Este diário complementa o nosso site pessoal

( VER ETIQUETAS NO FIM DA PÁGINA )

USE O PESQUISADOR DO BLOGUE -

-

OS TRATAMENTOS SUGERIDOS NÃO DISPENSAM A INTERVENÇÃO DE TERAPEUTA OU MÉDICO ASSISTENTE.

ARTE

Pesquisar neste blogue

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

ÚLTIMA PARAGEM




nem um veleiro no tejo da minha puerícia ainda surda ao chamamento das ninfas submersas em coifas

um edifício debruça-se nas águas sonolentas da baixa-mar
o fedor da vazante a imundície que vem de montante

um cargueiro apresta-se para sair a foz
onde aportará que estiva no coração do porão?
choram águas na proa insensitiva     maresia da dor

próxima paragem     algés     um circo à beira-rio os animais de outrora     saudade a arrastar pela crista das pequenas vagas do areal     os carneirinhos prenunciam aguaceiro 

rodados de todas medidas     alguns soldados na berma à sombra de uma obra estupidamente moderna    
as ruínas da velha casa

longínquo o cristo-rei     ausente com a cidade por abraçar
em puro gemido se eleva     
sacramento     falsidade     santidade pecaminosa 
gente que mente

a crise ensandeceu estes homenzinhos sem futuro

última paragem





Sem comentários: