Este diário complementa o nosso site pessoal

( VER ETIQUETAS NO FIM DA PÁGINA )

USE O PESQUISADOR DO BLOGUE -

-

OS TRATAMENTOS SUGERIDOS NÃO DISPENSAM A INTERVENÇÃO DE TERAPEUTA OU MÉDICO ASSISTENTE.

ARTE

Pesquisar neste blogue

domingo, 20 de maio de 2018

DESCONSTRUÇÃO XII



Download dos textos de ANTIPOESIA ou a insustentável arte da falsa erudição em –



***



o h veio para o seminário encaminhado pela segurança social          tem apenas quinze anos dez dos quais passados numa casa de correcção de menores
              a prisão
               como lhe chama ainda que sem revolta palpável

              um brinco na orelha marca-o

é amável          irreverentemente submisso
não é o que parece ou querem que pareça ou querem fazer ser

os seus olhos afectuosos imploram uma bem-querença que talvez nunca tenha tido
a confiança que lhe foi desde sempre negada
por isso olho-o como amigo de longa data e digo seguro de mim
                       confio em ti

                pouco há para corrigir
é apenas um jovem que aspira ser desbastador de cavalos provavelmente relembrando os primeiros anos da infância em que percorria na carroça da avó as ruas empedradas e gélidas de gouveia sujeito aos olhares maldosos dos transeuntes

                     não há maus rapazes
                        há maus homens
               isso sem pensar tenho-o achado     

meu deus
               dormes ou não queres simplesmente ser incomodado

lembro-me vagamente de quando aclamava o deus de jacob

o verde dos lameiros brilhava ao sol matinal        as encostas da serra vestidas de ramarias eram menos agrestes e as velhas casas graníticas ruminadas pelos temporais mais acolhedoras
ressoavam trombetas pelos becos e vielas do lugarejo e os meus olhos estavam abertos às coisas renovadas pelo milagre dos dias

à cidade santa não se cerravam ouvidos e olhos
os ossos não mirravam na ruína das torres iluminadas pela sua face     
miseráveis na carne                   abastados de alma
corriam-nos no sangue os milagres do egipto

             vamos para a casa do senhor
                         gritávamos

saudades de sião

do alto dos céus pendiam anjos coloridos enquanto um único pastor com o seu rebanho espalhado pela colina colhia uma chuva de bênçãos
rei aclamado de moisés e aarão
                                              clemente
                                              compassivo
                                              luz de verdade
            
              o senhor dos exércitos
          na minha conturbada mente
               agora em debandada


      a mente das mil e uma coisas
      a noite dos mil e um desejos

contradições segregadas pela natureza do obsoleto

aquele que recolhe no seu regaço amarelo as escolhas pútridas de meia-vida vivida
                        no milagre das rosas
                           morre para noite
                            e para a morte

liberdade            peço liberdade
acordes de manadas de alaúdes

                    liberdade somente

                   este pedaço de terra
                          uma pedra
                       o rio e a névoa
                          unicamente


a noite é um convite ao banquete contemplativo

busco a noite escura de joão da cruz sem que a invente

não consigo fugir de mim nem ir ao encontro dos outros

as ruas desertas arrefecem numa chuva de dedos de areia

os sonhos arrastam-se pelas casas sonolentas provocando a madrugada dos desejos

que entram sem convocação no requiem das estrelas silentes

na pequena moradia do beco o ar rarefaz-se em bocejos
           cor pálida e sombria da peste
           a infectar a solidão do poema
                 e o coração da vida

quem sou eu

                    perguntara ao sol afogueado do meio-dia de inverno

como resposta
                     raios tépidos
                     lâmpada ateada de ternura
                     indiferente ao abismo profundo

                                ele era o incerto
                                a besta de carga

o carrego a lucilar nos túneis da imensa manhã pintada de geada

o vácuo do terreiro fistulado pelas garras da memória

o deserto queimado pelo desejo

ele era o corpo em riste

a percepção do crepúsculo mirrado na almargem

o intelecto volátil da seiva apagada nas páginas de um livro de poemas exangue

                               era a vida
                 a caminhar para a morte de vidro
                    baça como o vento inquieto

                                    era

recordo-me e recordam-me neste véu do tempo que apenas em petiz te adorei 
com preces azuis ajoelhado aos pés hirtos das colunas de pedra 

e como te adorava 
e como sentia a alma plena a palpitar de vida a animar o templo das delícias e das esperanças

hoje soletro os meus vícios caudalosos e os mais obscenos apetites

sou o que sou e pelo que sou

sou sem mais ser nem um pouco mais nem um mais a menos

                             vivo a viver
                     assim devo ter nascido
                       assim espero morrer

por vezes humano tão humano que me arrepia outras animal sem tino em caldeira fria sem destino sem razão sem outra vontade que não a de incendiar corpos

e se te voltar a adorar
retomará o cálice diamantino a sua inocência primordial 


sentara-se lúcido na esplanada com vistas para o muro de calcário com um copo de vidro velho a balançar nas mãos trémulas

um copo de rum vale mais do que todo o desassossego do mundo

por ali passavam passos
uns à frente outros atrás das difusas tristezas a consumir consciências

chamava-se pedro                                    pedro só

sem mulher
                 filhos
                 amigos
                 parentes
- só ricos e poderosos têm parentes de sobra –

confessava-se amiúde a seus companheiros
                                                        os copos 
ora vazios ora cheios de melancolia ou alegria

                  de nada lhe valera o templo
       as longas horas de meditação e imploração
                      na ausência do corpo

não sabia se deus existe ou não

e hoje nesta tarde efémera mas presente como um raio de sol 

                   pouco lhe importava saber
                        se iria ou não saber
                        o que nunca saberia

era ele e o rum
e o muro intransponível
e a verdade
de não haver verdade nenhuma

não o vislumbrava na noite erma

os cepos de oliveira esvaíam-se na lareira do quarto em ais de ligeiros estalidos

não o sentia
                  não o pressentia no ar quente do segredo guardado pela origem de tudo
                           nem sequer o intuía

a voz dela acalmou as inquietações e ficou por ali a pairar nos reposteiros carmim do seu corpo longínquo
               não se lembrava
               não o recordava
               nas faces rosadas da memória

ah quem esquece um corpo não é digno de o amar

o lume extingue-se paulatinamente
enquanto as cinzas do sem-nome penetram o aposento perfumando-o

                              não encontro sentido ou aroma
                           não vislumbro horizonte ou rumo
              
                             não estou
                              não ligo
                             não peço
                             não digo

chegou a primavera terna colorida doce e envolvida

                             não vejo
                            não cheiro
                             não sinto

não encontro para esta alma atormentada um seguro abrigo

                               senhor

                a urze estremece ao vento sul
                a pedra brilha ao sol matutino

e eu
estou só

na teia que tece e é tecida e que por um momento me embriaga de vinho novo
que me seduz espanta reluz
e
  faz recuar 
                 no caminho

alma que se dissipa no deleite do amor da carne sulcada pelos sentidos vivos da dor

alma de todas as ilusões de arroubos e visões

partirás só como o vento forte pelo desfiladeiro da morte

                         sem ontem
                                                         sem amanhã
                                                                     hoje
                                                                    bens
                                                               prazeres
                                                           vã fantasia

                      e serás com simplicidade
                               a-sem-nada
                                a-sem-dia


onde estás tu morte em que recanto te escondes          trespassa-me de mansinho com a tua vara para que possa dormir no sossego do teu regaço

                        o tempo passa
                        a tristeza fica
               tu passas e o medo morre

                                       deixa-me morrer contigo

                                     para a vida e para a morte

                                        para o bem e para o mal

                                     para a dor e para a alegria

                               para o passado e para o futuro

                                   para o presente do dia a dia

onde estás tu morte          a quem concedes a sorte do infinito e da eternidade da beatitude sem fim

deixa-me morrer contigo

de amor generoso e gratuito

como quem ceifa o trigo e não colhe o grão

ou lavra a terra e não semeia pão

deixa-me morrer contigo

a mim que já morri

são horas 
o saltério anuncia as armadilhas que se estendem pela estepe

não esperes por mim

regressemos ao coração do universo para que nos seja formalmente apresentado  o mistério da criação

                       retorno sem princípio 
                           chegada sem fim




será poesia que escrevo
- estúpida pergunta -

       não é poema

                                 nem canção
          
            são palavras
                                                       soltas

quando escrevo 

                          estremeço

                lento

                                                dócil

               e piso

                                           suave

a flor

                                                     que não vi
               no chão
                                   do caminho

                  para não magoar o deus
                       que não conheço


ser-se natural

ser natural como a árvore frondosa que no silêncio da tarde deixa que lhe furtem os frutos e abençoa com a sua sombra todos os que a procuram
como a luz da candeia que ilumina a igreja e o presídio o padre e a prostituta o santo e o ladrão 
ou a chuva que alimenta e faz crescer o pão e as ervas daninhas

quem me dera que os meus dias fossem passados com a paz de uma flor
das paredes brancas da casa grande da colina a afagar o sol e a lua

sendo o que sou por sê-lo 
tal como a flor exala o seu perfume sem saber qual o seu odor 
e a parede a sua alvura sem saber a sua cor

          matam-se e inventam-se deuses

          filósofos endemoninhados de gargantilha doirada agitadores da trôpega dialéctica do sem-fim brandem punhais rombos sobre os cânticos lúgubres da metafísica na transcendência dos covis bravios do deserto a mirra ungido

          fendem com tímido olhar a alma em acanhado festim

          rompem todos os sudários no olvido dos raios de sol azul listrado a vermelho e diamante

          sangram nos altares a raposa dos mil divertimentos em aparente calmaria de fé

        mágoa pungente da desgraça ancestral
        eloquente ciência dos novos abutres
        razão coberta de penhascos além-túmulo

          cem mil vezes nascido

          por cada deus morto os dias de antojo de quem mata o que adora

          um amor tão antigo como o espaço sidéreo gorjeia como rouxinol de folhas prateadas

          eis que chegam traspassados a fogo os anjos do céu

          um novo deus-arqueiro nasce do porvir

          miríades de estrelas tombam ensanguentadas no planalto cinzento do trovão

          as substâncias primeiras do segredo cósmico cantam novas aleluia

                        findou a trapaça
                             que venha
                  o tempo do renascimento

          deus morto
          deus nascido

continuo sem dormir          no marulho das ondas contra a praia o mar soçobra
              como um afogado asfixia-se

é urgente construir uma nova alma como quem obra sólida barca para atravessar o abismo

esta não me apraz          nela nada pode morar para além das imprestáveis velharias acumuladas pela miserável angústia dos espaços nebulosos
xavecos dum ontem apagado à percussão do badalejo das cava-terras
                                    velhas à soalheira  
enegrecidas são suas paredes          lamacenta na profundidade condicionante e inquinada à superfície
             de madrugada ascende-se à serra

na noite escura o pedreiro tomando em si desmedida paciência com mãos sedentas irá armar pedra a pedra  até que o multíplice seja uno
vazio de porta aberta ao porvir e à sua querença sem escolha sem desejo por onde tudo passa sem criar raízes como espelho vário de tudo e nada  como espelho cintilante e astuto lúcido corajoso solitário 

apenas uma alma desapossada das mil e uma formas pode adquirir o absoluto   

por ora
dele não digo sim nem não          nada assevero ou refuto não me atenho à aparência          não
tenho apenas por companheiro o fiel silêncio e um dedo aventando o caminho sem realidade e existência
                bem-aventurado o que não observa o dedo e se queda no mutismo

o vento acaricia com suavidade o cedro e as velhas árvores que agasalham a escuridão da rua deserta  sussurrando ao sono frases caiadas de amor

há luminosidades no tejo que amimam as águas mansas
na ponte também luzes amarelas e fixas

                         aviso à navegação
   
nenhum outro som respira enquanto as casas dormitam depauperadas na penumbra exterior apenas elisir d´amore          donizetti como convém ao tálamo ermo

o reino dos céus onde está ele

na alma recriada e não ocupada cujos olhos são como os da águia planante
vendo a realidade tal qual é     sem dilecção

para que quero eu o ódio flamejante e o amor dualista
            o desejo
            o apego
            as escolhas
            ou preferências
            e as tordesilhas da alma antiga 

labrego

a beleza de uma alma vazia basta-me          nela cabem todos os universos os versos e os poemas o bom e o mau o belo e o feio o agradável e o desagradável o prazer e o sofrimento
tudo lhe cabe momento a momento 
e a cada instante o que passa sem deixar rastro  conta-nos em surdina a verdade da não-verdade assim se atingindo o que se não busca

o vento já passou

as luzes aguardam na madrugada o decesso
talvez ainda esteja desperto          certificarei o óbito da noite oculta

na cela 13

a serra tem o aroma da primavera tardia
bálsamo dos caminhos poeirentos de outrora
     
louva-se o mês de maria
      prímulas

os jardins do seminário solenizam o júbilo do sol nascente

há um emudecimento sepulcral no edifício imenso   

o papagaio dormita

        partiu um contentor para murrupula
                 a vertiginosa azáfama
             dos noviços moçambicanos

chegaram as irmãs da missão na índia com seus harmónicos sorrisos   
   esposas de cristo

                os noviços estão preparados
                       vivem da e na fé
                       mas não são a fé     

simplifico alguns textos de joão da cruz          os filósofos pouco têm para os alumiar     

abnegação e inocência superam toda a intelectualidade
deus vive nos seus modos afáveis          não demandam o que neles vive
os seus rostos transfiguram-se ao som do nome daquele que amam
       disponíveis para a agremiação dos pobres


passas incólume pela minha alma sem criar raízes   
de ti resta a imagem exterior          as plumas esmaecidas da ave aprisionada no azul

hoje a vontade não é minha

os desejos cessaram
as penitências          as orações que fundeiam nos bolsos de deuses sobrecarregados de falsas prédicas

tua                  não sei de quem
nem minha nem tua talvez a da lua que contemplo enquanto aguardo por inglório sono ou beatífica inocência

o chamamento quando se julga internamente claro é apelo do próprio chamado no erro do desejo e da vontade reprimida

chama-se a si o que sofre
e pela força anseia a luz do dia
chama julgando-se chamado
e
como superficialmente ama
pensa-se profundamente amado

chamamento é dúvida
                                sofrimento
                                indecisão
de quem os primeiros passos ensaia na vereda sombria da iluminação

no atalho que distancia chamamento e missão há a interrogação envolta em escuridão de fé

de morte ferida a indecisão pesa-se a cidade das coisas e a metrópole do espírito

ninguém pode bem servir dois senhores
penhorar os seus instintos aos desígnios incompreensíveis

o recalcamento mata          a substituição destrói e a compensação frustra

nas duras e pedregosas terras do cume não crescem os mimos dos hortos
     
só se alimenta de neve e vento quem desdenhou os sórdidos banquetes
aquele que se abandona ao espírito do mundo
só vence a morte quem venceu a vida na morte do dia-a-dia

a solidão faz a poesia surda

deixar tudo seguindo o trilho das rosas brancas com a carne violada por espinhos transfigurados em beatitude

a mais harmoniosa de todas as viagens é a interior     liberdade absoluta na escolha do trilho deixando o mais belo dos crisântemos por colher e a suculenta amora no silvado      

de que serve cursar mundo quando na floresta-virgem o leão dormita e a gazela se deleita com pasto tenro

não há maior violência do que a cadeia alimentar

             gerei a eternidade sem o saber
                     criei uma nova alma
                 para ele nele e para mim

                            ele aqui
                          e eu nele -
                        imortalidade 

quando o pensamento cessa o homem transforma-se na sua alma e sem que nada busque fora  encontrará certamente o que no seu interior se demora

irá esconder-se no que escondido está
                             puro acto de amor
saindo ambos mão dada à intempérie
                                sorrindo sempre

o reino não está fora está dentro          sensações 
no mais belo e obscuro dos palácios
                                                                  vitrais
                                                               espelhos
                                                                        pedrarias
as mais belas mulheres
                           os mais puros de todos os vinhos
              as mais deleitosas de todas as impressões

apartou-se do rumor canibalesco das ruas calejadas 
aquele que é foi e será
            este é o seu templo o seu repouso

de que servem os templos disseminados pelas planícies e vales
romarias ao alto de montanhas mortas
                                         mesquitas
                                              igrejas
                                          sinagogas
                              capelas em ermos

            nós somos o templo
                   a alma tem sem saber
                          o que tem e
                     o que tem lhe basta


despedaçou-se a rijeza serrana
duas lágrimas correram na face enlutada

senhor

tenho contas a ajustar contigo 
consintas ou não
venhas ou não
terás de me ouvir


as ruínas da paisagem arruinaram a criação

              sem beleza a viagem
            sem fim é a peregrinação

procuro uma nação distante          um paraíso em gestação

uma paz que seja constante um novo coração para amar

                  tenho tanto para dar
                 pouco importa receber

e mesmo que tenha de sofrer
com a alma rasgada de amor

                 receber-te-ei nessa alegre dor
                            que a vida dá
                         ao próprio morrer

porque quem desse modo morre
para o eterno júbilo há-de nascer

                    quer queiras ou não
                     terás de me ouvir


foi na morada da serra nascida do gelo e amamentada pelos torgais que das alturas mergulhei pela primeira vez nos abismos

meia-dúzia de chalés no lugarejo

um charco iluminou-se ao som da lua          naquele local haviam uivado tristes tísicos nas noites plantadas de frígidas estrelas

ao amanhecer um manto de neve cobria todas as emoções sentimentos e afectos          os pensamentos escorriam nas falanges regeladas

no vale das éguas um silêncio sepulcral e as penhas douradas ainda orvalhadas projectavam sombras vivas na lagoa de cristal

ali estava o meu oceano as caravelas de antanho os velozes veleiros do algodão com seus capitães ferozmente tisnados pelo sol dos mares embravecidos do sul

canibais vestidos de azul

na vila submissa ajoelhada aos pés dos cumes graníticos bebia-se o sangue da terra negra esventrada por nossos avós 

um garimpeiro de almas abrira as portas do campanário deserto          a casa ao lado habitada por giestas e por bem-nascido silvado estava à venda

ninguém comprava nada          o pároco só          no confessionário

deus tinha andado por ali naquele vazio inóspito de floreiras murchas e de vasos despedaçados
afastara-se entediado          a senhora t da casa da águia asseverou que andava por assedasse 
se por lá andasse
– como se eu acreditasse –
já teria sido visto

observador de raios criadores e trovões demolidores como era
              sou
                     e o ignoro

os degraus da sala desciam por um portal semiaberto
daí haviam partido em pânico e sufoco todos os descobridores de monstros e animais fantásticos

mares de olhos negros onde rugiam cravos mágicos

nos rochedos do firmamento ouviam-se os cânticos do sangue coalhado

um quadro a óleo na parede virgem
- a música é um modelo para a pintura –

uma fenda no tabique          do lado de lá da realidade o mais belo de todos os tesoiros
nem pratas nem oiros nem pedras preciosas

      na escuridão amorosas ninfas subterrâneas
      um vazio                                     um nada 
          queda vertiginosa no vórtice do sonho


      meu deus
      que tenho eu
      para te ofertar

                           noites de volúpia
                           sexo sem findar
                           vinho cor de rubi
                           na mesa a abarrotar
                           ou esta dor
                           que me consome
                           angústia existencial
                           a germinar

pesar de quem te ama
e na transgressão se suja

que não sabe o que ama
nem porque ama

e talvez nem saiba
o que é amar

nem porque é sujado
na violação da norma 
que da cruz nos deixaste

             dou-te apenas o que te posso dar
               este padecimento angústia dor
                     que tu em mim geraste


***


Sem comentários: