                    não tenhas medo
              só tu não morres sozinha

                é também jesus menino
               que morre em tua alma
              branca límpida pequenina


as palavras são palha e exprimem um nada        são mortalha          nada que preste ou valha
perguntam a buda                        o que é o nirvana
ergue uma flor                                       e nada diz
houve um que entendeu                       ananda não
mostra-lhe uma flor                           ananda olhou
                                compreendeu
não eu              nem sei porque são tomás emudeceu ao êxtase de uma missa celebrada

                    a palavra é pensamento
                     e o pensamento nada

as escadarias sem fim 
        o céu longe da terra
            o amor longe de mim
                 não haverá chegada

os derradeiros raios de sol secam taciturnos nas pedras milenares fundeando no plano onde a fereza das flores se aquieta

a transgressão dos nossos primeiros pais fervilha no sangue da aldeia que fora tão cândida como a antemanhã da reminiscência dos inculpados

ah a louquice dos que entram pela noite cingidos por cobertas abrasadas
nunca alquebram sem se rogarem ao anjo que os abriga  na inspirada desolação do mal cravado no mundo      

firmes são as garras
                            do bufo-real siberiano
   recapitulam
              a altanaria
                   das fotografias
                               patentes
                                     aos tapumes
                                                 caducos 
          dos que se quiseram iguais ao altíssimo

     transparentes e eternos como crianças-anjo
          soberanos das melhores abundâncias
                carne exsudada nas virilhas

os membros tais heliantos em comoção constante num lugar onde o mal extravasa das fontanas inexauríveis
a insubordinação da razão          a neve da árvore da vida          o ceptro do tempo em anéis de ardósias vermelhas

enclaustrámos os olhos e deixámos nas nossas costas a paixão
             flor de todas as subsistências espermáticas
esbracejámos no mármore
                      nas estátuas de sal
                      nos espinhos acravados nos pulsos
                      no génio rural do rebanho
que se entorna na encosta nua e assimétrica

primeiro imortais
depois ressuscitados remidos do pecado original

o sol narcotizou-se no horizonte descontínuo
        
lua que a cada instante encarna em gente        as quimeras irão trazer-nos na pua da lança o ritmo do inferno e o enigma da anopsia da mente


um livro com solenidade estirado na prateleira de pinho cor de mel        
                   de seu nome onde não há médico
fechado e ocioso tanto quanto eu        envolto pela aura pacificadora da casa pequena da aldeia
casa de inverno ou loja da burra como lhe chamo
a casa das bonecas como lhe chamava meu falecido pai

moscas desconcertadas poisam no meu corpo vivo quase putrefacto          incomodam tanto como gente e como a morte dos dias lenta e devastadora

na janela um braço amarelo estende-se até à casa vizinha de meus avós há muito falecidos
as outras ruíram ao peso dos tempos intragáveis deixando por testemunho fragmentos graníticos

todos os amontoados da minha infância agora diluída nos lameiros do vale tristemente sulcado por um ribeiro sequioso        
a igreja mesmo ali de mão dada com a capela do santo cristo no dia da sua festa estupidamente profana e burlesca

onde estão as minhas crenças de criança e os sonhos lívidos da adolescência
o credo inocente agitado em latim pelos lábios rosados          a fé do século
tão puro na alva branca          confirmado na missa incompreensível de todos os dias          anjos e arcanjos que vi e ouvi          o cristo que me sorria benevolente e compassivo da sua cruz de mogno

a quem pedia desce tu da cruz para que eu possa subir

minha madrinha que na testa me fez o sinal da cruz
maria a virgem azul celeste           minha madrinha a mãe de deus e josé o patriarca meu protector
josé e maria        o sagrado coração nas mãos bentas e calejadas do carpinteiro de almas

                             josé maria

livro de horas        saltério        vésperas        terço
fé esperança caridade e amor tanto a beijar terra e céu unidos a queimar o rosto do sol abrasador do inferno do verão

penso nisto tudo
                  onde não há médico
                               onde não há deus

                   o deus que matámos
         que se suicidou no mosto da alegria
              deus que amámos e não amou

fonte que se esgota na fé que fenece dia-a-dia a cada jorna em cada eucaristia
fé razoável                                    patetice teologal


as mãos minerais do velho poeta ressoavam na noite
havia esgotado as palavras
                       as afeições                  os livros
restava-lhe o degrau da escada mística onde repetia
com devotas carícias os versos mais antigos

que diferença pode haver entre o céu e a terra
      
para além das nuvens das estrelas e das galáxias sentar-se-ão os deuses em tronos adornados às cores magníficas da luz

         reis deste mundo
                                  e reis do céu

                   mundo de contradições

                                  ilusões
                                  farsas
                                  delitos hediondos
                                  medos
                                  frustrações
                                  ódio e 
                                  desejos sem fim

                   mundo de incertezas

        céus de paz beatitude amor e certezas

guerra fratricida do impermanente com o que permanece

                         se nem a favor
                       nem contra nada
              céu e terra não terão fronteiras

devo entender que não havendo preferências a realidade será sempre a realidade quer na sua aparência quer na essência e vê-la tal qual é nasce do mais profundo do meu ser atormentado por espectros malignos

a neblina do espaço e o musgo avermelhado do tempo

a angústia da causalidade e o temível porquê

infantilidade crispada na mente aos primeiros passos ziguezagueantes 

            o reino dos céus está dentro de nós
               aqui nesta terra no nosso corpo
                     que é o universo inteiro

convertido
                           queimaste a madeira 
               do ídolo

                                fazia frio

          os mesmos monges de sempre

                                          a mesma palavra

           camponeses silenciosos
                                    com os bois vestidos
             transbordam de madrugada

     o sabor da terra alterou-se
       eiras vestidas de carmim

                        e as raparigas

os cabelos apanhados em espigas
        as pulseiras de cetim

                convertido queimaste as ruínas
                        morreste para a vida
                         nasceste das cinzas

escolher porquê e para
aprazem-me as folhosas seculares os campos ardidos as montanhas despidas o mar revolto nas suas afeições incompreensíveis
                    repugna-me o madeirame do lucro fácil
                    causam-me asco as casas que deformam a paisagem
                    galinheiros coelheiras roupa velha nos estendais e à mesa
                    pátios do nojo cobertos de ferro e desperdícios imprestáveis

a paisagem é um todo mal-encarado        caninos corroídos nas bocas ulceradas          as mãos da raça infectaram-na com o seu habitual mau gosto
pouco escapa à sua estupidez
                                          curtas vistas e
                                          cupidez natural
a criação vertida nas línguas asquerosas e maldizentes de povos que inventaram deuses anacrónicos e rasteiros

para quê escolher ante a destruição massiva da beleza original

                     nada de contradições

abaixo o mental
antes o sacrifício da soledade afectuosa

                    que morra o livre arbítrio
                   inconsciente ao crematório
                       e as damas ao bufete

que interessam ou podem interessar
                                      as minhas
                                      as vossas
                                      opiniões 
                                      ideias
                                      fracassos
                                      preconceitos 
                                      projecções
o bem edificado nas raízes do mal e o mal vertido em mescla de betão nas fundações do bem

a realidade é o que é
a árvore verde e copada          a casa branca da colina é rectangular e o porqueiro está imundo e fedente porque não é domingo

a ética infecta contamina o que é
diz-nos
fugi do mal e guardai o que é bom na arca doirada das benesses furtivas das divindades inventadas em papel de seda enrolado em patriarcas emprestados como se a vida fosse uma partilha de duas courelas demarcadas por cruzes ou por um qualquer rego de água conspurcada 

nem
      raiva
              ira
                   ódio
                           afecto
                                      ou amor
esse amor falso e repelente que é
                                      negócio
                                      contrato
                                      obrigação

                amor de ilusões e contrapartidas
                              amor nenhum

                          que morra o dual
                      vida seja dada ao um


há momentos em que adormeço embalado pelo movimento do aço nas juntas dos carris

nem o tempo cinzento na sua natural e doentia melancolia me furta ao acordar aquela sensação estranha e verdadeira tão verdadeira e real de que o céu é um lugar onde se dorme e não sonha onde se vive sempre como nesse fugaz momento em que se acorda em que nada se sabe e tudo se sente

antes dos seres havia o ser antes do ser o não-ser
e antes do não-ser os seres nascidos do ser nascido do não-ser
único e igual a si mesmo desde sempre
mãe da cíclica diversidade da unidade filha

não-realidade real a quem busco nesta noite escura da alma inquieta


tu pobre criatura que sabes tu
que o céu é azul e o mar salgado
os átomos tão pequenos que os não podes ver
a terra ora castanha ora verde é quem te alimenta e quem te há-de comer
que há guerra e paz ódio e amor fartura e fome alegria melancolia dor e tédio a cada amanhecer
que sabes tu dos mistérios por conhecer
sabes agora o que saberás ao morrer 

a lua viaja no céu vazio          há pirilampos suspensos nas sombras
uma lareira com paus de pinho crepita no abrigo da montanha
há mantas desfeitas enroladas nos corpos sofridos de dois mendigos esfarrapados pela neve e pelo temporal
uma côdea de pão verde de mão em mão
o lume arrefece um dos pobres velhos adormece
não sonha
o outro mais novo de longas barbas proféticas espreita pelo janelo a morte da luz a arrojar-se pelas pedras fúnebres do cemitério
                se morresse não teria frio
                a morte é sempre quente


só a liberdade e o amor me prendem à vida
       poesia
            pintura
                música
                             naturais extensões a enlaçar os meus braços ensanguentados pelo torpor inumano dos miseráveis de espírito

abro um livro pouco lido do poeta
                                                  e leio
quem não quiser sofrer que se isole 
feche as portas quanto possível à luz do convívio
o convívio pardo filamentoso do arco de poeira negra de comerciantes industriais políticos e de tantos outros anormais deste mundo
                       amantes do dinheiro
            prostitutos da riqueza e do poder
                                volúveis                                                  
                                  falsos 
                                                                                                             fungíveis
espíritos imundos de consciência leve

                         que o diabo os carregue

todos nós temos um demónio tal pedra de fogo na algibeira do casaco roto a esquadrinhar o fundo do lago
gravura bizarra impressa no sonho de fim de tarde onde penetra um amigo acocorado no canto da sala vazia sem que tenha sido convidado para o fuzilamento
uma águia na parede negra de lumes remotos poupada ao inferno das almas humanamente imbecis pressagia a chegada de moscas ferozes tristemente despeitadas no reino animal
na fome do amor infinito iludiu-se o espírito no espaço ocupado pelo bosque da ravina de satanás

                 o meu corpo é o universo
                      sou corpo-universo
            amo os outros como sendo eu mesmo
           agindo sempre como para mim procedo 

há almas brancas macias imaculadas
        irmandade dos impolutos
há almas negras escuras negrume
               da sujidade
há almas cinzentas com lágrimas dentro
                    de luto
há almas boas sensíveis amáveis
             compassivas à dor
há almas pérfidas pouco amigáveis negociáveis
                  do desamor

                           a minha
                         - julgo eu -
                       é assim-assim
               listrada a verde e a carmim


tinha consciência que a manhã chegaria ao abismo do coração ensanguentado

terras alheias num peito gracioso a arder com a firmeza de uma única vez a colorir o campo junto ao mar de silêncio

a paixão
            um novo tormento
            a vida desfolhada
            as palavras 
            que ficam por dizer

                em fogo vivo vivia abrasado
                      e tinha consciência
     que a noite viria para atormentar a sua alma


demando destruir a dupla doblez do dualismo        a externa que nasce do dia e da noite do frio e do calor e a interna do gosto e do desgosto
ah a unificação da embarcação com timoneiro de luz e trevas onde nenhum negro temporal abalroará os costados protegidos com a lona de todos os óleos do mundo 
poder sobre mim          concórdia do uno e do múltiplo do tempo e da eternidade
ventura indizível onde o fantasma da nau mastreada é a minha alma sem limites
governo de meus apetites 

diz-me onde te escondes para que possa esconder-me contigo
em que recanto da floresta interior encontraremos a tua presença 

qual é a tua essência

não há compreensão que te atinja          olhos que te vejam

os bens materiais bradam aos nossos cuidados e tu pareces estar longe
os deuses do prazer desfilam na mente oprimida pelo desejo
e tu és verdadeiramente um deus escondido vedado ao entendimento

aceito a minha ignorância e a ilusão de te ter atingido nalguma noite escura como aceito este resfriado incómodo

           não olvides que o tempo escasseia 
                que à beira-mar envelheço e
            até os peixes me olham de soslaio

mas o pecado começa na igreja
tal como ratzinger resta-me renunciar
esconder a minha preferência pela reclusão 
egoísmo calculista da desilusão

abnegação da terra          circuncisão do mar

questionaram-me quanto à causalidade do espaço     

                dizem
  
                            o espaço é deus 

                                                     não
     
o espaço é pensamento e o pensamento limitado
deus não pode ser limitado ou não seria deus 

          ao reino nada lhe falta nada sobeja

                   a alma da iluminação
            tudo abarca sem que o guarde
         espelho mudável da transfiguração

não sou eu que vivo        é a alma que em mim vive

          imortalidade que a cada passada crio



***


Sem comentários: